Espanha

‘Nunca se sabe’: Xavi pode voltar atrás e ficar no Barcelona

Publicamente, Xavi Hernández parece convicto de saída do Barcelona, mas segundo jornalista espanhol essa realidade pode mudar

Desde que anunciou em janeiro que sairá do Barcelona ao término da temporada, o técnico Xavi Hernández se mantém, publicamente, firme de sua decisão, reiterada em diferentes entrevistas coletivas. No entanto, segundo informações do jornalista espanhol Jose Alvarez Haya, o martelo ainda não está batido – tanto pelo staff do treinador, quanto da direção catalã.

Isso porque Xavi tem boa relação com o presidente do clube, Joan Laporta, que pretende se reunir com o atual técnico antes de negociar com o possível substituto (Hansi Flick e Roberto De Zerbi são os nomes especulados).

Ao repórter espanhol, a comissão técnica do treinador afirmou que a decisão de sair está tomada, mas que “no futebol nunca se sabe” e ainda utilizou como exemplo um caso de quando Xavi ainda era jogador. Em 2014, o então meio-campista comunicou ao elenco que sairia no verão europeu. No entanto, a partir da chegada de Luis Enrique, foi convencido a ficar no clube e fez parte do elenco campeão de tudo no ano seguinte, quando, aí, sim, trocou o Barça pelo Al-Sadd, do Catar, time no qual faria seu primeiro trabalho à beira do campo entre 2019 e 2021.

Laporta ainda apoia Xavi, mas o diretor esportivo Deco não compartilha da mesma opinião e existem rugas entre dirigente e o técnico, afirma a imprensa espanhola.

O mais provável é o treinador espanhol, ídolo como jogador no Camp Nou, deixar o clube azul-grená em junho desse ano, mas, como disse a comissão de Xavi, “no futebol nunca se sabe”.

Trabalho de Xavi ruiu de um ano para o outro

Quando Xavi assumiu o Barcelona, no fim de 2021, não esperava que ele fizesse uma grande temporada, apenas elevasse o nível de seu antecessor, Ronald Koeman, e se classificasse para Champions League – algo feito com sucesso.

Para 2022/23, as expectativas eram maiores, especialmente porque o Barça utilizou de alavancas financeiras, como vender futuros direitos televisivos, para contratar vários jogadores e elevar o nível do elenco. Alguns dos reforços por centenas de milhões de euros foram Robert Lewandowski, Raphinha e Jules Koundé, além de Franck Kessié, Andreas Christensen e outros em fim de contrato. Tudo isso se aliou com um melhor entendimento por parte do grupo de atletas às ideias de Xavi e só poderia resultar em título.

Os catalães levaram La Liga de forma absoluta, praticamente nem incomodados pelo rival Real Madrid. Era um time extremamente efetivo no ataque, com várias vitórias por 1 a 0 ao longo da campanha, o que também mostrava a qualidade do sistema defensivo (vazado apenas 20 vezes nas 38 rodadas em 22/23).

Elenco celebra título de La Liga com Xavi (Foto: Icon Sport)

Parecia um time pronto para dar o próximo passo: manter a competitividade no cenário doméstico e lutar na Champions, já que nas duas temporadas anteriores caiu na fase de grupos. No entanto, tudo ruiu. Mostrando como as coisas são dinâmicas no futebol, o campeão em maio de 2023 pediu demissão em janeiro de 2024, menos de um ano depois de levar o Campeonato Espanhol após quatro temporadas de seca.

Quando Xavi anunciou a saída, o time tinha acabado de tomar 5 a 3 do Villarreal, em “casa” (aspas porque tem mandado os jogos no Olímpico de Barcelona enquanto o Camp Nou está em reformas), e semanas antes havia perdido a Supercopa da Espanha para o Real com um humilhante 4 a 1 e sido eliminado na Copa do Rei para o Athletic Bilbao.

O ataque do time até passou a marcar mais gols – atualmente é o segundo melhor ataque de La Liga -, mas a defesa, que parecia perfeita, passou a ser uma peneira, seja pelas lesões ou problemas táticos. Em 26 rodadas de 2023/24, são 36 gols sofridos, 16 a mais o que em todo campeonato anterior. O anúncio de saída vem, principalmente, para diminuir a pressão para o restante da temporada, na qual o único título (improvável) a ser alcançado é a Champions, competição na qual decide as oitavas de final em 12 março, com o Napoli, após empatar a ida em 1 a 1.

Foto de Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius é nascido e criado em São Paulo e jornalista formado pela Universidade Paulista (UNIP). Escreveu sobre futebol nacional e internacional no Yahoo e na Premier League Brasil, além de eSports no The Clutch. Além disso, atuou como assessor de imprensa no setor público e privado.
Botão Voltar ao topo