Serie A

O lendário Shevchenko está de volta à Itália para ser o técnico do Genoa

Ídolo do Milan, Shevchenko assume o Genoa com contrato até 2024 após a demissão de Davide Ballardini

Andriy Shevchenko está de volta à Itália. O Genoa anunciou a contratação do treinador, com contrato até 2024. Aos 45 anos, o ex-jogador do Milan terá o seu segundo trabalho como treinador, o primeiro em clubes. Ele foi o técnico da seleção ucraniana de 2016 a 2021 e dirigiu o time na Eurocopa 2020 (disputada neste ano de 2021). Anunciou a sua saída do cargo no começo de agosto. Livre no mercado, recebeu o convite para treinar o Grifone e aceitou. Será a sua primeira experiência como técnico de clubes.

VEJA TAMBÉM: A Bola de Ouro a Shevchenko, conquistada há 15 anos, também simbolizou um lindo ato de gratidão

Shevchenko se tornou um jogador muito conhecido no futebol europeu por ser parte de uma grande surpresa pelo Dynamo Kiev, na temporada 1998/99. De lá foi para o Milan, em 1999, e se tornaria uma lenda do clube. Foram 322 jogos pelos rossoneri, com 175 gols marcados. Ao longo da carreira, conquistou a Champions League pelo Milan, em 2002/03, e também foi campeão italiano em 2003/04. Foi justamente em 2004 que ganhou a Bola de Ouro, prêmio da revista francesa France Football.

Teve ainda uma passagem pelo Chelsea, que não foi muito bem-sucedida, de 2006 a 2008. Voltaria ao Milan por uma temporada, em 2008/09, antes de retornar à Ucrânia para defender o Dynamo Kiev. Se aposentou em 2012, depois da Eurocopa daquele ano, sua última competição como jogador profissional defendendo a seleção da Ucrânia.

Foi inicialmente assistente técnico da seleção ucraniana antes de assumir como técnico. Foram 52 jogos, 25 vitórias, 13 empates e 14 derrotas. Dirigiu o time nas Eliminatórias para a Copa 2018, mas não conseguiu levar a equipe ao Mundial. Terminou em terceiro no Grupo I, atrás de Islândia e Croácia.

Na Liga das Nações, levou a Ucrânia à promoção da Liga B para a Liga A ao terminar o seu grupo em primeiro, à frente de República Tcheca e Eslováquia na edição 2018/19. Na edição 2020/21, acabou rebaixado de volta à Liga B, depois de cair em um grupo com Espanha, Alemanha e Suíça e terminar em último lugar.

Conseguiu classificar a Ucrânia para a Eurocopa 2020, terminando as Eliminatórias em primeiro lugar no Grupo B, à frente de Portugal. Foi na Euro que seu trabalho teve mais destaque, com a campanha que levou o time até as quartas de final, quando acabou goleada pela Inglaterra. Mesmo assim, saiu do torneio maior para o futebol da Ucrânia.

Shevchenko nunca escondeu que seu objetivo um dia é treinar o Milan, clube que desenvolveu uma grande ligação e onde viveu o seu melhor momento. Em 2020, deu entrevista contando que esperava conseguir chegar a esse ponto na sua carreira. Em entrevista exclusiva à Trivela, Shevchenko disse que se inspirava em Ancelotti e no histórico Valeriy Lobanovskyi.

O Genoa é um passo importante para Shevchenko se provar em uma liga difícil, de alto nível, e em um trabalho de clubes. O Genoa está ameaçado pelo rebaixamento e o seu trabalho será difícil. Os novos donos, o grupo americano 777 Partners, queria um técnico que liderasse o novo projeto e escolheram Shevchenko como o nome ideal para isso. “Dando início a esta nova aventura para trazer de volta o Genoa à sua grande história”, escreveu Shevchenko no seu Twitter.

O desafio de Shevchenko será enorme no Genoa. Com 12 jogos disputados, o Genoa é apenas o 17º na Serie A com nove pontos, mesma pontuação da Sampdoria, que está na zona do rebaixamento.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo