Estados UnidosFutebol feminino

Depois de estrela da seleção americana, Orlando Pride contrata Mônica Alves, da Seleção Brasileira

Orlando é o destino mais visitado pelos brasileiros e já tinha o Orlando City, de Kaká, que estreou na MLS em 2015, como um mote para acompanhar o time. O Orlando Pride será o time feminino, dos mesmos donos, a jogar a National Women’s Soccer League (NWSL) em 2016 e também contará com uma jogada da Seleção Brasileira: a zagueira Mônica Alves. Será a quarta jogadora de seleção no clube desde que a franquia foi anunciada, em outubro.

LEIA TAMBÉM: Rio Preto teve na raça sua principal força para ser campeão brasileiro feminino

Campeão brasileira pela Ferroviária em 2014, Mônica, de 28 anos, já é experiente. A gaúcha de Porto Alegre jogou no SV Neulengbach, da Áustria, de 2007 a 2012. Jogou também pelo Flamengo, Botucatu em 2012 e pela Ferroviária em 2013. A zagueira fazia parte da Seleção Brasileira permanente, uma forma encontrada pela CBF para dar mais conjunto e preparar melhor o time visando as Olimpíadas de 2016.

“Estamos felizes em contar com a Mônica para a temporada inaugural do Orlando Pride”, afirmou o treinador Tom Sermanni. “Mônica é uma atleta muita talentosa e traz uma experiência valiosa, tanto para o clube, quanto internacionalmente, por suas passagens na seleção brasileira, o que será muito benéfico para nós, na construção de um elenco competitivo”, falou Sermanni. 

As três primeiras contratações do Orlando Pride foram bastante impactantes. Alex Morgan, estrela da seleção americana, veio do Portland Thorns, assim como Kaylyn Kyle, jogadora da seleção canadense. Sarah Hagen, do Kansas City, e que também é da seleção americana campeã do mundo na Copa de 2015, completa o trio de estrelas anunciadas logo que o time foi criado. Mônica virá contratada para ocupar a quarta vaga que o time tem direito pelas regras da franquia.

Kaylyn Kyle, Alex Morgan e Sara Hagen, contratadas pelo Orlando Pride (Foto: divulgação)
Kaylyn Kyle, Alex Morgan e Sara Hagen, contratadas pelo Orlando Pride (Foto: divulgação)

O Orlando Pride, como uma franquia da expansão da NWSL, tinha direito a uma vaga extra de jogadoras internacionais, por dois anos. Trocou esse direito com o Portland Thorns para contratar a atacante Alex Morgan. Uma aposta que o time faz para ter uma das melhores jogadores da seleção americana ao mesmo tempo que também ganhar mídia, exposição e fazer marketing. A temporada da NWSL começará em abril de 2016 e já vendeu mais de mil carnês de temporada.

A cidade de Orlando parece ter absorvido muito bem a presença do futebol. A temporada de estreia do Orlando City não foi nada brilhante em campo, com o time terminando apenas em sétimo lugar na Conferência Leste – só os seis se classificam aos playoffs. Mesmo assim, o time, com Kaká como estrela e capitão, teve 32.847 pessoas de média de público, a segunda mais alta da liga. A expectativa em Orlando é alta para a temporada de 2016, tanto no Orlando City quanto no Orlando Pride. Alguns analistas acreditam que a chegada de Alex Morgan ao Pride será ainda mais impactante do que a de Kaká ao Orlando City.

Mônica Alves fará parte deste time. Curiosamente, marcou um gol contra a seleção americana em amistoso recentemente disputado com a Seleção Brasileira. Confira:

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo