Premier League

Deputada propõe regulação independente do futebol inglês e enfrenta resistência de clubes

Tracey Crouch quer estabelecer órgão independente com poder de intervenção e taxa de transferências para financiar divisões inferiores e amadoras

O futebol é um negócio de bilhões de libras no Reino Unido e a falta de regulação levou os clubes a entrarem em um movimento como a Superliga Europeia, uma iniciativa que morreu apenas 48 horas depois de ser anunciada. Isso, porém, ligou o alerta que faltava regulação e mais participação dos torcedores, além de uma melhor distribuição do dinheiro para a pirâmide do futebol. Por isso, Tracey Crouch, deputada do Partido Conservador, propôs um projeto que ela mesma admite: terá muita resistência de clubes da Premier League.

VEJA MAIS:
FIFPro e Ligas Europeias cobram nova governança e mais representação de jogadores, torcedores e ligas na Uefa
A Superliga deixou claro: sem gente, não se faz futebol – popular por sua identidade, não pelo glamour
Fiasco da Superliga abriu os olhos do governo britânico, que irá examinar governança do futebol no país

Tracey, que já foi Ministra do Esporte, defende o estabelecimento de um regulador independente, com poderes de intervir em clubes mal geridos, e também determinar uma taxa sobre as transferências para um fundo que financiaria o futebol da base da pirâmide, ou seja, das divisões inferiores e amadoras.

A deputada afirmou ao comitê selecionado de digital, cultura, mídia e esportes que estava otimista que a estrutura legislativa necessária para a introdução de um regulador independente seja incluída no próximo discurso da Rainha, com o objetivo de ser criado para começar a funcionar a partir da temporada 2023/24. O regulador independente seria formado por 50 especialistas em regulação financeira.

Crouch defende que seja criado um “regulador sombra”, que seja financiado por impostos para, digamos, regular os reguladores. O custo seria de £ 5 milhões e poderia começar a funcionar já em janeiro. Esse conceito de “sombra” é comum no Reino Unido: a oposição normalmente tem um “ministro da sombra” de cada área, que regula o trabalho do ministro de fato. É uma forma de ter mais independência e mais regulação no trabalho público.

O projeto, porém, deve sofrer muita resistência dos clubes, como a própria Crouch admite. O executivo chefe do Aston Villa, Christian Purslow, disse que as recomendações da deputada “arriscam matar a galinha dos ovos de ouro”. A parlamentar, claro, discorda dessa visão.

“Não vejo como algo que mata a galinha dos ovos de ouro. Bem ao contrário”, disse Crouch. “O que temos no momento é um sistema sujeito a vulnerabilidades. Se você remover algumas das vulnerabilidades por uma regulação melhor, isso na verdade encoraja o crescimento e investimento no futebol inglês”.

Segundo a parlamentar, falta consenso sobre o assunto entre os clubes da Premier League, mas ela sabe que a oposição ao projeto será maior do que apenas de Purslow. Angus Kinnear, executivo chefe do Leeds, deu uma declaração ainda mais dura sobre a ideia de pagar uma taxa por transferência para financiar o futebol da base da pirâmide: disse que a recomendação parecia Maoísmo, em referência à política de Mao Tsé-Tung, líder da revolução comunista chinesa.

Crouch considera que a reação de Kinnear foi “um pouco extrema” e que a comparação sequer fazia sentido. “Tudo que estou tentando fazer é ter mais dinheiro para a pirâmide do futebol. Algumas das críticas de executivos deixaram claro que eles sequer leram o relatório. Não se trata de um regulador do governo, é um regulador independente. A missão é sobre a sustentabilidade financeira do futebol a longo prazo”.

“Meu entendimento da reunião da Premier League na sexta é que eles irão argumentar muito, muito fortemente para que o regulador independente não seja determinado pelo legislativo. Acho que eles irão resistir muito, muito fortemente no aspecto estatutário do regulador independente e preferiram que fosse uma unidade dentro da Football Association”.

A deputada espera que a proposta da taxa sobre transferências, que seria destinada às divisões inferiores do futebol inglês, também sofra resistência dos clubes. “Isso é interessante, porque na verdade foi proposta por um clube da Premier League. A taxa de transferência é realmente importante”, afirmou ainda a deputada.

Crouch foi além ao provocar os dirigentes sobre a sua resistência a uma regulação externa dizendo que a Premier League poderia estabelecer ela mesma essa taxa, se assim quisesse, e isso diminuiria, digamos, o entusiasmo no governo para fazer isso pela via legislativa.

“A Premier League poderia mudar as regras amanhã se quisesse. Eles poderiam introduzir algo como 3%, por exemplo, em janeiro, que iria para o futebol de divisões inferiores e bem-estar dos jogadores e pronto. Isso os colocaria, para usar uma analogia do futebol, com 1 a 0 no placar e poderiam estacionar o ônibus em frente ao gol. Eu os encorajaria a fazer isso. Acho que foi muito razoável no que eu recomendei nesta revisão do futebol”.

Ainda há muita coisa para acontecer, mas é fato que as consequências daquela tentativa torpe dos clubes de criar a Superliga Europeia deixou consequências e mostrou o quanto o futebol precisa de mais participação popular, mais regulação, e não menos. A falta de regulação ainda é vista como um problema, porque o futebol parece cuidar pouco até de si mesmo, tentando sempre cuidar só dos interesses de uma parte dos interessados, e não do esporte.

A ideia da deputada pode ter falhas, mas é um bom começo para uma discussão relevante sobre processos regulatórios independentes no futebol, que não tenham o dedo dos governos, mas de órgãos que possam fiscalizar os clubes e as ligas, de modo que o esporte, que pode até ser privado no sentido estrito da palavra, mas é público no sentido amplo, de pertencimento à sociedade.

VEJA MAIS:
Uefa saiu mais forte, mas precisa mudar para deixar de ser um problema e evitar novos golpes como a Superliga
Doze Homens e um Desejo: destruir o futebol europeu

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo