Inglaterra

Por que hotéis levantam suspeitas sobre contas do Chelsea?

O Chelsea virou motivo de polêmica na Premier League por conta de uma movimentação suspeita de seus hotéis

Desde a chegada de Todd Boehly, o Chelsea está longe de recuperar o protagonismo na Inglaterra — e mais distante ainda do cenário europeu. Sem participar de competições continentais e no meio da tabela da Premier League, os Blues estão investindo pesado em contratações, mas isso ainda não se pagou dentro de campo. Agora, uma movimentação suspeita de seus hotéis jogam luz sobre as contas.

Isso porque, segundo o The Guardian, rivais da Premier League ficaram “aterrorizados” após descobrirem que o Chelsea aliviou sua situação financeira com a venda de dois hotéis para uma empresa irmã. O acordo foi fechado em £ 76,5 milhões (cerca de R$ 494,9 milhões) e supostamente ajudou os Blues a evitar uma violação das Regras de Lucro e Sustentabilidade (PSR).

Em balanço divulgado na semana passada, o Chelsea mostrou um prejuízo de £ 89,9 milhões (em torno de R$ 581,6 milhões) no último ano financeiro. Contudo, esse rombo nas contas poderia ter sido de £ 166,4 milhões (aproximadamente R$ 1 bilhão) se não fosse pela venda dos hotéis da Chelsea FC Holdings Ltd para a Blueco 22 Properties Ltd. Ambas empresas são subsidiárias da holding dos Blues, a Blueco 22 Ltd.

A ideia de vender os hotéis Millenium e Copthorne — e seus estacionamentos — não foi barrada pela Premier League. Contudo, os demais clubes ingleses não ficaram felizes com o Chelsea se aproveitando de uma brecha no regulamento do fair play financeiro. Um executivo da primeiro divisão ficou incrédulo ao saber do acordo, principalmente em meio às punições àqueles que infringem as regras.

Entenda a manobra do Chelsea nos bastidores

Vale lembrar que as PSRs determinam que nenhum clube da Premier League pode registrar uma dívida superior a £ 105 milhões (cerca de R$ 679,3 milhões) em um período de três anos. Ou seja, se o Chelsea não tivesse vendido seus hotéis para uma empresa irmã, teria falhado em obedecer ao fair play financeiro da liga. Com isso, era praticamente certo que os Blues seriam punidos.

Em 2023/24, a Premier League apresentou uma postura bem mais rígida com aqueles que quebras as Regras de Lucro e Sustentabilidade. O Everton já sofreu duas reduções de pontos no campeonato até aqui. A primeira, em novembro, era de 10 pontos, mas foi reduzida para seis. Neste mês, os Toffees receberam um novo gancho de dois pontos, mas eles recorreram e esperam uma decisão antes do final da temporada.

Já o Nottingham Forest foi punido em março com a redução de quatro pontos na Premier League por também violarem o fair play financeiro. Eles também recorreram e serão notificados sobre o novo parecer na próxima semana. O Chelsea, por sua vez, já gastou mais de £ 1 bilhão (aproximadamente R$ 6,4 bilhões) em contratações na era Boehly-Clearlake Capital.

Mesmo assim, os Blues acreditam que continuarão respeitando o regulamento financeiro da Premier League. Para isso, a tendência é que a próxima janela de transferências seja marcada por vendas, uma forma de fazer dinheiro no mercado. As vendas dos hotéis ainda não foram avaliadas como “valor justo de mercado”, segundo as regras de transações com partes associadas da Premier League. Então, é preciso aguardar cenas dos próximos capítulos.

Foto de Matheus Cristianini

Matheus Cristianini

Formado em Jornalismo pela Unesp, é apaixonado por esportes, acima de tudo futebol. Ama escrever sobre o que acontece dentro e fora de campo. Após passar por Antenados no Futebol, Bolavip Brasil, Minha Torcida e Esportelândia, se juntou à equipe da Trivela com muita vontade de continuar crescendo.
Botão Voltar ao topo