Eurocopa

Sorteio de grupos da Eurocopa pode colocar quatro seleções com treinadores italianos na mesma chave

Eurocopa de 2024 será disputada na Alemanha e sorteio dos grupos acontece no dia dois de dezembro

As Eliminatórias para a Eurocopa de 2024 encerra a sua primeira fase nesta terça-feira (21), com sete jogos, sendo dois do Grupo B, mesmo da França e Holanda, dois pelo Grupo D, mesma chave da Croácia e Turquia, que já estão classificadas e três jogos pela Grupo I, que tem a Romênia e a Suíça como já classificadas para a competição que será disputada na Alemanha. O sorteio das chaves da principal competição de seleções do velho continente acontece no próximo dia 2 de dezembro, em Hamburgo.

Curiosamente, o sorteio dos grupos da próxima Eurocopa poderá colocar quatro seleções com treinadores compatriotas, mais precisamente italianos, disputando as vagas para as oitavas de final da competição. O fato é que Belgica, Hungria, Turquia e Eslováquia são comandados por treinadores nascidos na Itália e somando ao fato do técnico da própria Itália, Luciano Spaletti, temos cerca 21% das seleções da próxima Euro, comandadas por treinadores do País da Bota.

Portanto, existe a real possibilidade de Itália, Bélgica, Turquia, Hungria e Eslováquia, caírem na mesma chave, o que vai definir isso será a definição dos potes para o sorteio do próximo dia dois de dezembro. A Croácia enfrenta a Armênia em casa e precisa vencer para garantir sua vaga para a próxima Euro. Caso conquiste os três pontos, a Itália seria colocada no quarto pote, sendo assim, é possível que os treinadores italianos da próxima Eurocopa estejam em separações diferentes na hora do sorteio, o que facilitaria a formação de uma chave com quatro treinadores do mesmo país.

Quais são os treinadores italianos que podem figurar na próxima Eurocopa?

Na primeira linha das seleções europeias temos Domenico Tedesco, treinador da Bélgica, líder absoluta de sua chave com 20 pontos somados em oito jogos. Ao longo desta campanha nas Eliminatórias, os Diabos Vermelhos conquistaram seis vitórias e dois empates, com 22 gols marcados e apenas quatro sofridos. Domenico é natural de Rossano e desde fevereiro é o técnico do time belga. Tedesco foi o sucessor do espanhol Roberto Martínez após a decepção na Copa do Mundo do Catar em 2022.

Marco Rossi é o técnico da Hungria, que também vem fazendo uma brilhante campanha nestas Eliminatórias. Em oito jogos, o time húngaro venceu cinco paridas, empatou três e também terminou o torneio qualificatório invicto, marcando 16 gols e sofrendo sete. No Grupo G, ao lado da Sérvia, que também se classificou, Montenegro, Lituânia e Bulgária. A Hungria deve figurar no pote dois do sorteio devido à grande campanha realizada até aqui.

A Turquia é treinada por Vicenzo Montella, que surpreendentemente lidera a chave da Croácia, 3ª colocada na última Copa do Mundo. Os turcos encerram sua participação nas Eliminatórias nesta terça-feira, diante do País de Gales, que ainda sonha com a classificação, mas depende de um tropeço dos croatas diante da limitada seleção da Armênia. A equipe turca soma até o momento 16 pontos na tabela do Grupo D com cinco vitórias, um empate e uma derrota.

Caso a Turquia perca para País de Gales e a Croácia confirme o seu favoritismo diante dos armênios, a seleção turca pode cair para o pote três, o que faria a seleção da Itália ficar no quarto pote. Já a Eslováquia é treinada por Francesco Calzona, ex-deputado da província de Luciano, em Nápoles. Sob o comando do treinador, o país, que já fez parte da antiga Tchecoslováquia, ficou na 2ª colocação do Grupo J, liderado por Portugal. Em dez jogos na chave, foram sete vitórias, um empate e duas derrotas, as duas para a seleção lusitana.

Neste ponto, se nós imaginarmos uma possível divisão, teríamos o seguinte cenário: Bélgica (de Domenico Tedesco no primeiro pote), a Turquia de Vicenzo Montella no pote dois ou três, a Eslováquia de Calzona no 3º pote e a Itália no quarto. A partir daí, é provável a formação de um grupo ao “estilo italiano” mostrando que mesmo com a Azzurra de fora das últimas duas Copa do Mundo, a escola de treinadores do País da Bota se manteve forte ao longo dos anos.

Foto de Lucas de Souza

Lucas de Souza

Existe um ditado que diz que o bom filho a casa retorna não é? Pois bem, sou Lucas de Souza, redator e repórter do Futebol na Veia, de volta ao site após quatro anos, e agora redator do Trivela, um dos maiores portais de futebol do Brasil. Sou jornalista, especializado em Marketing digital e narrador do Portal Futebol Interior e também da RP2Marketing.
Botão Voltar ao topo