Copa do Mundo Feminina

Mauricio Noriega: Milene Domingues é uma das sementes do título da Espanha na Copa

Foi Milene Domingues quem primeiro levou as sementes do futebol feminino à Espanha; agora, elas são campeãs da Copa do Mundo

Há uma inspiração brasileira para o sucesso da Espanha campeã da Copa do Mundo Feminina. A ida de Milene Domingues para o Rayo Vallecano, nos primeiros anos do século 21, despertou o interesse e plantou a semente do sonho de se jogar futebol em toda uma geração de jovens espanholas.

Uma grande reportagem da edição espanhola da revista “Vogue”, assinada por Marta Sans, reconhece a importância da brasileira na divulgação e no desenvolvimento do futebol feminino na Espanha. O texto de Marta Sans também é um pedido de desculpas a Milene por ela ter sido chamada de Ronaldinha também pelas espanholas.

Cabe a contextualização para os mais jovens. Milene Domingues foi a primeira esposa de Ronaldo Fenômeno, em um período da história do futebol e do jornalismo no qual, jocosamente e de forma preconceituosa, era comum colar nas namoradas do craque Ronaldo Nazário, o Fenômeno, o apelido de Ronaldinhas. Algumas mulheres, inclusive, tiraram proveito comercial e midiático deste fato.

Milene Domingues foi uma das pioneiras do futebol feminino

Milene jogou futebol entre 1997e 2009. Meio-campista, disputou a Copa do Mundo de 2004 pela seleção brasileira. Ficou mundialmente conhecida pela habilidade e controle de bola, estabelecendo o recorde mundial de embaixadinhas: 55.197 em nove horas e seis minutos. Ela foi casada com Ronaldo Fenômeno entre 1999 e 2003 e teve com ele um filho, Ronald. Viveu anos de celebridade no Brasil e chegou a posar para fotos da revista “Playboy”.

Quando Ronaldo foi contratado pelo Real Madrid, Milene decidiu que também jogaria futebol profissionalmente na Espanha. Ela foi contratada pelo Rayo Vallecano, principalmente poque não pegaria bem que jogasse no Atletico, o rival do Real. Para jogar na equipe do subúrbio madrileno de Vallecas ela assinou o maior contrato da época para uma jogadora de futebol: 200 mil libras, o equivalente hoje a cerca de R$ 1,3 milhão.

Milene Domingues enfrentou problemas para jogar na Espanha

Mas era proibido pela legislação futebolística da Espanha que estrangeiras atuassem no campeonato local, e Milene passou dois anos como embaixadora da equipe até ser autorizada a jogar, em 2004. O Rayo Vallecano tinha a primeira mulher presidente de um time de futebol na Espanha: Teresa Rivero. Enquanto não pôde jogar na Espanha, Milene atuou emprestada pelo Fiammamonza, da Itália.

A reportagem de Marta Sans, que tinha dez anos quando Milene foi atuar na Espanha, relata com emoção o impacto provocado pela brasileira no imaginário das jovens espanholas que sonhavam jogar futebol. Embora o apelido Ronaldinha tenha sido utilizado como ferramenta de marketing para divulgar o futebol feminino na Espanha, Marta Sans destaca uma entrevista de Milene na qual ela reclamava do apelido e da frequente associação ao então marido famoso.

Basicamente, dizia que lhe davam a camisa 9 para jogar porque era a de Ronaldo e protestava afirmando que não chamavam a esposa de Rivaldo de Rivalda e nem a de Zidane de Zidana.

Não deixa de ser curioso que este impacto de Milene Domingues seja reconhecido desta forma na Espanha quando no Brasil, embora atue embaixadora do time feminino do Corinthians, ela seja mais lembrada como a rainha das embaixadinhas do que como jogadora.

Projetos de futebol feminino na Espanha são fantásticos

Outro aspecto do sucesso da Espanha no futebol feminino está relacionado à organização do esporte como um todo e ao desejo de se vender pelo mundo uma identidade espanhola. A La Liga, marca do principal torneio de clubes da Espanha, tem um projeto iniciado em 2015 que já formou mais de 18 mil treinadores e treinadoras e 170 mil jogadores e jogadoras com base na metodologia que consideram a cara do futebol espanhol.

Dois projetos internacionais chamados LaLiga Academies e LaLiga Football Schools estão presentes em 37 países e são monitorados online por modernos programas de computador. Desde 2015 LaLiga tem um projeto em parceria com o Ministério de Educação da China pelo qual já passaram mais de 12 mil crianças. 

Um show de TV chamado Bravo!, transmitido pela Espn , foi produzido no Brasil com a participação de LaLiga. O programa mostrava os métodos de treinamento para jovens atletas brasileiros, com participações de ex-jogadores brasileiros que tiveram sucesso na Espanha.

Foto de Mauricio Noriega

Mauricio Noriega

Colunista da Trivela
Botão Voltar ao topo