La Liga

Rei dos absurdos, presidente de La Liga compara pirataria com ‘sexo infantil’

Javier Tebas acumula algumas declarações polêmicas: a mais nova delas é sobre pirataria no futebol

Quando Vinicius Júnior foi vítima de racismo por parte da torcida do Valencia, no Mestalla, em partida do Real Madrid por La Liga 2022/23, Javier Tebas apareceu para piorar a situação. Presidente do Campeonato Espanhol, o dirigente alegou que o atacante brasileiro “exagerava” nas acusações de negligência por parte da liga em casos semelhantes, atacando o craque dos Merengues – por mais que ele fosse a vítima do preconceito.

Rei dos absurdos, Tebas apareceu novamente nesta sexta-feira (5) para dar outra declaração polêmica. Em discurso na Cúpula da Propriedade Intelectual, realizada em Miami, nos Estados Unidos, o presidente de La Liga comparou a pirataria no futebol a “sexo infantil”. Em uma tentativa de expor o problema de transmissões de jogos ilegais, o dirigente fez um paralelo grotesco:

“Se você for no Google e colocar ‘quero comprar cocaína’ ou ‘sexo infantil’ não aparece nada. Mas se colocar ‘futebol esporte grátis’ aparece sim. Alguns são crimes mais graves, mas com outros (delitos) assim, que é roubo, não estão fazendo o mesmo (para combater)”.

À frente de La Liga, Javier Tebas diz estar preocupado com a perda de receitas causadas pela pirataria. Segundo o presidente do Campeonato Espanhol, o principal obstáculo para combater o problema no país está no âmbito jurídico, alegando que os mais de 46 mil IPs ilegais que transmitem os jogos já foram localizados em um servidor. O dirigente argumenta que faltam ações punitivas para lidar com a questão.

Javier Tebas e seu combate à pirataria em La Liga

Por mais que a comparação tenha sido (no mínimo) esdrúxula, Tebas aumentou o tom em seu combate à pirataria em La Liga. Durante sua apresentação em Miami, o presidente do Campeonato Espanhol destacou a empresa Magic TV, que atua na América Latina e transmite conteúdos dos quais não adquiriu os direitos. Ou seja, algo ilegal:

– “A Magic TV anuncia nos pontos de ônibus. E é um verdadeiro pirata, tecnologicamente eu os localizei. E eles estão transmitindo muito conteúdo por US$ 10 (cerca de R$ 50), até a Netflix, com uma coragem incrível, não tinha visto nada parecido. Vamos ver se podemos colocar esse cara na cadeia”, disse Javier Tebas

Javier Tebas também jogou luz sobre a facilidade em ter acesso a conteúdos provenientes da pirataria. O presidente de La Liga apontou grupos no Discord e no Telegram com “50, 60 mil pessoas”, de todos os lugares do mundo, que recebem os links para ter acesso aos conteúdos ilegais. O dirigente também atacou a empresa Meta, dona do WhatsApp, por não colaborar no combate a esse delito:

– “Estou esperançoso porque temos tecnologia para saber tudo o que é hackeado e quando surgem novas estratégias. Investimos muito em tecnologia para descobrir e atacar, se necessário. No momento, não ultrapassamos esse limite porque em vez de colocar o pirata na cadeia, eles (Judiciário) nos colocaram na cadeia. Ainda há muita pirataria. Há milhares de milhões de euros que estamos perdendo, muitos desses piratas vão pagar”, finalizou Tebas.

Foto de Matheus Cristianini

Matheus Cristianini

Jornalista formado pela Unesp, com passagens por Antenados no Futebol, Bolavip Brasil, Minha Torcida e Esportelândia. Na Trivela, é redator de futebol nacional e internacional.
Botão Voltar ao topo