Leste Europeu

A loucura tomou conta do Slavia Praga na comemoração do primeiro título tcheco desde 2009

Tradicionalmente a segunda força no antigo Campeonato Tchecoslovaco, o Slavia Praga não consegue desfrutar da mesma aptidão ao sucesso desde o desmembramento do país. As conquistas se tornam mais escassas, mas também mais comemoradas pelos alvirrubros. Nove vezes vice-campeões do Campeonato Tcheco, o clube da capital chegou ao seu quarto título neste sábado, o primeiro desde 2009. Feito que valeu uma festa gigantesca no Estádio Strahov, após a confirmação do taça, graças à vitória sobre o Zbrojovka Brno na rodada final da liga nacional. Bandeirão, sinalizadores e invasão de campo tornaram a tarde em Praga inesquecível.

Brigando pelo topo da tabela desde meados do primeiro turno, o Slavia fez uma campanha exemplar. Não perdeu mais desde setembro, acumulando 20 vitórias nas 30 rodadas, com uma postura bastante ofensiva. O problema é que alguns dos empates vieram em momentos indevidos, nos quais o Viktoria Plzen ameaçava buscar o tricampeonato tcheco.

Na reta final da campanha, entretanto, os concorrentes ficaram pelo caminho e os alvirrubros precisaram apenas administrar a vantagem. Assim, a goleada por 4 a 0 sobre o Zbrojovka serviu como pavio para fazer explodir o Estádio Strahov pela conquista há tempos ausente. Autor de 15 gols, o veterano Milan Skoda foi o grande destaque individual na equipe treinada por Jaroslav Šilhavý, antigo assistente da seleção tcheca na Euro 2004 e na Copa de 2006.

A invasão de campo foi o ápice de uma torcida que encheu o Estádio Strahov durante toda a campanha, com a maior média de público do país. O digno prêmio a uma massa bastante fanática e que não se cansou de dar espetáculo. Com o título, o Slavia se confirma já na Rota dos Campeões da Champions League, precisando passar por duas fases preliminares até chegar aos grupos. O Viktoria Plzen também se classifica, mas terá que passar pela Rota da Liga, cruzando com pedreiras de ligas mais fortes.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo