Eurocopa 2024

Heroico, ‘novo Maldini’ guia Itália às oitavas da Euro e força despedida de Modric

Com gol no apagar das luzes, Calafiori frustra croatas e coloca Azzurra no mata-mata

Insanidade talvez seja a palavra que melhor descreva o Croácia x Itália desta segunda-feira (24). Em jogo válido pela 3ª e última rodada do Grupo B da Eurocopa, os croatas precisavam da vitória para avançar às oitavas de final. Luka Modric e companhia alcançavam tal objetivo até os acréscimos.

No meio do segundo tempo, o camisa 10 croata viu Donnarumma defender seu pênalti. Mas, um minuto depois, Modric balançou as redes e colocou sua seleção em vantagem.

Mal sabia ele que aquele seria seu último bom momento com a camisa xadrez em uma grande competição. Aos 38 anos, a aposentadoria deve ser confirmada em breve.

Tudo caminhava para uma classificação da Croácia. Mas futebol é futebol. Em um lance, tudo pode mudar. E foi exatamente o que aconteceu…

A Itália batalhou até o fim e fez por merecer. No apagar das luzes, Mattia Zaccagni, livre de marcação, acertou belo chute colocado e decretou o empate.

O destaque do gol foi para a arrancada e assistência primorosa de Riccardo Calafiori, jovem zagueiro do Bologna. O defensor de 22 anos esbanjou frieza, controle de bola e visão de jogo no lance. Foi um dos principais personagens da classificação italiana.

O 1 a 1 na Red Bull Arena garantiu a Azzurra no mata-mata da Euro. Em contrapartida, a seleção croata terá que torcer por uma combinação de resultados extremamente improvável se quiser assegurar vaga nas oitavas.

O herói da Itália

Não é exagero dizer que o empate e a classificação da Itália na Euro, embora sejam assinados por Zaccagni, tenham a responsabilidade direta de Calafiori.

O zagueiro canhoto foi escalado por Spalletti para fazer a saída de bola pela esquerda no esquema com três defensores — um modelo de jogo bem diferente da tradicional Azzurra.

E tem funcionado, justamente pela capacidade de Calafiori e progredir até o campo de ataque. Foi exatamente assim a jogada para o golaço de Zaccagni.

O defensor italiano teve ótimos números nas ações com a bola durante a partida diante da Croácia, segundo o Sofascore.

Calafiori em Itália 1 x 1 Croácia

  • 73 toques na bola
  • 93% de acerto nos passes
  • 1/1 cruzamentos certos
  • 3/4 passes longos certos
  • 1 grande chance criada
  • 1 assistência

Aos 22 anos, ele não tem chamado só atenção na Euro, como também no Campeonato Italiano. Calafiori desempenhou um papel parecido no Bologna de Thiago Motta durante a Serie A, em que o time terminou em 5º lugar e garantido na Champions League.

Tanto que muito se fala que Calafiori deve seguir Motta e jogar na Juventus a partir da temporada 2024/25.

Escalações: times mexidos para rodada derradeira

O desempenho abaixo do esperado nas duas primeiras rodadas parece ter desapontado Zlatko Dalic. E isso ajuda a entender as mudanças promovidas pelo técnico croata para o jogo contra a Itália.

A Croácia entrou em campo com Stanisic e Gvardiol nas laterais. Aparentemente, é a abordagem mais defensiva escolhida contra adversários de peso — como Dalic fez diante da Espanha.

As novidades ficaram por conta de Sucic — que trouxe enorme impacto no 2º tempo contra a Albânia, e Pasalic como meias, empurrando Kramaric para referência de ataque — terceiro camisa 9 diferente após Budimir e Bruno Petkovic nas duas rodadas iniciais.

A Itália também veio bastante mexida para enfrentar os croatas. Luciano Spalletti escalou a tetracampeã mundial no 3-5-2, com Darmian reforçado o lado direito — tomando o posto de Frattesi.

Di Lorenzo (direita) e Dimarco (esquerda) fizeram as alas, enquanto Raspadori e Retegui ganharam as vagas de Chiesa e Scamacca.

Luciano Spalletti, técnico da Itália (Foto: Icon Sport)

Propostas claras desde o pontapé inicial

A Croácia começou a rodada na lanterna do Grupo B, e somente uma vitória a garantiria nas oitavas de final. Por isso, era esperado uma postura propositiva e agressiva dos croatas em Leipzig. De fato, foi o que aconteceu.

Aos 4 minutos, Sucic iniciou os trabalhos e testou Donnarumma. O camisa 25 experimentou arremate de fora da área e obrigou o goleiro italiano a fazer boa defesa.

Fechada e compactada, a Azzurra adotou postura mais reativa. Ao escalar Di Lorenzo e Di Marco, Spalletti buscava surpreender os croatas com descidas em velocidade pelos lados de campo.

Croácia com a posse de bola dominando as ações de meio-campo, e Itália jogando no erro do adversário e explorando os contra-ataques: esta foi a configuração do 1º tempo na Red Bull Arena.

Nenhuma das duas propostas se sobressaiu nos primeiros 45 minutos. Após início forte da seleção croata, os italianos igualaram as forças e tiveram boas chances de abrir o placar. Retegui, de cabeça, tirou tinta da trave. Na sequência, Bastoni, também no jogo aéreo, parou em intervenção providencial de Livakovic.

1º tempo de Croácia x Itália terminou sem gols (Foto: Icon Sport)

Calafiori e Zaccagni estragam noite de Modric

Decidida a buscar a vitória e classificação, a Croácia voltou do intervalo com mais apetite. Dalic promoveu a entrada de Budimir no lugar de Pašalić, e os croatas aumentaram o poder de fogo. Deu certo.

Aos 6 minutos, Kramarić tentou finalização dentro da área e a bola explodiu no braço de Frattesi. O VAR denunciou o lance e convocou o árbitro que, ao checar o monitor, marcou o pênalti. Modrić cobrou e… Donnarumma defendeu.

No lance seguinte, entretanto, veio a redenção do camisa 10. O craque do Real Madrid aproveitou rebote de Donnarumma em chute de Budimir e colocou os croatas em vantagem.

Se antes era a Croácia que precisava do resultado, após o gol de Modrić, o cenário se inverteu. Contra a parede, a Itália não tinha outra alternativa a não ser partir para cima. Dito e feito.

Um empate salvaria a noite dos italianos, e ele veio nos acréscimos. Depois de muita insistência e ‘bombardeio’ na área croata, a Azzurra castigou o adversário com Zaccagni. O camisa 20 recebeu passe açucarado de Calafiori, acertou lindo arremate e colocou a tetracampeã mundial nas oitavas.

Foto de Guilherme Calvano

Guilherme Calvano

Jornalista pela UNESA, nascido e criado no Rio de Janeiro. Cobriu o Flamengo no Coluna do Fla e o Chelsea no Blues of Stamford. Na Trivela, é redator e escreve sobre futebol brasileiro e internacional.
Botão Voltar ao topo