La Liga

Xavi se despede do Barcelona com melancólica vitória sobre o Sevilla

Em noite de protestos, Lewandowski e Fermín marcaram para o Barça, enquanto En-Nesyri descontou para o Sevilla

O treinador Xavi se despediu do Barcelona com uma vitória num jogo melancólico, de pouco valor prático para a tabela de La Liga, e marcado por protestos da torcida do Sevilla, que por sua vez, viu Quique Sánchez Flores deixar seu clube perdendo mais um jogo. Os gols do 2 a 1, resultado final da partida disputada no Estádio Ramón Sánchez Pizjuán, neste domingo (26), foram marcados por Lewandowski e Fermín, para o Barça, enquanto En-Nesyri descontou para os donos da casa.

A derrota foi um fim deprimente para o Sevilla, que fez péssima termporada e terminou La Liga num vexatório 13º lugar, atrás de Getafe, Osasuna e Alavés. O Barcelona já não tinha nenhuma pretensão na competição e qualquer que fosse o resultado não mudaria seu destino, sendo assim, terminou a temporada na segunda colocação, atrás do grande rival — e grande campeão — Real Madrid.

Sevilla chegou desfalcado e Xavi deixou brasileiros no banco

O Sevilla chegou na última rodada de uma péssima temporada de La Liga podendo alcançar, no máximo, o 12º lugar da competição, longe de qualquer competição europeia. Como se não bastasse o péssimo momento, a equipe de Quique Sánchez Flores chegou para a partida cheia de desfalques, sem nomes importantes como Jesús Navas, Marcos Acuña, Erik Lamela e Óliver Torres, entre outros.

Assim, Flores escalou sua equipe pela última vez com: Orjan Nyland; Loïc Badé, Sergio Ramos e Kike Salas; Juanlu Sánchez, Boubakary Soumaré, Lucien Agoumé e Adrià Pedrosa; Lucas Ocampos, Dodi Lukebakio e Youssef En-Nesyri.

Despedindo-se do Barcelona e com o segundo lugar de La Liga garantido, atrás do arquirrival Real Madrid, o treinador Xavi escalou a equipe catalã com Marc-André ter Stegen; Jules Koundé, Pau Cubarsí, Iñigo Martínez e João Cancelo; Pedri, Andreas Christensen e Ilkay Gündogan; Laminel Yamal, Fermín López e Robert Lewandowski.

Os brasileiros Raphinha e Vitor Roque, este último um dos pivôs da saída de Xavi e presente na lista de dispensas elaborada pelo treinador, junto a nomes como João Félix e Lewandowski, começaram o jogo no banco de reservas.

Protestos da torcida do Sevilla

Protestos organizados pela torcida do Sevilla, iniciados antes da partida começar e que perduraram durante toda a partida, roubaram a cena da partida que valia tão pouco. Um grande número de sevillistas se reuniu do lado de fora do Ramón Sánchez Pizjuán, com parte deles entrando no estádio somente após o apito inicial. Os presentes gritaram palavras de ordem pedindo a renúncia da diretoria do clube, considerada culpada pelas campanhas ruins nas últimas duas temporadas.

Os sevillistas ainda pretendiam levar faixas de protesto, mas foram impedidos pelo clube, o que deixou os ânimos ainda mais exaltados. Boa parte dos torcedores utilizou camisas pretas na arquibancada para demonstrarem sua insatisfação.

Presente em lista de dispensa de Xavi, Lewandowski abre o placar

Mesmo jogando fora de casa e sem aspirações em La Liga, o Barcelona começou marcando em cima do Sevilla, dificultando a saída de bola dos mandantes e criando uma boa chance no primeiro minuto, com Lamine Yamal, após boa jogada de Pedri. A defesa dos Blanquirrojos salvou, mas a bola já parecia ter saído no momento do cruzamento do camisa 8.

O Sevilla pouco fazia e o Barça rondava a área, buscando encontrar Lewandowski. E o primeiro gol catalão não demorou a sair. Aos 14 minutos, João Cancelo recebeu com espaço, invadiu a área, trouxe para a perna esquerda — a ruim — e fez lindo cruzamento, encontrando o camisa 9, que aproveitou o mau posicionamento da defesa blanquirroja — Soumaré deu condições —, para dar uma espécie de golpe de Taekwondo para mandar para o fundo das redes, colocando 1 a 0 no placar.

O polonês estava na lista de dispensas entregue pelo agora ex-treinador à diretoria Culé revelada pelo programa Gol a Gol, do canal espanhol TV3. Além dele, Xavi também queria negociar o brasileiro Vitor Roque e o português João Félix.

Atrás no placar, o Sevilla decidiu tentar fazer algo de diferente e partiu para o ataque, assustando Ter Stegen duas vezes, primeiro com Pedrosa, sem assustar muito, mas segunda delas levou grande perigo. Lukebakio fez jogada individual, aos 23 minutos, após receber lançamento e ficar no mano a mano contra Fermín López, finalizando de esquerda ao invadir a área, para bela defesa do camisa 1, que espalmou para o lado.

Sevilla empata com En-Nesyri

Após o gol, o Barcelona parou de jogar e o Sevilla não perdoou. Aos 30 minutos, Soumaré caminhou pela intermediária defensiva do Barcelona e fez lindo passe em profundidade para o marroquino En-Nesyri, que saiu cara a cara com Ter Stegen e mandou debaixo das pernas do goleirão, para empatar o placar ainda no primeiro tempo. Foi o 16º gol do atacante em La Liga.

Jogo fica “lá e cá” e traves trabalham

O Barça acordou com o gol e, aos 34, Fermín fez boa jogada pela esquerda, cruzando para Lewandowski, que ajeitou de cabeça para Pedri, que cabeceou à queima-roupa, obrigando Nyland a operar um milagre, mandando para escanteio.

Dois minutos depois Pedri voltou a perder boa chance. Fermín recebeu passe açucarado, livre na esquerda, invadiu a área e acabou tomando a pior decisão ao não bater para o gol, sendo desarmado. Ainda assim, a bola sobrou para o camisa 8, que encheu o pé, acertando no travessão.

O Sevilla também acertou a trave com Lukebakio, de cabeça, assustanto Ter Stegen aos 44. Aos 45, foi João Cancelo quem passou perto de marcar. Após jogada individual, bateu firme e Nyland espalmou. No contra-ataque, Lukebakio partiu em velocidade, invadiu a área e bateu cruzado, com a bola passando muito perto da trave.

Fermín faz lindo gol e dá vitória ao Barcelona

O segundo tempo começou num ritmo menos intenso que o primeiro, com algumas descidas boas do Barcelona. O Sevilla não conseguia atacar bem e logo foi punido. Aos 14, Fermín recebeu bom passe pela esquerda e foi para cima da marcação, cortando para dentro à-la Arjen Robben e mandou um chute rasteiro no cantinho de Nyland, para colocar o Barça mais uma vez à frente, 2 a 1, com direito a golaço.

Aos 19, João Félix, que entrou no lugar de Yamal, tímido na partida, fez boa jogada, obrigando Nyland a fazer grande defesa com os pés.

O jogo ficou um pouco mais lento a medida que as equipes foram cansando e o Sevilla só veio a assustar, duas vezes, aos 28.  Ter Stegen pegou ambas. Dois minutos depois, Xavi colocou Vitor Roque no lugar de Fermín.

Aos 34, Mariano Díaz, que havia entrado no Sevilla há poucos minutos, teve boa chance de marcar após movimentação inteligente, mas parou em Ter Stegen, que pegou mais uma.

O fim do jogo foi de pouco movimento, com a melhor chance saindo no minuto final, numa cobrança de falta de Sergio Ramos, que subiu demais. Um último lance decepcionante, condizente com o que foi a temporada de ambas as equipes.

Foto de Maic Costa

Maic Costa

Maic Costa nasceu em Ipatinga, mas se radicou na Região dos Inconfidentes mineiros. Formado em Jornalismo na UFOP, em 2019, passou por Estado de Minas, Superesportes, Esporte News Mundo, Food Service News e Mais Minas. Atualmente, é setorista do Cruzeiro na Trivela.
Botão Voltar ao topo