Fiscalize Catar 2022

Catar quer vacinação obrigatória para jogadores e torcedores que forem para a Copa 2022

Torcedores serão obrigados a estarem vacinados, mas há uma discussão sobre a obrigatoriedade dos jogadores

O Catar, sede da próxima Copa do Mundo, quer que todos os jogadores estejam vacinados para participarem do torneio, que acontece em novembro e dezembro de 2022, segundo informado pelo The Athletic. A vacinação de jogadores é um tópico em constante debate em um mundo ainda em pandemia e em processo de imunização da população.

LEIA MAIS: Coronavírus no Catar: falta de água, isolamento de setores infectados e aglomeração em dormitórios

O país do Oriente Médio já anunciou que todos os torcedores que quiserem ir à Copa do Mundo em novembro de 2022 precisarão estar totalmente vacinados. O primeiro-ministro do país disse em junho que o Catar está tentando assegurar mais um milhão de doses para imunizar os torcedores.

Nenhum dos principais torneios do mundo exige a vacinação dos jogadores até aqui, mas os catarianos querem que eles estejam vacinados de modo a poderem disputar a Copa sem qualquer restrição. Há um debate grande em vários locais sobre a obrigatoriedade de vacinação dos jogadores – embora tenha se tornado comum o passaporte sanitário para os torcedores.

O Catar aplicou mais de 4,6 milhões de doses de vacinas, o que foi suficiente para vacinar cerca de 82% da população do país. É um dos índices mais altos do mundo, ainda que seja importante lembrar que a população do país é pequena (cerca de 2,5 milhões de pessoas), assim como seu território (11,4 mil quilômetros quadrados, pouco mais que a metade da área do estado de Sergipe).

Como o Catar é um país densamente populado, há preocupações com a Copa do Mundo sendo um potencial vetor de propagação do vírus novamente e, por isso, o país quer a exigência de vacinação de todos, incluindo os jogadores. Há, porém, questões diplomáticas a respeito disso. Alguns jogadores não aceitaram se vacinar e, como não é obrigatório na maioria das ligas, isso ainda não se tornou um problema.

Há negociações entre os organizadores da Copa e a Fifa, além de autoridades médicas do Catar, sobre a medida. Há a tentativa de uma solução amigável, porque a Fifa sabe que a obrigatoriedade pode fazer com que alguns jogadores deixem de estar na Copa do Mundo. Ninguém quer ver o torneio sem alguma estrela por isso. Recentemente, vimos o caso de Granit Xhaka, da seleção suíça, que recusou a vacina.

Uma das opções discutidas é que os jogadores que não se vacinarem teriam que fazer testes a cada três dias e estes testes precisariam dar negativo para que continuem liberados no torneio. Os protocolos ainda estão sendo discutidos, assim como possíveis exceções. A Copa Árabe será o evento teste do Catar, disputado a partir do dia 30 de novembro. Os torcedores que quiserem assistir aos jogos terão que estar completamente vacinados, mas não haverá a mesma exigência com os jogadores.

“À luz da pandemia COVID-19, o Catar, como país anfitrião, fornecerá as salvaguardas necessárias para proteger a saúde e a segurança de todos os envolvidos na competição. Todos os participantes devem seguir as recomendações de viagem das autoridades do Catar e as orientações mais recentes do Ministério da Saúde Pública. Todas as informações sobre as medidas de segurança do COVID-19 serão comunicadas a todos os grupos de clientes conforme nos aproximamos da competição”, disse a Fifa em um comunicado enviado ao Athletic sobre o assunto.

LEIA TAMBÉM: Com foco na Copa 2022, orçamento do Catar para 2020 será o maior em cinco anos

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo