Inglaterra

Chelsea e Pochettino dão resposta forte após racismo sofrido por atacante

Nicolas Jackson foi alvo de ataques racistas após derrota para City; Chelsea e Pochettino defendem atleta

O Chelsea mostrou, novamente, ser um time que consegue competir contra os maiores clubes da Inglaterra no último sábado (20), mas sempre parece faltar algo. Pela semifinal da Copa da Inglaterra, o Manchester City avançou para decisão após Bernardo Silva marcar o único gol da partida já aos 83 minutos. O cenário poderia ter sido diferente se os Blues não tivessem desperdiçado tantas chances, especialmente com Nicolas Jackson. Infelizmente, alguns torcedores preconceituosos viram isso como motivo para atacar o jogador racialmente no perfil pessoal do atleta no Instagram após a derrota para os Citizens.

Nesta segunda-feira (22), o clube e o técnico argentino Mauricio Pochettino se posicionaram à altura para combater o preconceito contra o atacante de 22 anos.

– Acho que todas as pessoas públicas sofrem, mais no futebol porque as pessoas se escondem atrás das redes sociais. É por isso que não é uma referência [a rede social]. Sempre falamos sobre isso. Não é uma referência. É claro que precisamos estar presentes (online) porque é uma boa forma de nos comunicarmos com os bons torcedores, as boas pessoas que querem saber sobre nós, mas outras pessoas se escondem atrás das redes sociais para tentar criar [problemas]. O mais importante é ser forte e saber que isso não pode ser referência do que as pessoas pensam de você ou de coisas diferentes da vida – disse o técnico.

Pochettino também destacou que é a primeira temporada de Jackson, ainda em adaptação a um novo país. Mesmo não tão regular em desempenho, o atacante marcou 13 gols, sendo 10 pela Premier League, e distribuiu cinco assistências em 37 jogos.

– Ele é o nosso principal atacante, o único atacante que temos em condições. Ele está indo muito bem. Está fazendo um trabalho incrível pela equipe, correndo, marcando gols e dando assistências. Sua primeira temporada, jovem, veio da Espanha, mesmo sem muita experiência. Se quisermos que o jogador se iguale aos jogadores icônicos aqui, se o compararmos com [Didier] Drogba, obviamente ele vai perder. Mas ele terá todo o meu apoio. Mesmo que não marque, a forma como ele está lutando pelo clube e pelos companheiros, está criando chances. Ele precisa de tempo para melhorar. Com certeza estará melhor na próxima temporada, não há dúvida disso. – completou.

Inclusive, Drogba, citado por Mauricio, publicou no X (ex-Twitter) para Nicolas manter a cabeça erguida e nunca deixar de trabalhar duro.

Em comunicado, o Chelsea disse estar “enojado” com os ataques ao senegalês e detalhou que apoiará qualquer processo criminal, também punindo os racistas caso eles compareçam aos jogos do clube.

– O Chelsea Football Club está enojado com o abuso racial dirigido a Nicolas Jackson através das redes sociais, após o jogo de sábado à noite. Não há lugar na sociedade para qualquer forma de discriminação e adotamos uma abordagem de tolerância zero para qualquer incidente desta natureza. O clube apoiará quaisquer processos criminais e tomará as medidas mais enérgicas possíveis, incluindo proibições, contra qualquer indivíduo que seja portador de ingresso ou membro da temporada.

Jogadora do Chelsea feminino também sofreu ataques racistas

A atacante Lauren James, irmã do lateral-direito Reece James e jogadora do time feminino dos Blues, também foi alvo de ataques racistas na última semana após a derrota para o Manchester United na semifinal da Copa da Inglaterra. As mensagens vieram pelo X após Millie Turner, dos Red Devils, publicar uma imagem em uma disputa quente com James.

Outro triste caso com Lauren, que já detalhou sofrer racismo desde o início da carreira, justamente no United. Em dezembro do ano passado, após um polêmico lance no qual pisou em Lia Walti, do Arsenal, sofreu com os covardes ataques preconceituosos nas redes sociais.

Foto de Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius é nascido e criado em São Paulo e jornalista formado pela Universidade Paulista (UNIP). Escreveu sobre futebol nacional e internacional no Yahoo e na Premier League Brasil, além de eSports no The Clutch. Além disso, atuou como assessor de imprensa no setor público e privado.
Botão Voltar ao topo