Inglaterra

A crítica de Klopp para torcida em Anfield pode se estender para todos os clubes da Premier League

Jurgen Klopp criticou a silenciosa torcida em Anfield no último jogo do Liverpool, algo comum dentre os clubes da elite inglesa

O Estádio de Anfield, onde o Liverpool manda seus jogos há mais de 100 anos, costuma ser um dos locais mais barulhentos na Premier League, especialmente em comparação aos outros clubes da elite inglesa. Na última quarta-feira (20), quando os Reds golearam facilmente o West Ham por 5 x 1 pela Copa da Liga Inglesa, imaginava-se que a torcida presente estava em êxtase com uma exibição sensacional. No entanto, não foi o que aconteceu, e isso irritou o técnico Jurgen Klopp.

Na entrevista coletiva após o jogo que representou à classificação para as semifinais (jogará contra o Fulham, em janeiro de 2024), o alemão não poupou críticas aos torcedores que estavam atrás do banco de reservas – local normalmente mais caro em relação aos outros setores de Anfield. A irritação foi tão grande que o técnico recomendou que torcedores que não estejam em “boa forma” deem o ingresso para outra pessoa.

– No primeiro tempo [que terminou 3 a 0 para o Liverpool], quando os meninos jogaram excepcionalmente, não fiquei muito feliz com o ambiente que existia atrás de mim. Perguntei às pessoas: ‘O que eles querem?’ Mudamos muitas coisas e dominamos o West Ham como loucos e perdemos chances. Se eu estivesse na arquibancada, estaria alerta, 1000%. Não sei se o jogo do Man United foi tão ruim a ponto de termos que dizer: ‘Desculpe por não tê-los esmagado’? – desabafou Klopp.

O clássico contra o rival United aconteceu no último domingo (17) e terminou em um chato 0 a 0, no qual os Reds dominaram completamente as ações, mas faltou serem mais incisivo. A partida marcou a inauguração de um novo setor na área superior de Anfield, elevando a capacidade para 57 mil torcedores, só que novamente houve relatos de um estádio quieto. Gary Neville, ex-jogador dos Red Devils e hoje comentarista, detonou os torcedores após o clássico: “A atmosfera foi a pior que já vi em Anfield num jogo entre Liverpool e Manchester United. Sempre elogiei os torcedores do Liverpool, mas é o público mais quieto que já vi neste jogo”.

Pep Guardiola também já pediu publicamente para torcida do Manchester City fazer mais barulho no Ettihad Stadium. Após vencer o Tottenham por 4 x 2 na última edição da Premier League, em janeiro desse ano, disse que queria a sua torcida “de volta”.

– Nós precisamos deles [da torcida]. Precisamos deles! Eu quero minha torcida de volta aqui dentro [do Etihad]. Não fora de casa, porque minha torcida fora de casa é a melhor. Mas dos meus torcedores aqui nós queremos suporte em todo canto – disparou.

No último City e Liverpool, no mês passado, ele novamente pediu publicamente que a torcida apoiasse mais. “Queria mais barulho da torcida hoje”, disparou, em entrevista à Sky Sports.

A realidade de Klopp e Guardiola, infelizmente, é comum na Premier League. São raras as torcidas que realmente fazem uma festa na arquibancada na elite do futebol inglês. Um exemplo é o caríssimo Emirates Stadium, do Arsenal, fundado em 2006, chamado de “biblioteca” pelos rivais – vale citar que na última temporada aconteceu uma melhora na atmosfera, principalmente porque lutou pelo último título.

Há uma explicação muito clara para os estádios silenciosos dos ingleses: o preço do ingresso, afastando o torcedor “raiz”, que apoia incondicionalmente o clube. Após seguintes tragédias em jogos na Inglaterra na década de 80 e a criação da Premier League nos anos 90, os clubes foram obrigados a cumprirem diversas regras rígidas de segurança nos estádios, que foram modernizados, o conforto aumentou e, consequentemente, teve o ticket médio aumentado. Uma medida que afastou o hooliganismo também levou ao afastamento de quase toda sociedade, com exceção dos mais ricos.

A Premier League busca medidas para que os estádios sejam mais barulhos e, no ano passado, o governo liberou que os clubes possam aderir em alguns setores dos estádios uma “safe standing” (posição segura em tradução livre), onde os fãs podem assistir às partidas de pé, fato que também ajuda as torcidas organizadas a realizar uma festa mais quente nas arenas. Alguns clubes já adotaram a medida, mas, ao menos por enquanto, não foram vistos muitos efeitos.

Sabendo que Anfield é uma exceção nos silenciosos estádios ingleses, Klopp convocou a torcida para o jogo decisivo deste sábado (23) contra o líder Arsenal, valendo a liderança da Premier League.

– Precisamos de Anfield no sábado. O Arsenal não jogou esta semana. Quem sabe alguma coisa sobre eles sabe que eles estarão preparados, por isso precisamos de Anfield alerta desde o primeiro segundo, sem que eu tenha uma discussão com o treinador adversário. Se houver muito futebol em dezembro, se você não estiver em boa forma, dê seu ingresso para outra pessoa – finalizou.

Foto de Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius Amorim

Nascido e criado em São Paulo, é jornalista pela Universidade Paulista (UNIP). Já passou por Yahoo!, Premier League Brasil e The Clutch, além de assessorias de imprensa. Escreve sobre futebol nacional e internacional na Trivela desde 2023.
Botão Voltar ao topo