Brasil

Trivela conquista 3º lugar em prêmio internacional de jornalismo com reportagem sobre saúde mental

Sport Media Awards é promovido pela International Sports Press Association (AIPS), e reconhece os melhores trabalhos do ramo esportivo

A Trivela conquistou o 3º lugar da categoria “Young Reporters Writing” (para jovens repórteres) em toda a América no Sport Media Awards, prêmio organizado pela Internacional Sports Press Association (AIPS) que reconhece os melhores trabalhos do jornalismo esportivo em todo o mundo.

O resultado, divulgado na terça-feira (11), premiou o jornalista Carlos Vinícius Amorim pela reportagem “Na era da saúde mental, metade dos clubes do Brasileirão não tem psicólogos no time profissional“.

Em meio à discussão sobre o tema, mais em voga do que nunca no futebol, o jornalista fez um levantamento com todos os clubes que disputam a Série A do Campeonato Brasileiro.

Em uma apuração que durou mais de um mês, a reportagem chegou a alarmante conclusão que grande parte dos clubes não contavam com um profissional da área à disposição do elenco profissional.

A reportagem foi veiculada em 11 de setembro de 2023, com edição de Denise Bonfim e Leonardo Sacco. Foram ouvidos, além dos clubes, psicólogos do esporte, o Conselho Federal de Psicologia, e o jovem Ronald, jogador do Grêmio de apenas 20 anos.

A matéria também conta com trechos de entrevistas do goleiro brasileiro Ederson e do goleiro argentino Emiliano Martínez.

Em 2023, o AIPS Awards recebeu quase 1900 inscrições vindas de 140 países em todo o mundo.

Contribuição para a discussão sobre saúde mental no esporte

A saúde mental é uma das importantes bandeiras abordadas pela Trivela. Na última semana, o site publicou mais uma reportagem sobre o tema. Desta vez, sobre o caso de Rayan, de 17 anos, que em sua segunda temporada de futebol profissional, atuando pelo Vasco, virou alvo da torcida do clube. Você pode ler aqui.

Pouco a pouco, o tema ganha cada vez mais espaço no noticiário esportivo. Assim como a publicação do levantamento, do ano passado para cá, clubes e jogadores passaram a dar mais importância para o acompanhamento psicológico.

Richarlison, atacante do Tottenham e da seleção brasileira, foi um dos que mais se posicionou publicamente sobre o tema e, sempre que possível, faz um apelo em torno da questão.

Em março deste ano, a CBF passou a contar com Marisa Lúcia Santiago como psicóloga da seleção brasileira. O cargo estava vago desde a Copa do Mundo de 2014, com Felipão.

Ela acompanha de perto o dia a dia dos atletas e tem sessões para entender como cada um dos jogadores se sente nesta Data Fifa.

A profissional faz relatórios e envia ao técnico para que ele possa ter cuidado sobre alguns temas e possíveis incômodos, e estará com a delegação que vai à Copa América.

Carlos Vinicius Amorim, repórter da Trivela, foi premiado pela AIPS na categoria "“Young Reporters Writing”
Carlos Vinicius Amorim, repórter da Trivela, foi premiado pela AIPS na categoria ““Young Reporters Writing”

Premiados na categoria YR – Sport Media Awards

1. José Encarnacion – Centro de Periodismo Investigativo – Porto Rico
The Other Final Stretch for the Horses at the Hipódromo Camarero 

2. Camila Alves – ge – Brasil
A história escondida de Pelé: como o Rei mudou a rotina de um país só com uma sessão de treinos

3. Carlos Vinícius Amorim – Trivela – Brasil
Na era da saúde mental, metade dos clubes do Brasileirão não tem psicólogos no time profissional

4. Lukas Weese – The Athletic – Canadá
College squash’s most storied rivalry? Origins of Harvard vs. Trinity

5. Santiago Vanoli – El País – Uruguay
Cuando la rivalidad no es prioridad: campaña del abrigo de Peñarol y Nacional en Canelones

 

Foto de Denise Bonfim

Denise BonfimSubcoordenadora de conteúdo

Denise Bonfim é jornalista pós-graduada em Comunicação e Mídias Digitais, roteirista e produtora de conteúdo. Participou da cobertura de duas Copas do Mundo e duas Olimpíadas, e soma passagens por Estadão, CNN, Jovem Pan, UOL e Globo.
Botão Voltar ao topo