La Liga

Com a mão na taça, Real Madrid visita Rayo Vallecano, que precisa fugir da crise

Real Madrid tem 61 pontos e segue firme rumo a mais um título da La Liga; já o Rayo terá estreia do novo técnico após sequência de derrotas

O Real Madrid está se encaminhando para mais um título na La Liga, em uma temporada onde, mais do que nunca, Carlo Ancelotti precisou se reinventar. O treinador conseguiu superar ausências de nomes essenciais do elenco por problemas físicos, e contornar contusões sérias como o do goleiro Courtois e do zagueiro brasileiro Éder Militão para sobreviver nas competições que disputa.

As cartas na manga do italiano funcionaram na Supercopa da Espanha, e vem funcionando também na La Liga. Depois de tomar a liderança do Girona – e aplicar uma sonora goleada por 4 a 1 no adversário direto pelo título na rodada passada – o time volta a campo neste domingo (18), para enfrentar o Rayo Vallecano no Estádio de Vallecas, em Madrid, às 10h.

Se vencer, o Real, que tem 61 pontos, pode chegar aos 64. O Girona, que segue na segunda colocação, soma 56, e enfrenta o 5º colocado Athletic Bilbao na segunda-feira (19). Barcelona, com 51, e Atlético de Madrid, completam a zona de classificação para Champions League.

Vivendo momentos opostos: Real busca o título, Rayo, fugir da ‘crise'

O cenário não é o dos sonhos, mas o Real Madrid tem conseguido superar suas dificuldades e arrancar bons resultados na temporada. Nos últimos cinco jogos na La Liga, somou quatro vitórias e um empate por 1 a 1 contra o grande rival Atlético de Madrid. A virada – o Real era o segundo colocado até a partida contra o Las Palmas, na 22ª rodada – fez com que o time se enchesse de confiança para buscar seu 36º troféu na La Liga. São 18 jogos sem perder, se sustentando como melhor ataque e melhor defesa da competição.

Enquanto isso, o Rayo está em um momento completamente oposto. Sem vencer há seis partidas, o time tem o pior ataque da competição. Na rodada passada, sofreu diante do Mallorca, e acabou derrotado por 2 a 1. O time amarga a 14ª colocação, com apenas 26 pontos. A distância para a zona de rebaixamento é considerável, é verdade – o Cádiz, 18ª, soma 17 – mas é inegável que não restam muitas expectativas para a temporada a não ser se manter na elite.

A fase ruim fez com que o técnico Francisco Rodríguez fosse demitido na última terça-feira (13). A diretoria do Rayo não perdeu tempo, e já na quarta (14), Iñigo Pérez assumiu o cargo. Ex-auxiliar técnico de Athletic Bilbao, Numancia e Osasuna, ele já estava aposentado há dois anos, mas retornará aos gramados para assumir como treinador de uma equipe profissional pela primeira vez.

Lesões (ainda) são pedra no sapato do Real Madrid

No Rayo Vallecano, Diego Méndez, que sentiu um desconforto físico, é a única dúvida. Já o Real Madrid não poderá contar com Ferland Mendy e Mario Martín, suspensos por cartões amarelos, e Bellingham, uma das principais peças do atual elenco merengue. O inglês sofreu uma entorse no tornozelo na partida contra o Girona, e só deve voltar a campo em meados de março.

Contra o Girona, pela La Liga, Ancelotti deu mais uma de suas aulas. Sem Rüdiger e Nacho Fernández, com problemas físicos, escalou Tchouaméni e Daniel Carvajal na zaga. Funcionou. Não só não tomou gols, como goleou. No jogo contra o Leipzig, pela Champions League, já sem Bellingham, o Real contou com uma grande exibição de Brahim Díaz, que resolveu a parada e colocou a equipe em vantagem na decisão de quem avançará para as quartas de final da competição.

Contra o Rayo Vallecano, Ancelotti deve novamente apostar no ‘time que está ganhando' e tem à mão — Brahim Díaz, Rodrygo e Vinícius Júnior para comandar o ataque merengue; no setor defensivo, devem permanecer Carvajal e Thouaméni, com Fran García e Nacho Fernández. Camavinga e Valverde completam o meio de campo.

Botão Voltar ao topo