Brasil

Diniz convoca Seleção pela primeira vez com dúvidas e blindagem da CBF

Fernando Diniz divulgará lista de convocados para a sua estreia pela Seleção nos jogos contra Bolívia e Peru pelas Eliminatórias

Atualização: veja aqui a primeira convocação de Fernando Diniz

A era Fernando Diniz na seleção brasileira começa oficialmente às 14h (horário de Brasília) desta sexta-feira (18). No auditório da CBF, no Rio de Janeiro, o treinador fará a sua primeira convocação para a Seleção. Nome a nome, o técnico divulgará uma lista que tem Neymar como protagonista e que guarda ao menos três indefinições.

Diniz convocará os jogadores para a sua estreia pelo Brasil, já em compromissos oficiais, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2026. A Seleção enfrenta a Bolívia no Mangueirão, em Belém. Depois, viaja a Lima para enfrentar o Peru no dia 12 de setembro.

Blindagem da CBF

A primeira lista de Fernando Diniz é guardada a sete chaves dentro da própria CBF. A Trivela apurou que as decisões sobre a Seleção estão centralizadas no gabinete do presidente Ednaldo Rodrigues. Até mesmo os vice-presidentes da entidade e presidentes das federações estaduais têm poucas informações sobre quais serão os próximos passos do time principal masculino.

O cerco “fechou” após o último ciclo para a Copa do Mundo de 2022, com a missão de definir o substituto de Tite. Após muito esperar, a CBF chegou a um acordo e espera Carlo Ancelotti para assumir a Seleção a partir do meio do ano que vem. Até lá, Fernando Diniz terá autonomia total para tomar as decisões sobre convocações.

Três grandes dúvidas

Diniz, claro, já tem os nomes de sua primeira lista definidos para o anúncio desta sexta-feira. A relação ainda é guardada sob segredo, mas flutua entre atletas “carimbados” que seguirão a serviço da Seleção e algumas novidades que ele pode preparar para a sua primeira convocação. As grandes dúvidas estão nas duas laterais e na posição de centroavante.

Conforme apurado pela Trivela, as laterais devem mudar de cidade: sair de Turim, de onde Alex Sandro e Danilo eram chamados como representantes da Juventus, para Monte Carlo, na França. Vanderson, na direita, e Caio Henrique, na esquerda, devem ser chamados por Diniz nesta primeira lista. Quem pode surgir na direita é Pepê, ex-atacante do Grêmio que virou lateral no Porto. Emerson Royal também disputa posição.

No ataque, Diniz não poderá contar com seu preferido para a referência. Gabriel Jesus se recupera de lesão pelo Arsenal. Artilheiro do Botafogo no Brasileirão. Tiquinho Soares também está lesionado e tinha boas chances de ser convocado. Vitor Roque deve ser um dos centroavantes chamados pelo técnico. Resta saber quem será o segundo.

Caio Henrique e Vanderson devem ser convocados por Diniz (Foto: Iconsport)

Como o treinador tem preferência por goleiros que tenham bom jogo com os pés, Ederson deve começar as Eliminatórias como titular, com Alisson como opção. Bento, do Athletico, e Lucas Perri, do Botafogo, disputam a terceira vaga.

Diniz também deve recorrer a velhos conhecidos em sua primeira convocação. O zagueiro Nino e o volante André, seus comandados no Fluminense, estão bem cotados para a lista. Raphael Veiga, que trabalhou com o técnico no Athletico, também é candidato no meio-campo.

Neymar entre o protagonismo e a preocupação

Neymar tem presença praticamente garantida na primeira lista de convocados de Fernando Diniz. O treinador conta muito com o atacante para ele ser um dos pilares da Seleção durante o ano em que ele estiver no comando. Mas o protagonismo esperado do camisa 10 é acompanhado de preocupação por sua transferência para o Al-Hilal, da Arábia Saudita.

O treinador expressa preocupação com os efeitos que atuar na Arábia Saudita podem causar a Neymar, mesmo que o calendário com menos jogos possa fazer com que ele chegue mais “inteiro” à Seleção. Conforme apurado pela Trivela, Diniz está preocupado, especialmente, com o nível de exigência e competitividade com que Neymar conviverá na Arábia Saudita. E isso se aplica tanto aos jogos pelo campeonato local quanto ao dia a dia de treinamentos.

O que preocupa Diniz:

  • calor na Arábia Saudita, com temperaturas que passam dos 40ºC no verão
  • nível de competitividade da liga saudita
  • nível de exigência dos treinamentos

A liga saudita fez estremecer o mercado do futebol com investimento bilionário para atrair estrelas do quilate de Karim Benzema, N’Golo Kanté e, claro, Cristiano Ronaldo. Mas estes grandes nomes estão distribuídos apenas entre os quatro grandes clubes do país – Al-Hilal, Al-Ittihad, Al-Ahli e Al-Nassr. Por isso, Diniz se preocupa com o nível de competitividade que Neymar encontrará na liga saudita. O treinador também abre o olho para a exigência nos treinamentos, mesmo que o atacante seja comandado por Jorge Jesus.

E a questão física também traz preocupação, nem tanto pelo calendário, mas pelo clima na Arábia Saudita. O verão saudita costuma registrar temperaturas que ultrapassam os 40ºC e não baixam dos 30ºC mesmo durante a noite.

Quando será a primeira convocação?

Fernando Diniz anunciará a sua primeira lista de convocados para a seleção brasileira na próxima sexta-feira (18), às 14h (horário de Brasília), no auditório da CBF, no Rio de Janeiro. Após a a divulgação da convocação, o técnico concederá entrevista coletiva.

O treinador assinou contrato para comandar a Seleção até a metade de 2024. A partir daí, a CBF aguarda a chegada de Carlo Ancelotti, atualmente no Real Madrid. O italiano deve estrear pelo Brasil já com um grande compromisso: a Copa América de 2024, nos Estados Unidos.

Estreia da Seleção nas Eliminatórias

A Seleção estreia nas Eliminatórias da Copa de 2026 em 8 de setembro, quando enfrenta a Bolívia no Mangueirão, em Belém. Depois, o Brasil viaja a Lima para enfrentar o Peru no dia 12 de setembro.

A Copa do Mundo de 2026 será disputada em três países: Estados Unidos, Canadá e México. As Eliminatórias Sul-Americanas classificarão seis seleções de forma direta. Há ainda uma sétima vaga de repescagem em jogo, com um total de 10 países na briga.

Foto de Eduardo Deconto

Eduardo Deconto

Jornalista pela PUCRS, é setorista de Seleção e do São Paulo na Trivela desde 2023. Antes disso, trabalhou por uma década no Grupo RBS. Foi repórter do ge.globo por seis anos e do Esporte da RBS TV, por dois. Não acredite no hype.
Botão Voltar ao topo