Premier League

Tottenham desiste da contratação de Gattuso depois de reação negativa da torcida

Hashtag #NoToGattuso se tornou trending topics contra o treinador, que não representaria os valores do clube nem como pessoa, nem como treinador

Gennaro Gattuso era o favorito para assumir o posto de técnico do Tottenham, mas o clube desistiu do italiano, segundo informa The Athletic. O ex-treinador do Napoli se tornou o preferido depois das negociações com Paulo Fonseca não irem adiante. A desistência teve entre os seus principais fatores a reação majoritariamente negativa dos torcedores com o nome do treinador italiano.

Gattuso surpreendentemente deixou a Fiorentina menos de um mês depois de assumir o cargo e sem nem ter começado a pré-temporada. Assim como fez com outros treinadores, o Tottenham chamou Gattuso para uma entrevista e seu empresário, Jorge Mendes. Depois de conversas iniciais, o clube informou o empresário que Gattuso não seria o treinador dos Spurs.

A reação dos torcedores contra Gattuso foi muito negativa. Entre os motivos, as declarações machistas sobre o papel das mulheres no esporte, ser contra casamentos de pessoas do mesmo sexo e declarações consideradas racistas.

Além de ter um perfil pessoal que não combina com o que os torcedores acreditam serem os valores do clube, ele ainda tem um estilo nos seus times que vai contra a ideia de um futebol mais ofensivo, como querem os torcedores e acreditam ser o melhor para a equipe. Com isso, a hashtag #NoToGattuso estava nos trending topics no Reino Unido nesta quinta-feira. Segundo o repórter Fabrizio Romano, foi um motivo crucial para a desistência.

O novo diretor do Tottenham, Fabio Paratici, ex-Juventus, conhece bem o trabalho de Gattuso, depois de anos trabalhando na Itália. Ele inclusive teria considerado contratar Gattuso como substituto de Andrea Pirlo enquanto ainda estava na Velha Senhora.

Antes de negociar com Paulo Fonseca e Gennaro Gattuso, o Tottenham conversou com outro italiano, Antonio Conte. O técnico está badalado depois de levar a Internazionale ao título da Serie A. Deixou o clube por desentendimento em relação ao mercado de transferências, com a crise financeira dos nerazzurri. As conversas com Conte também não evoluíram e o clube desistiu. Antes dele, os Spurs ainda negociaram com Mauricio Pochettino, seu antigo treinador, que está no PSG. O clube parisiense, porém, não parece disposto a liberar o argentino, o que complicou as negociações.

Ao final da temporada, depois da fracassada tentativa de Superliga em que o Tottenham estava envolvido, o presidente do clube, Daniel Levy, divulgou uma carta aos torcedores. Lá, dizia que “perderam de vista o nosso verdadeiro DNA”. Mais do que isso, fala sobre a escolha do próximo técnico.

“Estamos bastante cientes da necessidade de escolher alguém cujos valores refletem aqueles do nosso grande clube, voltando a jogar um futebol com o estilo pelo qual somos conhecidos, fluido, ofensivo e divertido, ao mesmo passo em que continuamos a abraçar nosso desejo de ver nossos jovens jogadores das categorias de base florescerem ao longo de talentos experimentados”, disse, então Daniel Levy.

Realmente, olhando essa descrição, fica difícil acreditar que Gattuso se encaixa. Os times de Gattuso nunca foram fluidos, ofensivos e divertidos. Também é difícil imaginar que Gattuso represente os valores do clube.

O que acontece é que o Tottenham continua sem técnico e procurando quem possa ocupar a casamata na próxima temporada. Veremos se Daniel Levy encontrará um treinador que seja tudo isso que esperam.

Gattuso teve uma experiência no Reino Unido quando defendeu o Rangers na temporada 1997/98, depois do seu contrato com o Perugia acabar, em 1997. Iria em seguida para a Salernitana, em 1998, de onde se transferiria para o Milan em 1999 e ficaria até 2012. Ainda se aventurou pelo Sion, da Suíça, na temporada 2012/13, onde também começou como jogador/treinador. Passou definitivamente para a profissão de treinador dali em diante.

Aqui, veja dois gols de Gattuso pelo Rangers naquela temporada que passou na Escócia:

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo