Itália

Chiellini defende Superliga e redução de clubes na Serie A: “Um jogador do nível da Juve quer jogar esses jogos”

Zagueiro concorda com a ideia do chefe, presidente da Juventus, em criar uma Superliga Europeia e também acha necessário reduzir os clubes na Serie A

O zagueiro Giorgio Chiellini, da Juventus, defendeu uma ideia bastante controversa: a Superliga Europeia. O jogador, de 37 anos, foi perguntado sobre isso pela Gazzetta dello Sport e não se furtou a dizer o que pensa. Para o capitão da Juve e da Itália, a ideia seria boa para os clubes e torcedores. Ele também defendeu a redução de clubes da Serie A, de modo a abrir mais datas ao futebol europeu.

VEJA TAMBÉM:
Presidente da Juventus não desiste da Superliga e faz uma defesa cínica sobre reformas no futebol europeu
FIFPro e Ligas Europeias cobram nova governança e mais representação de jogadores, torcedores e ligas na Uefa
Dirigente italiana critica Superliga: “O problema dos clubes é o aumento exponencial dos gastos”

“Há alguns anos falo sobre isso com o presidente [Andrea Agnelli]. O futuro do futebol caminha cada vez mais para uma europeização em comparação com os campeonatos nacionais. Um jogador do nível da Juve quer jogar esses jogos, com todo respeito.

“Há muitos anos que falo com o presidente sobre essa possibilidade. Os atletas do nosso nível, mas também os torcedores, querem cada vez mais jogos a nível europeu. Chegamos a um ponto sem volta. Instituições, clubes e os jogadores devem se reunir para reforçar o calendário e criar novas competições para dar um novo fôlego a este esporte, que continua sendo o mais bonito do mundo, mas para mim pode ser melhorado. Nos EUA, são mestres nisso”.

O zagueiro, que é capitão da Juventus e da Itália, também comentou outro ponto polêmico: a redução de clubes na Serie A. Atualmente, a liga tem 20 clubes, mas já teve 18 e chegou a ter 16 nos seus tempos áureos. Chiellini acredita que a redução faria bem ao Campeonato Italiano.

“Há clubes demais na Serie A no momento, deveríamos ter 18. Paradoxalmente, também poderíamos voltar aos 16 clubes, mas acho que 18 é um bom número. Só para voltar a aumentar a competitividade e dar mais espaço aos jogos de nível europeu”, afirmou Chiellini.

O zagueiro da Juventus parecia inspirado para falar sobre assuntos que geram alguma controvérsia. Ele também mostrou ser contrário ao VAR, mas admitiu que em parte isso é ser contra as mudanças no futebol que são imparáveis.

“Mesmo que nós românticos, queiramos abolir o VAR, retirar o impedimento ou devolver o passe para o goleiro, o mundo está avançando e não podemos impedir de mudar. Acho que é fundamental encontrar pessoas que possam discutir juntos pessoas que possam discutir juntos para melhorar o futebol. No momento, falta diálogo e caminhamos para uma situação insustentável para todos: para nós e para os clubes. Até os torcedores percebem isso”.

VEJA TAMBÉM:
Doze Homens e um Desejo: destruir o futebol europeu
Da criação ao colapso: a linha do tempo da implosão da Superliga em 48 horas
Uefa saiu mais forte, mas precisa mudar para deixar de ser um problema e evitar novos golpes como a Superliga

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo