Eurocopa 2024

Spalletti assume responsabilidade e aponta motivo da eliminação da Itália na Euro

Pressionado, técnico italiano não escondeu a frustração com a derrota para Suíça em Berlim

Para boa parcela da imprensa italiana e também de torcedores, a queda precoce da Azzurra na Eurocopa 2024 tem um culpado: Luciano Spalletti. O técnico recebeu duras críticas após a eliminação nas oitavas de final e precisou se explicar durante as entrevistas pós-jogo.

A Itália deu adeus ao sonho do bicampeonato europeu de maneira vexatória. Neste sábado (29), a tetracampeã mundial levou um verdadeiro banho de bola da Suíça, que venceu por 2 a 0 e merecidamente avançou de fase. Spalletti não escondeu a frustração e disse que se reunirá com cartolas da Federação Italiana.

— A chama nunca acendeu e essa responsabilidade é minha. Falarei com (Gabriele) Gravina (presidente da federação italiana) — afirmou Spalletti à emissora italiana RAI após a partida em Berlim.

No cargo há menos de um ano, Spalletti foi perguntado sobre seu futuro à frente da seleção. Apesar do momento turbulento que vive à frente da Azzurra, o treinador não reagiu mal ao questionamento.

— É uma questão natural. Não se sinta culpado por me perguntar. Isso não muda nada para mim no sentido de que tenho a responsabilidade pelo que aconteceu. Eu escolhi os jogadores.

Campanha da Itália na Eurocopa 2024
– 4 jogos
– 1 vitória
– 1 empate
– 2 derrotas
– 3 gols marcados
– 5 gols sofridos

Segundo Spaletti, este foi o grande vilão da eliminação italiana

Spalletti elegeu o ritmo de jogo abaixo do esperado como o grande vilão da eliminação italiana em Berlim. Para o técnico da Azzurra, a Suíça ganhou o jogo muito em virtude de sua superioridade neste quesito.

De fato, o treinador italiano tem razão. O time suíço não só controlou a posse de bola, bem como neutralizou as ações ofensivas da Itália e criou mais oportunidades de gol.

— Permanecemos no meio-campo deles, mas não fomos muito incisivos. O ritmo de jogo fez a diferença, fomos muito inferiores no primeiro tempo. Até nas individualidades houve um ritmo diferente. Troquei os jogadores, mas em termos de ritmo fomos muito inferiores. Talvez neste momento não possamos fazer mais do que isso devido a várias condições — disse Spalletti, antes de completar:

— O caminho para o Mundial de 2026 vai ser muito duro, mas pensaremos nisso mais tarde. Além da qualidade, são necessárias mais habilidades e mais sacrifício. Muitos não fizeram um pouco mais para pressionar, para brigar por ao menos um centímetro. Não chegamos aqui em condições excepcionais.

Esta foi a primeira vez que a Suíça venceu a Itália desde 1993. O triunfo colocou ponto final num tabu de 31 anos.

Spalletti na beira do campo durante Suíça x Itália
Spalletti na beira do campo durante Suíça x Itália (Foto: Icon Sport)

Mais justificativas para queda precoce

Após lamentar o ritmo de jogo de sua equipe, Spalletti citou o pouco tempo que tem no comando da Itália para justificar a eliminação nas oitavas de final.

— Não fiquei muito satisfeito com nossas respostas nos treinos, mas estes são os jogadores que escolhi. Faz parte do processo e devo dizer isso. Todos os outros treinadores tiveram 20, 30 jogos no comando antes da Euro. Eu fiz 10 e já estava sob pressão. Provavelmente preciso conhecer um pouco melhor minha equipe para poder configurar melhorar as coisas.

O ex-técnico do Napoli assumiu a Azzurra em agosto de 2023, em meio às Eliminatórias para a Eurocopa. Desde então, a seleção disputou 10 partidas, entre amistosos e Euro.

Foto de Guilherme Calvano

Guilherme Calvano

Jornalista pela UNESA, nascido e criado no Rio de Janeiro. Cobriu o Flamengo no Coluna do Fla e o Chelsea no Blues of Stamford. Na Trivela, é redator e escreve sobre futebol brasileiro e internacional.
Botão Voltar ao topo