Brasil

Corinthians trocou de treinador três vezes e a única coisa que conseguiu foi sobreviver na Série A

Sequência de trocas e filosofia de jogo prejudicaram taticamente o Corinthians dentro do campo em um ano que a permanência na primeira divisão foi comemorada

Em 2023, o Corinthians enfrentou uma temporada tumultuada em todos os setores do time, sem exceção. Ataque, defesa e meio-campo passaram por dias difíceis dentro do campo, e todos esses desafios tiveram origem em um problema recorrente: a excessiva rotatividade de técnicos promovida pela diretoria do clube. Ao longo do ano, ocorreram três trocas de treinadores, sem contar com a breve passagem de Danilo, que comandou a equipe no primeiro derby do Campeonato Brasileiro.

O ano teve início com Fernando Lázaro à frente do Timão. Apesar de sua longa história no clube, Lázaro mostrou-se despreparado para assumir o comando, acumulando 17 jogos, oito vitórias, cinco empates e quatro derrotas. A eliminação no Campeonato Paulista para o Ituano e o desempenho insatisfatório na Copa do Brasil levaram à sua demissão. Diante desse cenário, a diretoria optou por Cuca, uma escolha que se revelou desastrosa. A acusação de assédio sexual contra Cuca gerou intensa pressão, levando-o a deixar o cargo após apenas dois jogos, com uma derrota e uma vitória.

Para tentar estabilizar a situação, o Corinthians buscou Vanderlei Luxemburgo, um técnico experiente em lidar com pressões externas. Apesar de ter mais tempo de trabalho, Luxemburgo não conseguiu evitar dificuldades, resultando na eliminação nas fases decisivas da Copa Libertadores da América e da Copa do Brasil. Luxa foi demitido em setembro, após o primeiro jogo da semifinal da Sul-Americana. Durante sua passagem em 2023, o time disputou 38 partidas, com 14 vitórias, 12 empates e 12 derrotas. O escolhido para substituí-lo foi Mano Menezes, contratado até 2025, com a difícil missão de evitar o rebaixamento e corrigir os erros táticos da equipe, assumindo a responsabilidade pela reformulação do elenco para 2024.

As táticas que o Corinthians usou em 2023 e o que elas renderam

As constantes mudanças de comando impactaram significativamente os jogadores do Corinthians, que precisaram se adaptar a três filosofias de trabalho diferentes ao longo da temporada. Uma análise mais aprofundada das abordagens de Luxemburgo e Mano Menezes revela disparidades nos sistemas táticos da equipe. Sob o comando de Luxemburgo, o time apresentou dificuldades em estabelecer um padrão tático consistente, resultando em espaçamentos no campo, erros de passe e vulnerabilidade no contra-ataque dos adversários.

Com a chegada de Mano Menezes, a prioridade passou a ser aprimorar a parte tática da equipe. Durante os treinamentos, o foco estava em reduzir os espaços no campo. Embora tenha havido melhorias parciais, persistiram desafios nas tomadas de decisões em campo.

O que esperar do comando técnico do Corinthians em 2024?

Olhando para o comando técnico do Corinthians em 2024, com apenas três meses de trabalho, Mano Menezes conseguiu recuperar alguns pontos cruciais para a equipe. Ele proporcionou respaldo e confiança a jogadores como Romero, que desempenhou um papel fundamental nos pontos conquistados na reta final da temporada. Com contrato válido até o final de 2025, e agora encarregado da reformulação do Timão, espera-se que as contratações sob sua gestão tenham foco na parte defensiva, especialmente diante das saídas de jogadores importantes como Gil, Giuliano e Renato Augusto. A expectativa é que Mano Menezes, conhecido por seu trabalho na reconstrução de elencos em temporadas passadas, consiga imprimir sua marca e conduzir o Corinthians a uma fase mais estável e competitiva em 2024.

Foto de Jade Gimenez

Jade Gimenez

Jornalista, fascinada por esporte desde a infância, paixão que se tornou profissão. Além do futebol me mantenho por dentro de outras modalidades desde Fórmula 1 até NFL. Trabalhei como repórter em TV e rádio cobrindo partidas de futebol, futsal e basquete.
Botão Voltar ao topo