EuropaSerie A

Juventus supera Torino, mantém freguesia no clássico de Turim e se aproxima da liderança da Série A

Gatti e Milik garantiram vitória por 2 x 0 dos Bianconeris e a diferença para líder Inter de Milão diminui para um ponto

O Derby della Mole da oitava rodada da Série A 2023/24 terminou com vitória de 2 x 0 da Juventus em cima do Torino, no Allianz Stadium, neste sábado (7). O triunfo com gols de Federico Gatti e Arkadiusz Milik aproximou os Bianconeris da luta pela liderança do campeonato, chegando aos 17 pontos, apenas um a menos da líder Inter de Milão, que tropeçou na rodada

A vitória também aumentou a freguesia do Torino contra seu maior rival. Nos últimos 19 confrontos, foram 15 vitórias da Juve e quatro empates. O último triunfo dos Toros aconteceu em 2015. No recorte atuando como visitante, a equipe grená não vence a Velha Senhora desde 1995.

1º tempo tem alternância de controle do jogo e termina zerado

Massimiliano Allegri manteve seu característico esquema com três defensores, mas teve que quebrar a cabeça pelos quatro desfalques por lesão (Alex Sandro, Chiesa, De Sciglio e Vlahovic), além de Paul Pogba, suspenso por doping. A defesa da Juventus tinha os brasileiros Danilo e Bremer, além de Federico Gatti. Filip Kostic (esquerda) e Timothy Weah (direita) ocupavam as alas, próximos ao trio de meio-campo com Adrien Rabiot, Weston McKennie e Manuel Locatelli. Moise Kean e Fabio Moretti (este, flutuando por todo o campo) completam a escalação como dupla de ataque.

Também com ausência importantes, casos de Nemanja Radonjić, Alessandro Buongiorno, Koffi Djidji, Brandon Soppy e Zanos Savva, o Torino tinha os três zagueiros assim como seu rival, mas quando atacava apostava mais nos lados do campo com seus alas Valentino Lazaro e Raoul Bellanova, além dos atacantes Demba Seck e Nikola Vlašić. O colombiano Duván Zapata ficava no comando de ataque, aguardando os cruzamentos na área.

Normalmente, as duas equipes atuam em um jogo mais direto, pautado no contra-ataque (em média na Série A, ambos têm 50,3% de posse), mas alguém tinha que ficar mais com a bola. Inicialmente, foi a Juve, conseguindo abrir o placar com apenas cinco minutos, mas anulado por impedimento. Na jogada, Perr Schuurs afastou mal a tentativa de passe de Weah, que retomou a bola e deixou Kean tranquilo na área para mandar uma bomba no canto de Vanja Milinković-Savić e marcar em posição irregular.

De certa forma, isso acordou o time grená, que começou a dominar as ações ofensivas e chegou a bater mais de 60% de tempo com a bola nos pés em 15 minutos. Neste cenário, apostando muito pelos lados do campo, teve boa oportunidade com Lazaro, recebendo cruzamento da direita e batendo forte, já dentro da área, sem necessidade de intervenção de Wojciech Szczęsny. A resposta da Juve ao ataque adversário foi quase imediata, com Kostic aparecendo na área para fazer cruzamento rasante no chão, sem ninguém para concluir. 

Sofrendo pela pressão do rival quando iniciava sua saída, a Juventus apostava nos lançamentos (ou chutões mesmo) para sair do campo de defesa. Assim, Kean venceu no alto e deu para Rabiot, que partindo em direção ao gol foi derrubado por Bellanova – advertido com cartão amarelo, o único da etapa inicial.

Os minutos seguintes até o final foram melhor momento bianconeri, rodeando a área adversária e saindo melhor pelo chão do campo de defesa, mas nada que incomodasse Milinković-Savić, evidenciando o problema com as ausências de Chiesa e Vlahovic. Pelo lado dos Toros, o contragolpe era a opção e a efetividade o problema do time de Ivan Jurić.

Milik entra bem e garante vitória da Juventus 

Para mais poder de ataque, Allegri trocou Miretti pelo atacante polonês Arkadiusz Milik logo no intervalo. O novo centroavante do time ajudou a criar a jogada para conseguir o primeiro escanteio da etapa final logo no primeiro minuto. Na cobrança, Milinković-Savić saiu errado do gol, deixou a meta aberta, Bremer e Kean dividiram para desviar e Gatti finalizou duas vezes para balançar as redes. O lance foi invalidado por um suposto impedimento, mas após mais de quatro minuto o VAR concluiu que estava tudo certo na posição de Kean.

Milik mostrou entrar inspirado na partida. Ele quase marcou aos 15 minutos, quando recebeu cruzamento de Kostic no meio da área e testou para o chão, como manda a cartilha do centroavante, mas o goleiro espalmou para a linha de fundo. No escanteio, novamente Kostic colocou na cabeça de polonês, que antecipou Milinković e testou para as redes.

Pouco depois, a Juve mostrava como estava superior na bola área – e o goleiro Milinković-Savić mal em suas saídas do gol. Nova cobrança de escanteio de Kostic chegou em Gatti, que antecipou o arqueiro adversário na primeira trave e quase marcou seu segundo no dia.

Para tentar segurar mais a bola no ataque e finalizar alguma vez no gol – naquele momento Szczęsny ainda não tinha trabalhado -, Juric fez sua primeira mudança dentre os atacantes, colocando o paraguaio Antonio Sanabria no lugar de Seck.

Apostando mais nos contra-ataques, sua melhor característica, o mandante seguia martelando e incomodando o adversário, que pouco fazia quando tinha a bola. Com meia hora, Kostic, o homem da velocidade e um dos melhores em campo (se não o melhor), foi substituído para entrada do jovem Andrea Cambiaso.

Ainda sem incomodar a defesa da Juve e buscando uma reação no fim, entraram Mërgim Vojvoda, Gvidas Gineitis e Pietro Pellegri no Torino. Ao mesmo tempo, o garoto turco Kenan Yildiz substituiu Kean na equipe mandante.

A primeira defesa de Szczęsny na partida só veio com 40 minutos, ao encaixar forte cabeceio de Zapata. No contra-ataque desse lance, Danilo se aventurou no ataque, apareceu na ponta esquerda e cruzou para trás para Milik, que chutou de primeira, cruzado, para boa defesa de Milinković-Savić.

Ainda daria tempo de Sanabria quase fazer um golaço ao dar um lindo voleio após cruzamento de Adrien Tameze, mas o atacante não pegou em cheio na bola e o chute foi sem direção. A partida teve mais seis minutos de acréscimos e confirmou a boa vitória da Juventus.

Foto de Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius é nascido e criado em São Paulo e jornalista formado pela Universidade Paulista (UNIP). Escreveu sobre futebol nacional e internacional no Yahoo e na Premier League Brasil, além de eSports no The Clutch. Além disso, atuou como assessor de imprensa no setor público e privado.
Botão Voltar ao topo