MLS

Messi e Suárez, destaques brasileiros e mais: 10 histórias para ficar de olho na MLS em 2024

Cada vez maior e mais popular (muito por conta de Lionel Messi), a MLS tem muitas histórias interessantes a serem contadas em 2024

A Major League Soccer, principal campeonato de futebol dos EUA, retoma suas ações nesta quarta-feira (21), quando o Inter Miami de Lionel Messi e companhia recebe o Real Salt Lake, no jogo único de abertura da competição. Próximo de completar 30 anos de existência, a MLS tem cada vez mais histórias para contar. Em 2024 não é diferente, e a Trivela te conta no que ficar de olho nessa temporada.

Depois do boom com a chegada de David Beckham em 2007 e as várias contratações de jogadores renomados já em fim de carreira, a MLS vem demonstrando evolução e, principalmente, ambição nos últimos anos. Observam com carinho o mercado Sul-Americano, principalmente os jovens, e contratam nomes relevantes que ainda tem muito a entregar em campo. Além disso, tem o tal do Lionel Messi, que chegou na liga no meio de 2022 e já conseguiu reviravoltas e novas histórias incríveis.

A nova-velha dupla Messi e Suárez

Por falar em Lionel Messi, não tem como fazer uma lista de histórias da MLS sem incluir o principal jogador do futebol mundial ainda em atividade. Depois de ser campeão do mundo, o argentino chegou ao Inter Miami, então pior time da liga, levando seus amigos, Busquets e Jordi Alba, para essa nova aventura. Com eles, o time não foi bem na liga, mas conquistou a Leagues Cup (torneio entre MLS e Liga MX) e passou a ter a atenção do mundo todo.

Mas faltava alguém desse grupo de Messi, o melhor amigo dele, inclusive: Luis Suárez. Depois da passagem arrasadora pelo futebol brasileiro com a camisa do Grêmio, o uruguaio volta a ser juntar a Messi e o ex-companheiros de Barcelona para tentar fazer o Inter Miami agora ser um grande time na liga nacional. A tarefa será difícil, pois o time gerido por Beckham ainda está bem longe dos melhores, mas nada que a dupla Messi-Suárez não possa resolver.

Suárez e Messi (e o guarda costas) reunidos de novo, agora na MLS (SUSA/ Icon Sport)

Thiago Almada, a maior joia da MLS

Camisa 10. Argentino. Campeão do Mundo. Joga na MLS. Vamos falar de Lionel Messi de novo? Nada disso, o citado nessa história é a jóia argentina Thiago Almada. Destaque do Atlanta United, o jogador de 22 anos é, sem dúvidas, o mais valorizado entre os jovens da liga.

Campeão Mundial e mais recentemente capitão e dono do time da Argentina no Pré-Olímpico, Almada chama atenção do futebol mundial desde que surgiu no Vélez. No Atlanta, viveu um ano mais do que espetacular em 2023, com 12 gols e 16 assistências em 33 jogos, sendo eleito o Jovem do Ano da liga. A saída dele para a Europa é praticamente certa, com Napoli e Atlético de Madrid entre os mais interessados. Mas, pelo menos até o meio do ano, ele jogará na MLS, e tem tudo para arrebentar de novo.

O impacto dos brasileiros na liga

Falar de MLS e não falar de jogadores brasileiro é quase impossível. Nesta temporada, serão 26 ao todo (e até o momento) vestindo as diversas camisas da liga. Em 2023, os maiores destaques foram o desconhecido (do público no Brasil) João Klauss, que marcou 10 gols pelo novato St. Louis Ciy SC; o já alvo do Flamengo nessa janela, Evander, com nove gols e quatro assistências pelo Portland Timbers; e o também pouco conhecido no Brasil, Artur, volante do Houston Dynamo que dá o ritmo do time campeão da Open Cup (a Copa dos EUA).

Para 2024, além dos citados, vale ficar de olho em Talles Magno – que também pode estar de saída -, que busca uma temporada de recuperação após um 2023 conturbado e com lesões; Gabriel Pirani, meia da Seleção Sub-23 que vestirá a 10 do tradicional DC United; a dupla João Paulo e Léo Chú, do Seattle Sounders; e, claro, o novato na liga Gabriel Pec, grande contratação do LA Galaxy, maior campeão da MLS.

Os brasileiros da MLS

Nicolas Firmino (Atlanta United); Guilherme Biro (Austin FC); Ruan (CF Montreal); João Pedro (Charlotte FC); Rafael Navarro (Colorado Rapids); Gabriel Pirani (DC United); Sérgio Santos (FC Cincinnati); Goevane Jesus (FC Dallas); Artur (Houston Dynamo); Jean Mota (Inter Miami); Gabriel Pec (LA Galaxy); Thiago Martins e Talles Magno (NY City); Elias Manoel (NY Red Bulls); Rafael Santos e Felipe (Orlando City); Evander, Nathan Fogaça e Antony (Portland Timbers); João Klauss (St. Louis); Daniel, Rodrigues e Vitor Costa (San Jose Earthquakes); João Paulo, Léo Chú e Nathan (Seattle Sounders).

O trabalho de Wilfried Nancy no Columbus Crew

O Inter Miami pode ser o time de maior impacto à primeira vista pela lista de estrelas que tem no time. No entanto, há um clube que, quando acompanhamos a liga, faz saltar os olhos: o Columbus Crew. Não à toa, estamos falando do atual campeão da MLS. Treinados pelo francês Wilfried Nancy, o Crew se tornou um dos times mais legais de se assistir na liga. Mesmo se não tivesse batido campeão, a análise feita em cima do que foi visto seria bastante positiva.

Há alguns anos, a MLS era bastante criticada por ser um liga sem muitas ideias de jogo. No entanto, isso mudou nos últimos anos, com um futebol mais bem jogado e estudado. Para concluir isso, basta ver o Columbus Crew jogar. Ganhando ou perdendo, o time de Nancy encanta e te faz ter prazer de assistir. E olha conseguiu manter isso mesmo após perder seu principal jogador, Lucas Zelarayan, no meio da temporada. Para 2024, eles mantiveram toda a base do time, incluindo o artilheiro Cucho Hernandez e a estrela uruguaia Diego Rossi, iniciando como favoritos ao bicampeonato.

E o “desmanche” do FC Cincinnati

Não muito distante de Columbus, ainda em Ohio, está o FC Cincinnati, que foi o melhor time da MLS na temporada regular (pontos corridos). Assim como o rival do estado, o Cincy tinha um time ofensivo, também com boa marcação e ótimos jogadores. Não por acaso, fizeram a final da Conferência Leste e entregaram um enorme jogo, com tudo uma final e um clássico como esse pode dar.

No entanto, em 2024, o Cincinnati passou por um desmanche no time. Três peças do time titular tiveram suas saídas confirmadas: o artilheiro Brandon Vázquez para o Monterrey, o lateral Santiago Árias para o Bahia e o motorzinho Junior Moreno para o Al Hazem. Além deles, o clube deve perder seu terceiro principal jogador: o ala Álvaro Barreal, que está a caminho do Cruzeiro.

Dos principais nomes, sobrou o MVP da última temporada, Lucho Acosta, que obviamente é uma manutenção fundamental. Há ainda o bom zagueiro Miazga, que recebe agora a companhia de Milles Robinson, ambos da Seleção dos EUA. No entanto, é fato que o time perdeu muita força, então vale a pena ver como vão estar durante o ano.

O grego, o colombiano e o gabonês de olho na artilharia

Artilharia é algo que sempre chama atenção em qualquer campeonato de futebol pelo mundo, e na MLS não é diferente. Em uma liga de muitos gols, o que não faltam são candidatos para serem artilheiros. Lionel Messi, é claro, é apontado para disputar o posto em 2024, mas outros nomes chegam tão forte quanto o argentino nessa disputa.

Artilheiro em 2023, com 20 gols na temporada regular e mais cinco nos playoffs, o gabonês Dennis Bouanga, do LAFC, retorna forte para buscar seu segundo prêmio no quesito. Vice-artilheiro, com 16+5 gols, o já citado Cucho Hernandez, do Columbus Crew, é outro bastante favorito. Com o time encaixado comandado por Nancy, o colombiano deve ter ainda mais chances de balançar as redes em 2024. Por fim, mas não menos importante, pelo contrário, é o mais cotado como artilheiro pelos especialista da liga: o grego Giorgos Giakoumakis, do Atlanta United. Autor de 17+2 gols em 2023, ele estará muito bem municiado no time da Geórgia e desponta para a artilharia.

Além dos citados, nomes como já conhecidos da liga, como Hany Mukhtar (artilheiro em 2022 pelo Nasvhille SC), Lucho Acosta (FC Cincinnati) e Carranza (Phila Union), e novatos, como Luis Suárez (Inter Miami), Petar Musa (FC Dallas), Luis Muriel (Orlando City) e Hugo Cuypers (Chicago Fire) também valem ficar de olho.

Sem Chicharito e com Pec, o gigante LA Galaxy vai acordar?

Maior time da liga, com cinco títulos da MLS, e responsável pela revolucionária contratação de David Beckham, o LA Galaxy não viveu bons momentos nos últimos anos, mas agora espera voltar a ser forte. É estranho falar isso quando o time perdeu sua principal estrela (Chicharito Hernandez, que voltou ao México), e outro nome forte (Douglas Costa), mas eles prometem um time mais equilibrado em 2024, algo que não foi visto nos últimos anos, pois defensivamente eram um fracasso.

Sem Chicharito e Douglas, os holofotes se voltam ao espanhol Riqui Puig, ex-Barcelona. Agora camisa 10, ele terá a companhia do brasileiro Gabriel Pec, que chega sob muita expectativa. Vale a pena ficar de olho se o gigante vai acordar em 2024.

O (não mais) novato St.Louis quer incomodar de novo

Novo clube da MLS em 2023, o St. Louis City SC chegou na liga de mansinho, sem contratar grandes estrelas e causa impacto midiático. O time do Missouri tinha com ele a história de ser o “berço do futebol nos EUA”, uma torcida que já nasceu apaixonada e um sonho: causar impacto na liga. E conseguiram: terminaram a temporada regular como líderes e o melhor time do oeste, sendo a primeira vez que isso aconteceu com um clube novato.

Em 2024, o St. Louis sofreu a perda do importante Nicholas Gioacchini, negociado com o futebol italiano. Mas eles mantiveram a maior parte do time e, claro, o trabalho do técnico Bradley Carnell. Vale ficar de olho se eles vão conseguir repetir a grande temporada do último ano, ou pelo menos chegar perto disso.

Anos 90 de volta com o melhor de três nos playoffs da MLS

A MLS é uma liga que tem um formato diferente do que estamos acostumados a ver no futebol. Além da temporada regular, de pontos corridos, temos também os playoffs, que é a fase mata-mata para definir o verdadeiro campeão. Em 2023, a liga, buscando ter mais jogos na sua fase final, decidiu voltar a algo que foi comum no Brasil e na América do Sul durante os anos 90: a melhor de três.

Na primeira rodada dos playoffs, os times se enfrentam na melhor de três, ou seja, precisam vencer dois de três jogos para avançar. A ideia nada inovadora dividiu muito a opinião de quem acompanha, mas uma coisa nesse modelo teve quase 100% de rejeição: o empate no segundo jogo leva aos pênaltis. Ou seja, se um time X vencer o primeiro jogo, no segundo, o time Y pode empatar que o jogo ainda irá para os pênaltis para definir o vencedor. Na lógica natural, uma vitória e um empate daria vaga a um time, mas não é o que acontece na liga.

Em 2023, três dos oitos duelos da primeira rodada dos playoffs precisaram do terceiro jogo para definir o classificado. Em 2024, esse modelo seguirá.

O popular soccer dos EUA

Para finalizar a lista do que vale ficar de olho na MLS, não dá para não falar do público. O rótulo de “estadunidense não gosta de futebol” não faz mais sentido. A liga está cada vez mais nas graças dos moradores dos EUA e não para de crescer no sentido de audiência e torcedores nos estádios. O “abraço” na comunidade latina pela MLS e pelos clubes (como o Inter Miami, o LAFC e o Austin FC), também faz diferença nesse quesito.

E a chegada de Lionel Messi fez isso explodir ainda mais. O passe de temporada da MLS, que dá direito a assistir todos os jogos da liga, explodiu na AppleTV e já ultrapassou dois milhões de pessoas. Fora que os estádios estão sempre cheios, inclusive com recordes sendo quebrados, como o clássico entre LAFC e LA Galaxy disputado no histórico Rose Bowl que levou mais de 82 mil pessoas ao estádio. Em 2023, a liga teve mais de 22 mil torcedores de média por partida, isso com a maioria dos estádios com capacidade entre 18 e 30 mil. Com Messi em toda a temporada e apelo popular cada vez maior, a temporada 2024 promete ainda mais.

Bônus: As camisas da MLS

Intitulada por algumas pessoas como “a liga com mais camisas bonitas no mundo”, a MLS lançou sua coleção para 2024 e encantou muitos torcedores não só dos times como de todo o mundo, inclusive com alguns kits tendo boa repercussão no Brasil. Vale a pena conferir cada uma das novas camisas da liga.

Foto de Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick se formou em Jornalismo na PUC Minas em 2021. Antes da Trivela, passou por Esporte News Mundo, EstrelaBet e Hoje em Dia.
Botão Voltar ao topo