Champions League

Mertens continua um demônio, e o Napoli atropelou o Nice para encaminhar vaga nos grupos

A lesão de Milik, ano passado, fez surgir um grande artilheiro. Dries Mertens foi deslocado para o centro do ataque e terminou a temporada com 34 gols em 46 partidas. Como não há nenhum motivo para Maurizio Sarri desfazer o que deu tão certo, o time italiano encarou o Nice, nesta quarta-feira, com a mesma formação: Callejón pela direita, Insigne pela esquerda e Mertens no comando. O resultado foi mais uma exibição demoníaca do belga e uma vitória por 2 a 0 que não fez justiça à superioridade do Napoli na primeira partida dos playoffs da Champions.

LEIA MAIS: Sacchi: “O Napoli é meu time preferido, Sarri é um gênio, mas está condenado à perfeição”

Alguns números que ajudas a entender o panorama da partida: as duas equipes dividiram a posse de bola – 51% para os italianos contra 49% -, mas o Napoli finalizou 19 vezes, oito no alvo, contra apenas quatro chutes a gol do Nice, todos para fora. Ou seja, os franceses foram ameaçados aproximadamente a cada dois minutos em que a bola estava nos pés do time de azul, capaz de trocar passes curtos em muita velocidade. Mas a equipe de Sarri tem outros recursos. Duas vezes, Callejón foi encontrado livre, da intermediária, dentro da área, e por pouco não marcou.

Jogador que mais finaliza no Napoli, Mertens é importantíssimo nesse esquema. Recolheu lançamento de Insigne, driblou o goleiro Cardinale e abriu o placar. Apenas uma das muitas chances perigosas que criou: mandou uma bicicleta com perigo; entrou driblando na área, com direito a rolinho em Le Marchand e a deixar Dante na saudade, e parou nas mãos do goleiro; foi responsável pela finalização que resultou em um gol perdido incrível de Insigne, no rebote; completou cruzamento rasteiro de Callejón tirando tinta da trave; e sofreu o pênalti que Jorginho converteu para fazer 2 a 0.

Todas essas oportunidades foram de altíssimo risco para o Nice, e houve outras, como as de Callejón e um chute de fora da área de Insigne. Do outro lado, a única oportunidade clara saiu dos pés de Jallet, que fez boa jogada e deixou com Koziello, que bateu cruzado, com perigo. O mesmo Koziello foi expulso, a dez minutos do fim, e Pléa foi embora junto, após receber o segundo cartão amarelo por reclamação.

Com dois a mais, o Napoli perdeu a oportunidade de matar o confronto logo no primeiro jogo, com destaque para um gol perdido incrível de Milik, completando passe de Callejón na pequena área, mas a vitória por 2 a 0 e, principalmente, a maneira como os italianos jogaram deixam a vida do Nice bem difícil para a partida de volta.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo