Europa

Ucrânia vai usar detector de mentira em árbitros — já pensou se essa moda pega?

Em decisão inusitada, a nova chefe de arbitragem da federação da Ucrânia de futebol vai implementar o polígrafo no país

As polêmicas de arbitragem não estão limitadas ao futebol brasileiro. Os homens do apito também costumam ser personagens (muitas vezes vilões) ao redor do mundo. Na Europa, a Espanha e Inglaterra estão insatisfeitos com o nível de arbitragem em suas principais ligas. A Ucrânia também se encaixa nesse descontentamento. Só que a federação do país tomou uma decisão inusitada para tentar resolver o problema.

Isso porque a Federação Ucraniana de Futebol vai usar detector de mentira em seus árbitros. A medida foi implementada por Kateryna Monzul, que foi recentemente nomeada como chefe de arbitragem do país. Ela será responsável desenvolver um procedimento para o polígrafo, que entrará em cena após o sorteio dos juízes de cada partida. Aliás, essa também é uma novidade na nação do leste europeu.

Antigamente, a arbitragem no futebol da Ucrânia era escolhida a cada jogo por meio de nomeação da própria federação. Todos os árbitros serão obrigados a passar pelo detector de mentira em períodos competitivos e não competitivos. Monzul não deu maiores explicações do motivo que levou o país a usar o polígrafo nos juízes, mas a chefe de arbitragem está seguindo uma tendência que ultrapassa o esporte.

Isso porque o Judiciário da Ucrânia recebeu uma proposta que também estuda o uso de detectores de mentira para juízes e magistrados. A expectativa é que o polígrafo ajude (de alguma forma) a diminuir as decisões contestáveis dos árbitros no futebol do país. Ainda não dá para saber se essa história trará algum resultado positivo, mas a arbitragem já foi alvo de outra polêmica.

Polígrafo na Ucrânia, cartão azul no mundo

Enquanto a Ucrânia vai colocar o polígrafo para os árbitros em ação, a Fifa cogita implementar um novo cartão no futebol mundial. O cartão azul seria utilizado pelos árbitros para punir os jogadores que realizarem jogadas antidesportivas. Quem for punido com essa novidade, terá que ficar 10 minutos fora de campo. A arbitragem pode tomar essa medida quando o atleta simular, fazer faltas antijogo ou mostrar desrespeito ao juiz da partida.

Dois cartões azuis, ou um azul e outro amarelo, resultaria em uma expulsão com o vermelho. Diferente da federação ucraniana, que já vai adotar o detector de mentira imediatamente, a Fifa ainda não definiu quando (ou se) vai adotar a nova regra. Uma discussão sobre o tema está marcada para o dia 2 de março, na Assembleia Geral da International Football Association Board (IFAB), órgão que regulamenta as regras do esporte.

Vale lembrar que já existem testes em andamento no futebol amador e juvenil na Inglaterra e no País de Gales. Atualmente, os árbitros não estão utilizando o cartão azul propriamente dito, mas mostram o amarelo para aplicar a punição temporária. Se a Fifa autorizar o uso entre os profissionais, a tendência é que a arbitragem utilize o novo cartão nas edições da Copa da Inglaterra masculina e feminina de 2024/25.

O cartão azul seria uma novidade no quesito após mais de cinco décadas. Na Copa do Mundo de 1970, realizada no México, a entidade usou os amarelos e vermelhos pela primeira vez na história do futebol profissional. Enquanto ao polígrafo, a comunidade do esporte ficará de olho na experiência da Ucrânia. Se o detector de mentira for um sucesso, por que não utilizá-lo a nível global? A ver cenas dos próximos capítulos.

Foto de Matheus Cristianini

Matheus Cristianini

Formado em Jornalismo pela Unesp, é apaixonado por esportes, acima de tudo futebol. Ama escrever sobre o que acontece dentro e fora de campo. Após passar por Antenados no Futebol, Bolavip Brasil, Minha Torcida e Esportelândia, se juntou à equipe da Trivela com muita vontade de continuar crescendo.
Botão Voltar ao topo