Leste Europeu

A redenção de Kerzhakov

Aleksandr Kerzhakov é um dos melhores atacantes da Rússia. Poucas pessoas no país questionam isso. O problema, porém, é seu temperamento. O jogador do Dynamo Moscou costuma ter momentos de baixa muito duradouros na carreira e isso o prejudicou nos últimos meses na seleção. Porém, ao que parece, essa fase acabou.

Na quarta-feira, os russos tiveram um difícil e importante compromisso pelas eliminatórias para a Copa do Mundo de 2010. A partida contra a Finlândia, em Helsinque, valia a perseguição aos alemães na primeira posição do Grupo 4 e a tranqüilidade na segunda colocação, já que os finlandeses aparecem na seqüência na tabela.

O técnico Guus Hiddink, então, resolveu apostar suas fichas em Kerzhakov, deixando no banco Pavel Pogrebnyak e Roman Pavlyuchenko. Ao lado de Andrei Arshavin na frente, o atacante não decepcionou. Marcou dois gols na vitória por 3 a 0 e teve uma atuação extremamente elogiada pelos jornalistas russos e por seus companheiros. Kerzhakov precisa disso: confiança para jogar.

Aos 26 anos, ele volta a atravessar um grande momento na carreira. Surgiu muito bem no Zenit St. Petersburg, onde jogou entre 2001 e 2006. Estreou pela seleção russa com somente 21 anos. Em 2006 transferiu-se para o Sevilla, a pedido do técnico Juande Ramos. Teve bons momentos no time espanhol, mas com a saída de Ramos para o Tottenham e a efetivação no cargo de Manuel Jiménez, Kerzhakov perdeu espaço no time.

Perdeu, também, seu lugar na seleção que disputou a Eurocopa, mesmo tendo sido artilheiro da equipes nas eliminatórias.

Com poucos minutos jogados, foi especulado para diversas equipes, como o próprio Tottenham, mas em fevereiro deste ano, foi o Dynamo que conseguiu contratar o jogador. Ele demorou um tempo para voltar a demonstrar seu bom futebol, mas o treinador Andrey Kobelev acreditou no jogador e insistiu com ele.

Com isso, Aleksandr Kerzhakov está, definitivamente, de volta ao cenário do futebol russo. Com suas grandes atuações na Premier Liga, convenceu também o holandês Hiddink a levá-lo de volta à seleção. E a Rússia vai precisar de toda força disponível para lutar por seu posto no Mundial.

Com 15 pontos em seis jogos, está somente um atrás da Alemanha e cinco à frente da Finlândia. Nas próximas duas rodadas, encara Liechtenstein em casa em 5 de setembro e quatro dias depois tem um compromisso complicado contra País de Gales, em Cardiff. Vence sem problemas o primeiro jogo e deve triunfar também na segunda partida, até porque precisará disso para seguir sonhando, já que a penúltima rodada será decisiva.

Em 10 de outubro, a Alemanha, que terá vindo de dois jogos contra o Azerbaijão, viajará para Moscou onde enfrentará os russos sedentos por uma vitória e a classificação direta para a Copa, já que o último compromisso, quatro dias depois, é contra os azaris.

A situação é muito parecida com as eliminatórias da Eurocopa de 2008, quando a Rússia estava no grupo da Inglaterra e conquistou a vitória, fundamental, em Moscou, que praticamente a colocou no torneio.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo