Copa da Inglaterra

‘Ridículo’: (falta de) VAR irrita David Moyes, que não poupa organização da FA Cup

Após eliminação do West Ham para o Bristol City, o técnico David Moyes criticou a ausência do VAR no replay da Copa da Inglaterra

David Moyes, técnico do West Ham, se mostrou extremamente descontente em entrevista após a eliminação na Copa da Inglaterra para o Bristol City, na terça-feira (16), no Estádio Ashton Gate. A irritação, no entanto, não foi pela derrota por 1 a 0 para o atual 14º colocado da Championship (segunda divisão inglesa) ou pela precoce queda na terceira fase do torneio mata-mata. O treinador não gostou da ausência do VAR, que na FA Cup só é utilizado em jogos em que times da Premier League são mandantes e nos confrontos de semifinal e final.

Na primeira partida entre West Ham e Bristol City, que terminou empatada em 1 a 1 no Estádio Olímpico de Londres, o VAR esteve à disposição. Para Moyes, o recurso deveria ser usado em todos os jogos ou não figurar em nenhum. O comandante dos Hammers ainda destacou que a Copa da Inglaterra não pode ser considerada a melhor copa nacional do planeta enquanto tiver este problema.

— É incrível que a considerem a melhor competição de copa do mundo. No entanto, uma semana você tem VAR, uma semana não. Acho ridículo que tentem afirmar isso, mas não é igual para todos os clubes. Se não tivermos VAR, não deveríamos tê-lo no torneio. Se quisermos tê-lo, então tenha-o em todos os lugares — bradou o treinador.

Na derrota para o Bristol City, o West Ham teve Saïd Benrahma expulso aos cinco minutos do segundo tempo, quando o placar já era de 1 a 0 para os donos da casa. Apesar das críticas pela ausência do VAR, o técnico escocês não questionou o cartão vermelho direto.

— Isso (expulsão de Benrahma) tornou tudo muito mais difícil, é certo. Dei uma olhada e não creio que possamos ter reclamações. Não creio que a reação dele tenha sido correta. Era para expulsão — declarou Moyes.

Benrahma recebeu o cartão vermelho direto após sofrer uma forte entrada de Joe Williams e revidar com um ‘coice’ perto do ombro esquerdo do adversário. Por mais que tenha concordado com a expulsão, David Moyes não deixou de pontuar que o carrinho do camisa 8 também poderia ter culminado em mais do que apenas um amarelo.

— Eu não tinha certeza sobre o carrinho nele. Isso pode ter sido questionável. Achei que durante o jogo era uma entrada bastante forte. Não tenho certeza se o árbitro foi rápido o suficiente para lidar com a primeira entrada, o que permitiu que algo mais acontecesse. Também houve um sobre Danny Ings que não era o melhor — disse.

Moyes lamenta empate em Londres

Ao abordar a derrota em Ashton Gate e a eliminação para o Bristol City, David Moyes foi bem mais tranquilo. O grande lamento do treinador não foi pela atuação fora de casa ou pelo gol sofrido aos três minutos de partida, mas sim pelo empate cedido pelo West Ham no duelo em Londres.

Na ocasião, os Hammers saíram na frente aos quatro minutos com Jarrod Bowen, depois de belo lançamento de Lucas Paquetá. No segundo tempo, entretanto, o time londrino sentiu as lesões de Paquetá e Konstantinos Mavropanos e levou o empate. Caso tivesse triunfado, a equipe de Moyes teria avançado para a fase de 16-avos de final da Copa da Inglaterra e não teria tido que disputar o replay sem a presença do VAR.

— Devíamos ter vencido o jogo no Estádio (Olímpico) de Londres e feito melhor o trabalho. Isso é o que acontece nas competições da copa: se você não estiver bem, ou talvez não estiver no seu melhor, poderá ser eliminado — afirmou David Moyes.

Com a eliminação na Copa da Inglaterra, o West Ham volta todas as suas atenções para a Premier League — ao menos até março, quando disputará as oitavas de final da Liga Europa. Com 34 pontos conquistados em 20 rodadas, os Hammers aparecem atualmente em sexto lugar no Campeonato Inglês.

Foto de Felipe Novis

Felipe Novis

Felipe Novis nasceu em São Paulo (SP) e cursa jornalismo na Faculdade Cásper Líbero. Antes de escrever para a Trivela, passou pela Gazeta Esportiva.
Botão Voltar ao topo