InglaterraPremier League

Com um ano de atraso, reforços começam a dar resultado no Tottenham

Quando o Tottenham contratou Erik Lamela para o lugar de Gareth Bale, então vendido ao Real Madrid, parecia um bom reforço. O argentino vinha de boa temporada na Roma e parecia uma boa contratação. As lesões, porém, o impediram de brilhar e ele ficou devendo futebol, assim como todo o time do Tottenham na temporada. Com um ano de atraso, parece que o argentino resolveu mostrar o que sabe. Ao lado de Nacer Chadli, foi o grande destaque do primeiro jogo dos Spurs em casa nesta Premier League, uma goleada por 4 a 0.

ESPECIAL: Guia corneteiro da Premier League 2014/15

O confronto trazia de volta o técnico Harry Redknapp, que levou o Tottenham à última Liga dos Campeões disputada pelo clube, agora no comando do QPR. Só que o dia era mesmo dos mandantes, que agora são comandados por Mauricio Pochettino. O treinador armou o time no 4-2-3-1, com Eric Dier, contratado junto ao Sporting, na lateral direita. Foi dele o gol da vitória contra o West Ham, na primeira rodada. Danny Rose foi o lateral esquerdo, com Kaboul e Vertonghen como zagueiros. O argelino Betaleb e o francês Capoue foram os volantes – os brasileiros Sandro e Paulinho não ficaram nem no banco, ainda machucados. Mas foi a linha de frente que realmente fez diferença.

Erik Lamela jogou pela direita, Eriksen pelo meio e Chadli pela esquerda, com Adebayor no ataque. Todos eles jogaram bem. No primeiro gol, foi Adebayor que fez a jogada pela esquerda e cruzou para Chadli marcar. No segundo, Lamela cobrou o escanteio e Dier marcou de cabeça, o seu segundo gol em dois jogos na Premier League pelo Tottenham. Depois, foi a vez de Lamela fazer uma linda jogada individual e cruzar na cabeça de Chadli, que marcou mais um, ainda no primeiro tempo.

Com o placar totalmente a seu favor, o Tottenham só administrou no segundo tempo, mas ainda conseguiu um gol. Em uma jogada pela esquerda, Rose desceu em velocidade e o lateral cruzou rasteiro para encontrar Adebyaor de frente para o gol. O centroavante não desperdiçou e fechou a conta.

Mais do que o placar de 4 a 0, a atuação do Tottenham foi muito segura. O time não tem estrelas como os times que se espera que brigue pelo título, como Chelsea, Manchester City e até Manchester United. Está mais próximo de Arsenal e Liverpool, mas ainda atrás. Seus jogadores terão que mostrar a consistência que não teve na última temporada e fez o time nem brigar por vaga na Liga dos Campeões, o objetivo, claro, da equipe.

O craque do jogo deste domingo, Lamela, é quem carrega a maior responsabilidade. Ele chegou como a maior contratação da temporada passada, custando € 30 milhões. Foram só 17 jogos na temporada, um gol e quatro assistências. Muito pouco para quem chegou com a responsabilidade (e com o mesmo número de camisa, 11) do principal jogador do time, Bale.

O argentino perdeu 18 jogos por lesão na temporada 2013/14 e sabia que não havia mais tempo a perder se quisesse brilhar. E já na pré-temporada, deu bons sinais ao novo técnico, Mauricio Pochettino, que tinha condições de jogar. Com duas assistências no jogo com o QPR, boa movimentação e participação importante na parte ofensiva, Lamela começa a dar os resultados que se esperava dele há um ano. É só o começo, mas é um começo muito mais animador do que foi em 2013/14.

Já Chadli não custou tanto na temporada passada, contratado junto ao Twente por € 8,15 milhões. Não foi mal, mas esteve longe de ser um jogador que fizesse a diferença, como foi na partida contra o QPR, com seus dois gols e boa movimentação. É um jogador que ainda pode render muito, já que tem só 25 anos.

ARSENAL: Escalação equivocada de Wenger quase leva time à derrota contra o Everton

Já Eric Dier chegou sem alarde do Sporting, de Portugal, por € 5 milhões nesta temporada. O Tottenham não quis gastar muito, já que o investimento de € 100 milhões da temporada passada ainda já tinha sido demais para a equipe. Apesar de inglês, Dier, atualmente com 20 anos, mudou para Portugal quando tinha 10, em 2004, porque sua mãe conseguiu um emprego na Eurocopa. Foi por isso que surgiu no Sporting, chegou a atuar pelo time de reservas do Everton, mas nunca jogou no time de cima.

Eriksen (esq.), Dier e Lamela comemoram: Tottenham goleou (AP Photo/Sang Tan)
Eriksen (esq.), Dier e Lamela comemoram: Tottenham goleou (AP Photo/Sang Tan)

Jogou poucas vezes no Sporting, só 16 vezes, mas foi para a seleção sub-21 da Inglaterra e chamou a atenção do Tottenham, que o contratou. Em dois jogos, o zagueiro, que tem atuado na lateral direita, foi bem, dando segurança – algo que Naughton e Kyle Walker não vinham conseguindo fazer na temporada passada.

De todos os reforços da temporada 2013/14, quem mais se destacou foi Christian Eriksen, que foi o melhor jogador do time, apesar da campanha fraca. Com o dinamarquês começando bem, Lamela fazendo o que se espera dela, Chadli em ascensão e Adebayor começando com instinto artilheiro, o Tottenham pode tentar fazer frente e beliscar uma vaga na Liga dos Campeões. Mas, para isso, terá que mostrar algo que o Liverpool conseguiu na temporada passada: um coletivo muito melhor que as estrelas dos concorrentes. Porque o elenco, ainda que com os reforços caros da temporada passada, ainda é inferior aos concorrentes que brigam pelo título. É esperar para ver se a turma comandada por Pochettino terá força para ficar na briga pela vaga na principal competição europeia. Até aqui, duas vitórias em dois jogos contra times mais fracos. É um bom começo. Na próxima rodada o teste será grande: o time recebe o Liverpool no White Hart Lane.

Assista aos gols:

VOCÊ PODE SE INTERESSAR TAMBÉM:

– Chelsea teve dificuldades, mas agora tem Diego Costa para decidir

– Técnico perde o emprego no Crystal Palace por espalhar mensagens racistas, sexistas e xenofóbicas

– FIFA 15 terá os 20 estádios da Premier League e tecnologia na linha do gol

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo