Inglaterra

Enzo Maresca: a ambiciosa e arriscada aposta do Chelsea para o comando técnico

Técnico italiano aceitou a proposta dos Blues e comandará a equipe londrina a partir da próxima temporada

O Chelsea tem um novo técnico. Após confirmar a saída de Mauricio Pochettino, os Blues agiram rápido no mercado e estão a detalhes de anunciar a contratação de Enzo Maresca, do Leicester. O italiano de 44 anos assinará contrato de cinco anos com o time londrino, ou seja, vínculo até junho de 2029.

Maresca chega ao Chelsea com a missão de recolocar o clube no caminho das glórias. Os Blues fizeram duas temporadas consecutivas abaixo do esperado, e novamente ficarão fora da Champions League.

Abaixo, a Trivela destacou pontos importantes da nova aquisição do Chelsea. Afinal, o que fez o clube apostar em Maresca? Quais são as credenciais do italiano e o que ele encontrará em Stamford Bridge?

Detalhes da negociação

A demissão de Pochettino ajuda a entender a opção por Maresca. Após o término da temporada, o técnico argentino se reuniu com a alta cúpula do Chelsea para uma conversa franca. No encontro, as duas partes chegaram a um consenso e entenderam que interromper o trabalho era a melhor saída.

Resumidamente, a diretoria dos Blues queria o silêncio de Pochettino no mercado de transferências e em outras decisões extracampo. A ideia dos dirigentes para 2024/25 é contar com um treinador submisso, que se preocupe apenas em treinar a equipe e conseguir os resultados estabelecidos previamente. De imediato, o argentino não topou, e o vínculo foi encerrado.

Ao se desligar de Pochettino, os Blues mapearam o mercado de técnicos e estabeleceram um ‘perfil ideal’. Profissional jovem, que aplique um futebol baseado em posse de bola e molde o time para controlar os jogos. O trabalho de Mikel Arteta, no Arsenal, serviu como base no momento de traçar tais nuances.

Diferente do argentino, Maresca não viu problemas na proposta centralizadora dos diretores do Chelsea. O italiano, que se encaixa nos atributos desejados pelo clube, venceu a concorrência de Kieran McKenna (Ipswich Town), Thomas Frank (Brentford) e Roberto De Zerbi (ex-Brighton). Para tirá-lo do Leicester, os Blues pagarão 10 milhões de euros aos Foxes.

Carreira de Enzo Maresca

O meio-campista

Enzo Maresca fará apenas seu terceiro trabalho como técnico principal, mas possui uma bagagem interessante dos tempos de jogador. Revelado nas categorias de base do Milan, o italiano foi um bom meio-campista. Passou pelo West Bromwich e por quatro clubes italianos (Juventus, Bologna, Piacenza e Fiorentina) antes de se destacar no Sevilla.

Bicampeão da Copa da Uefa, Maresca viveu seu auge na equipe espanhola. Peça importante do meio-campo blanquirrojo, o italiano foi herói da final contra o Middlesbrough em 2006, com dois gols, e cravou de vez seu nome na história do clube da Andaluzia.

Após trajetória de sucesso no Sevilla e rápida passagem pelo Olympiacos, se transferiu para o Málaga. O volante fez parte do ambicioso projeto do clube, que classificou a equipe albiceleste pela primeira vez à Champions League. Sampdoria, Palermo e Hellas Verona foram os últimos times da carreira de Maresca.

O técnico

Maresca se aposentou dos gramados em 2016/17, com a camisa do Verona. Apaixonado por futebol, logo iniciou sua empreitada como treinador. Trabalhou como assistente de Vincenzo Montella e Joaquín Caparrós no Sevilla, antes de se juntar à comissão técnica de Manuel Pellegrini, no West Ham.

A primeira experiência como técnico principal veio na temporada 2021/22, quando comandou o sub-23 do Manchester City. O italiano levou os Citizens a conquista da Premier League 2 e ganhou reconhecimento no mercado.

Seu bom trabalho à frente do time inglês o levou ao Parma, da Itália, mas não registrou bons resultados de imediato e durou só 14 jogos — demitido em novembro de 2021.

Após experiência frustrante na Itália, Maresca foi convidado para trabalhar como auxiliar de Pep Guardiola. Ele viveu de perto a conquista da Tríplice Coroa do Manchester City, em 2022/23, com os títulos da Premier League, Copa da Inglaterra e Champions League.

No início da última temporada, assinou contrato com o Leicester, que disputou a Championship. Em 53 partidas no comando dos Foxes, Maresca venceu 36, empatou quatro e perdeu 13. Liderou a equipe rumo ao título da 2ª divisão inglesa — com 97 pontos — e assegurou consequentemente o acesso à Premier League.

Maresca e sua comissão técnica celebram título da Championship (Foto: Icon Sport)

Como Maresca pensa futebol?

Moldado por Guardiola, não é surpresa que Maresca prefira um sistema de jogo baseado na posse de bola e controle sob o adversário. No quesito, somente o Southampton teve média mais alta que o Leicester na Championship — 65,6{62c8655f4c639e3fda489f5d8fe68d7c075824c49f0ccb35bdb79e0b9bb418db} a 62,2{62c8655f4c639e3fda489f5d8fe68d7c075824c49f0ccb35bdb79e0b9bb418db}.

Os métodos do italiano são, sem dúvida, agradáveis para os jogadores que o seguem e torcedores do clube em que está inserido. O lema é manter a bola, frustrar o adversário, abrir espaços e penetrar nas linhas.

Sob o comando de Pochettino, o Chelsea foi, em grande parte da temporada, uma equipe focada na transição. O argentino estabeleceu uma estrutura de ataque livre, que permitiu jogadores como Palmer, Madueke e Nicolas Jackson ‘se expressassem’ em campo. A individualidade falou mais alto, sobretudo do camisa 20.

Bom, isso não será completamente debelado com Maresca. Mas os atacantes serão provavelmente obrigados a atuar com menos liberdade e mais estrutura, assim como Arsenal e Manchester City — o chamado jogo posicional.

Maresca é adepto do 4-3-3. Entretanto, quando sua equipe tem a posse de bola, torna-se um 3-2-2-2-1. Um dos laterais se aproxima para criar uma linha de três defensores, enquanto o outro se junta ao meio-campista mais defensivo. Imagine Moisés Caicedo e Cucurella na retaguarda, com Enzo Fernández e Conor Gallagher — caso ele fique — mais adiante.

O papel do atacante de Maresca também é importante. Jamie Vardy, conhecido por seu ritmo elétrico e corridas rápidas atrás da defesa, conseguiu transformar seu jogo e obter êxito sob o comando do italiano. Municiado pelos meias ofensivos e alas, o camisa 9 do Leicester anotou 20 gols em 37 jogos.

Gestão de grupo

Além da tática, o trabalho do técnico consiste em manter os jogadores felizes. O estilo de jogo proposto por Maresca, bem como sua transparência e cordialidade, convenceu nomes importantes a permanecerem no Leicester — apesar do assédio de outros clubes. Ndidi e Iheanacho são exemplos disso.

Após os Foxes garantirem promoção à Premier League, um grupo de jogadores foi à casa de Maresca para comemorar o êxito da temporada com cervejas, vinhos e charutos. Muitos atletas manifestaram publicamente admiração pela gestão do treinador italiano.

A excelente relação de Maresca com o elenco foi importante no acesso do Leicester (Foto: Icon Sport)

Desafios do Chelsea de Maresca em 2024/25

O Chelsea disputará quatro competições na temporada. Além da Premier League e copas nacionais, os Blues terão a Conference League pela frente. Vamos aos objetivos:

Premier League

A Premier League 2023/24 do Chelsea foi de altos e baixos. O time oscilou durante boa parte da temporada, e acabou pagando o preço no final. Apesar da arrancada insana nas últimas rodadas e um louvável sexto lugar, os Blues só conseguiram assegurar vaga para Conference League.

Para 2024/25, a meta estipulada pela diretoria é terminar a Premier League entre os quatro primeiros e, consequentemente, garantir classificação à Champions.

Copas nacionais

O desempenho do Chelsea nas copas nacionais surpreendeu positivamente. Apesar do título não ter vindo, chegar à final da Copa da Liga Inglesa e semifinal da Copa da Inglaterra agradou à cúpula de Boehly.

Beliscar um troféu deste calibre passou a ser objetivo dos Blues para próxima temporada. Agora sob o comando de Maresca, a equipe londrina tenta quebrar a chamada ‘maldição de Wembley’. No estádio, o clube perdeu as últimas seis finais que disputou — três da Copa da Inglaterra e três da Copa da Liga Inglesa.

Conference League

Bicampeão da Champions League e da Liga Europa, o Chelsea terá de lidar com uma nova realidade em 2024/25: disputar a Conference League, competição de terceiro escalão da Europa. Apesar da frustração, os Blues entrarão para vencer.

Uma motivação para buscar o título? Caso conquiste a Conference, o Chelsea se tornará o primeiro clube a ter os quatro principais troféus da Uefa — Champions League, Liga Europa, Conference League e Supercopa Europeia.

Foto de Guilherme Calvano

Guilherme Calvano

Apaixonado por futebol, uniu o amor pelo esporte mais popular do mundo ao jornalismo. Carioca da gema e grande entusiasta da Premier League, cobriu o Flamengo no Coluna do Fla e o Chelsea no Blues of Stamford. Na música, vai de Post Malone a Armandinho. Eclético assim como na área técnica. Afinal, Guardiola e Mourinho são suas referências.
Botão Voltar ao topo