Eurocopa

Reece James vai operar e fica cada vez mais distante da Eurocopa de 2024

Com uma lesão no tendão da coxa, Reece James perderá os últimos amistosos da Inglaterra antes da Euro e fica cada vez mais para trás na acirrada disputa pela lateral-direita

Capitão do Chelsea, o lateral-direito Reece James terá de passar por uma cirurgia para corrigir a lesão no tendão da coxa sofrida na derrota para o Everton no último dia 10, pela 16ª rodada da Premier League. A notícia dada pelo jornal inglês The Telegraph não é preocupante apenas para o time de Stamford Bridge, que está com o departamento médico cada vez mais lotado, mas também para a sequência do próprio defensor na seleção inglesa.

O camisa 24 dos Blues sofreu sete lesões musculares nos últimos três anos. Pela alta reincidência e gravidade da recente contusão, ele visitou um especialista para avaliar a seriedade do problema logo após a partida contra o Everton para decidir se iria ou não passar por cirurgia. Após quase dez dias de avaliações médicas e muita reflexão, o jogador de 24 anos optou pelo procedimento cirúrgico, que demanda de três a quatro meses de recuperação e coloca em risco sua participação na Eurocopa de 2024.

A operação atrasa o retorno de James, mas é vista como a decisão ideal pensando no longo prazo tendo em vista a frequência de lesões na coxa. Só no último ano, o lateral perdeu 19 jogos do Chelsea por problemas na região. Segundo o The Telegraph, a cirurgia será feita na Finlândia, onde os doutores Sakari Orava and Lasse Lempainen são considerados especialistas em lesões no tendão da coxa. Ousmane Dembélé, do Paris Saint-Germain, já realizou dois procedimentos por lá em decorrência do mesmo tipo de contusão.

Euro em risco

A tendência é que Reece James esteja apto para atuar pelo Chelsea novamente em abril de 2024, cerca de dois meses antes do início da Eurocopa. Sendo assim, ele perderá os amistosos da seleção inglesa contra Brasil e Bélgica, em março, e muito provavelmente ficará cada vez mais para trás na disputa por uma vaga no grupo de Gareth Southgate.

James é convocado para defender a Inglaterra desde 2020, fez parte do plantel vice-campeão da Euro em 2021 e foi titular nos últimos quatro compromissos da última edição da Nations League, na qual os Three Lions acabaram rebaixados para Liga B após terminarem na lanterna do Grupo 3, atrás de Itália, Hungria e Alemanha. O defensor era presença certa na Copa do Mundo de 2022, mas ficou de fora por uma contusão no joelho.

O capitão do Chelsea participou de apenas um dos dez jogos disputados pela seleção inglesa em 2023, saindo do banco já na reta final da vitória sobre a Itália em Nápoles, pela primeira rodada das Eliminatórias para a Euro 2024. Enquanto isso, Kyle Walker foi titular da Inglaterra em sete destes compromissos, Kieran Trippier em quatro (um deles como lateral-esquerdo) e Trent Alexander-Arnold em cinco (quatro deles como meio-campista).

Reece James participou de somente uma das últimas dez partidas disputadas pela Inglaterra (Foto: Icon sport)

Em novembro, Reece James ficou fora da convocação para as últimas rodadas das Eliminatórias para Euro e focar na recuperação de outro problema na coxa. Em entrevista coletiva, Gareth Southgate afirmou que compreendeu a decisão e a cautela do atleta, mas reconheceu também que o baixo número de vezes em que o lateral esteve presente com os Three Lions poderia pesar no momento da convocação para o torneio de seleções mais importante da Uefa.

É cada vez mais improvável que ele esteja na Eurocopa de 2024. No fim, é difícil de imaginar que Southgate prefira contar com o jogador do Chelsea, que somou pouco mais de cinco minutos em campo pela Inglaterra no último ano, e corte Walker, Trippier ou Alexander-Arnold. Estar disponível nos amistosos de março parecia ser a última chance de chamar a atenção e garantir uma das 23 vagas para a Eurocopa, mas aparentemente nem isso será possível.

Tudo joga contra Reece James: as muitas lesões, a concorrência acirrada, a pouca participação recente na seleção e as dúvidas quanto à sua condição física em junho do ano que vem. Ao que tudo indica, o sonho de ser titular da Inglaterra em um grande torneio ficará para a Copa do Mundo de 2026.

Foto de Felipe Novis

Felipe Novis

Felipe Novis nasceu em São Paulo (SP) e cursa jornalismo na Faculdade Cásper Líbero. Antes de escrever para a Trivela, passou pela Gazeta Esportiva.
Botão Voltar ao topo