Futebol feminino

Lyon quer fazer história e ter um estádio apenas para seu time feminino

Oito vezes campeão da Champions League Feminina, o Lyon agora mira a construção de um estádio somente para as Fenottes

Na última quinta-feira (8), Michele Kang foi finalmente oficializada como proprietária do Lyon Feminino, após ela adquirir 52,91% do clube no primeiro semestre de 2023. Em sua primeira coletiva como dona do OL, a empresária revelou planos ousados para o futuro. Entre eles está a construção de um estádio somente para as Fenottes, que querem uma casa para chamar de sua.

O Lyon Feminino disputa a maior parte de suas partidas no próprio centro de treinamento, que tem capacidade para 1200 pessoas. Em jogos mais importantes, as Fenottes vão para o Groupama Stadium, que comporta mais de 59 mil torcedores. Nesse último, mesmo em grande eventos europeus, as arquibancadas não ficam lotadas. Por conta disso, Kang quer erguer uma praça esportiva que se encaixe nas necessidades do OL:

“Hoje, (as mulheres do Lyon) disputam partidas importantes no Groupama Stadium, mas a maior parte das partidas é no centro de treinamento, o que não é aceitável. É preciso haver um meio-termo. Vamos construir nosso próprio estádio. Queremos encher um estádio com 15 mil a 20 mil espectadores. Fomos conhecer vários lugares da cidade de Lyon, as comunidades nos apoiam. Queremos estar o mais próximo possível do centro da cidade”.

Oito vezes campeãs da Champions League Feminina, as Fenottes podem representar um novo capítulo para o desenvolvimento do futebol. Mais do que os títulos, a proprietário do Lyon quer melhorar as condições de trabalho das mulheres, como um CT aprimorado para o OL e um staff voltado somente para elas.

Outro ponto importante para Michele Kang é a implementação de uma estratégia para atrair mais público para as Fenottes, que, além de serem as maiores vencedoras continentais, são as recordistas na liga francesa feminina. Para receber mais pessoas nos estádios, a dona do Lyon quer sondar opiniões e campanhas de marketing específicas para isso.

Michele Kang e Lyon Feminino

Proprietária do Washington Spirit, da National Women’s Soccer League (NWSL) – principal liga de futebol feminina dos Estados Unidos -, Michele Kang já fez história ao adquirir o Lyon. Ao unir forças com a Eagle Football Holdings (empresa de John Textor que assumiu o Lyon), a empresária americana resultou na primeira organização multiclubes de futebol feminino, liderada por mulheres.

“Este acordo representa um grande passo na história do futebol profissional feminino. O alinhamento completo e o apoio a essa visão entre o conselho do OL Groupe e os principais diretores, incluindo Jean-Michel Aulas, John Textor e eu, é muito poderoso. A combinação representa esperança, determinação e os passos de negócios necessários para moldar o futuro do futebol feminino”, disse Kang à época que se tornou sócia majoritária das Fenottes.

Empresária do ramo da saúde, Michele Kang acredita que o futebol feminino precisa de mais investimento em cada lugar do mundo para se tornar cada vez mais profissional. A abordagem de construir um estádio só para o Lyon Feminino é um recado para a comunidade global que as mulheres são autossuficientes no esporte e – no mínimo – merecem um palco que seja só delas.

O OL não estipulou uma data para iniciar o projeto da praça esportiva para a equipe feminina, tanto que o diretor-geral das Fenottes, Vincent Ponsot, se limitou a dizer que “quanto mais cedo, melhor”. Com Kang tomando as decisões no Lyon, a tendência é que as mulheres recebam cada vez mais atenção para poder brilhar dentro de campo. E quem ganha com isso é o futebol.

Foto de Matheus Cristianini

Matheus CristianiniRedator

Jornalista formado pela Unesp, com passagens por Antenados no Futebol, Bolavip Brasil, Minha Torcida e Esportelândia. Na Trivela, é redator de futebol nacional e internacional.
Botão Voltar ao topo