Europa

Como o Football Manager ajudou um jornalista a suportar as noites de guerra na Ucrânia

A Ucrânia vive dias muito difíceis desde a deposição do ex-presidente Viktor Yanukovich, principalmente na região leste do país, onde separatistas, sob influência russa, brigam para se afastar de Kiev e proclamaram a República Independente de Donetsk. Civis neutros ou mais inclinados com a Europa são obrigados a viver entre bombas, metralhadoras e foguetes. O barulho dos tiros e das explosões de madrugada evitam que qualquer um consiga pregar os olhos. Alex Serada passou por isso até agosto de 2014, quando sua casa foi afetada pela artilharia e sua família teve que se mudar para Zaporizhzhya, aproximadamente 200 kms ao oeste, mas, até então, lidava com a insônia causada pela guerra treinando o inglês Blyth Spartans no Football Manager 2012.

LEIA MAIS: O Inter pós-Aguirre dominará o mundo. Pelo menos no Football Manager

A escolha pelo Spartans veio por uma afinidade que Sereda tinha pelo time, sobre o qual já havia lido algumas histórias, e também pelo trocadilho com o cenário de guerra, que ele deixa claro quando diz no seu texto, para o site When Satuday Comes, que “teve certeza de ter acertado” quando descobriu que um dos principais jogadores era o Richard Slaughter (slaughter significa “massacre” em inglês). Com um 4-2-3-1 clássico, ele levou o clube da sétima para a sexta divisão sem muitos problemas. “Passei boa parte do tempo procurando novos jogadores e preparando tudo para o começo da temporada”, afirmou em entrevista à Trivela. “Eu não diria que foi crucial para eu passar por aquelas noites, mas foi uma verdadeira fonte de alívio”.

Serada tem 35 anos e escreve em inglês sobre futebol, boxe e política para diversos sites. A mudança de Donetsk não afetou seus compromisso profissionais porque eram todos remotos. Decidiu transformar sua paixão em profissão depois da Eurocopa de 2012, compartilhada entra a Polônia e a Ucrânia. Joga desde 1995, quando esteve à frente do Milan no Championship Manager Italia. Certamente, já usou esse expediente para se distrair de outros problemas, como desilusão amorosa, uma briga com os pais ou uma derrota particularmente vexatória do Shakhtar Donetsk, o clube do seu coração.

“A melhor coisa sobre jogar com os Spartans não foi nem a administração do time ou conseguir uma promoção, mas o fato de ter sido a única fonte de luz para mim quando parecia que a minha região havia se tornado um inferno de verdade. Eu já tinha 18 anos de experiência jogando Championship ou Football Manager antes do último verão, mas minha interação com os Spartans – que foi acompanhada por hostilidades na vida real – será uma que eu sempre lembrarei. Foi também a última vez que treinei um time antes de deixar Donetsk, em agosto do ano passado”, escreveu para o site When Saturday Comes.

Alex foi incapaz de continuar o save porque foi obrigado a deixar para trás o computador no qual o jogo estava salvo. Apenas mais uma perda, embora insignificante diante de outras muito mais sérias, causada pela guerra que eclodiu no leste da Ucrânia, entre rebeldes separatistas e a capital Kiev. Tudo começou em 2014 com manifestações populares contra o então presidente Viktor Yanukovich, que desafiava a Europa e se alinhava com a Russia de Vladimir Putin. Ele eventualmente foi deposto pela pressão das ruas, não sem antes causar quase 100 mortes pela sua repressão aos protestos. Putin reagiu anexando a península da Crimeia e segue influenciando a insurgência. “É uma guerra da Rússia contra a Ucrânia”, afirma. “Eles a instigaram e continuam abastecendo-a, com armas, soldados russos, usando propagandas nojentas e apoiando os separatistas locais”.

ASSINE A NEWSLETTER DA TRIVELA

Nesse último ano em Zaporizhzhya, depois da mudança, Alex não conseguiu jogar FM, mas promete voltar à ativa em breve. “Meu velho computador com o save do Blyth Spartans ficou lá (em Donetsk) e não sei se um dia eu conseguirei voltar para casa. De qualquer forma, estou pensando em começar um novo jogo com os Spartans e continuar da onde eu parei”, disse o jornalista, que como muitos moradores de Donetsk e da região leste da Ucrânia, precisou recomeçar a sua vida. Não apenas no Football Manager.

Veja todas nossas matérias sobre Football Manager aqui.

Esse é Alex Sereda. Pedimos uma foto melhor, mas ele só tinha essa
Esse é Alex Sereda. Pedimos uma foto melhor, mas ele só tinha essa

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo