Copa do Mundo Feminina

Traidora? Argentina se defende de ataques por CR7 tatuado: ‘Cansa e dói’

Yamila Rodríguez, jogadora da seleção argentina, viralizou por ter o rosto de Cristiano Ronaldo tatuado na perna e foi atacada por fãs de Messi na internet

Ao que parece, cidadãos argentinos estão proibidos de gostar mais de Cristiano Ronaldo do que de Lionel Messi.

Pelo menos é o que está percebendo Yamila Rodríguez, jogadora da seleção argentina que viralizou por ter o rosto do craque português tatuado em sua canela esquerda e agora está lidando com a rejeição dos fãs.

Pouco antes da estreia da Argentina na Copa do Mundo Feminina diante da Itália, na madrugada de segunda-feira (24), Yamila chamou a atenção no banco de reservas pela tatuagem de Cristiano Ronaldo. Mais acima, a jogadora de 25 anos também tem Diego Maradona desenhado na coxa.

As tatuagens não passariam de uma curiosidade ou fato inusitado se não fosse pela reação dos torcedores nas redes sociais. Fãs de Messi passaram a bombardear os perfis de Yamila com imagens do craque argentino. Como infelizmente é comum, a jogadora também passou a receber ataques e precisou se defender publicamente nesta terça-feira (25).

— Por favor, parem. Não estou passando bem. Em que momento disse que sou anti-Messi? Parem de dizer coisas que eu não disse porque, de verdade, estou passando mal (em meio a um Mundial representando o país). Não fico mal por vocês, mas sim pelas barbaridades que dizem, sem piedade… Uma pessoa não pode ter um ídolo ou um jogador que goste? Por favor. Jamais disse que sou anti-Messi, jamais seria.

— Messi é nosso grande capitão na seleção, mas eu dizer que CR7 é meu ídolo e minha inspiração não quer dizer que odeie Messi, mas que eu gosto mais de outro jogador (todos podemos gostar de coisas distintas e isso deveria ser válido). Qual o problema? Não somos todos obrigados a só amar os jogadores do nosso país. Por favor, entendam que isso é futebol, cada um tem suas preferências e destacar um não significa enterrar o outro. Parem, cansa e dói — completou, em postagem com uma montagem de Messi e Cristiano Ronaldo abraçados.

Post de Yamila Rodríguez no Instagram
Yamila Rodríguez precisou se defender de ataques nas redes sociais por ser fã de Cristiano Ronaldo (Foto: Reprodução/Instagram)

A Argentina acabou derrotada por 1 a 0 pela Itália em sua estreia na Copa do Mundo Feminina de 2023. Yamila Rodríguez substituiu Romina Núñez aos 32 minutos do segundo tempo, quando a partida ainda estava empatada em 0 a 0. O próximo compromisso da seleção hermana será diante da África do Sul, na noite de quinta-feira (27).

Um mapa interativo com as 736 convocadas à Copa do Mundo Feminina

Destaque na seleção e ídola do Boca Juniors

Apesar de ter iniciado no banco de reservas contra a Itália, Yamila Rodríguez é um dos grandes nomes da Argentina. A atacante de 1,62m de altura costuma atuar pela ponta esquerda e tem como principais características a velocidade e o drible.

Mesmo com apenas 25 anos e disputando sua primeira Copa do Mundo, Yamila já fez história por seu país. Na Copa América Feminina de 2022, a camisa 11 foi artilheira do torneio, com seis gols, e titular em todas as partidas. Na disputa pelo terceiro lugar, marcou duas vezes e foi crucial na vitória de virada por 3 a 1 sobre o Paraguai que garantiu vaga no Mundial de 2023.

Pela seleção, Yamila Rodríguez também disputou a Copa América de 2018 e os Jogos Pan-Americanos de Lima de 2019, no qual foi vice-campeã.

Por clubes, Yami também tem uma carreira de destaque. Revelada pelo Boca Juniors, passou brevemente pelo Santa Teresa, da Espanha, de 2017 a 2018 antes de retornar ao clube xeneize em 2019. Em sua segunda passagem pelo time de Buenos Aires, conquistou quatro títulos: o Torneio de Transição em 2020, o Clausura, a Liga Profissional e a Superfinal em 2021.

Além das conquistas, a argentina também fez história ao se tornar a primeira mulher a marcar em La Bombonera na goleada por 5 a 0 sobre o Lanús em 2019. Na ocasião, a atacante anotou dois gols e deu uma assistência.

O grande ano de Yamila Rodríguez, no entanto, ainda estava por vir. Em 2022, levou o Boca Juniors à sua primeira final da Libertadores Feminina, encerrando o torneio com três gols. Na decisão, acabou perdendo por 4 a 1 para o Palmeiras, que iria contratá-la no início de 2023. Até aqui, foram 25 partidas e cinco bolas na rede pelo Alviverde.

Com as grandes atuações na Libertadores e na Copa América, Yamila foi indicada ao prêmio de melhor jogadora do mundo de 2022 do Globe Soccer Awards, que acabou vencido pela espanhola Alexia Putellas, do Barcelona.

Foto de Felipe Novis

Felipe Novis

Felipe Novis nasceu em São Paulo (SP) e cursa jornalismo na Faculdade Cásper Líbero. Antes de escrever para a Trivela, passou pela Gazeta Esportiva.
Botão Voltar ao topo