Brasil

Uma vez protagonista, sempre protagonista: Luciano e Calleri comandam (de novo) o ataque do São Paulo em 2023

Com gols decisivos, dupla lidera o ataque e marca mais do que o triplo dos gols dos demais atacantes

Primeiro, chegou James Rodríguez. Uma semana mais tarde, veio (ou voltou) Lucas Moura. O mês era agosto, e o São Paulo anunciava dois reforços para mudar o patamar da equipe que acabaria campeã inédita da Copa do Brasil. Mas a verdade é que mesmo com dois nomes de tamanho impacto, quem seguiu decidindo para o Tricolor foram dois jogadores acostumados a fazer a diferença neste elenco: Luciano e Calleri.

O camisa 10 encerrou mais uma temporada como artilheiro da equipe. Isso só foi possível porque o centroavante perdeu os últimos compromissos do Brasileirão após passar por uma cirurgia no tornozelo direito. Antes do procedimento, o argentino era o goleador da equipe. Um goleador (enfim) de gols decisivos, como o da vitória sobre o Flamengo no jogo de ida da final da Copa do Brasil.

Mas é preciso dizer que a dupla tão acostumada a decidir para o São Paulo nos últimos anos não iniciou 2023 lá tão bem. Ambos – especialmente Luciano – cresceram de rendimento a partir da chegada de Dorival Júnior. Com Rogério Ceni, quem marcava os gols da equipe era o meia Galoppo, artilheiro durante boa parte da temporada, com oito gols.

Mesmo com o poderio goleador de Luciano, Calleri e Galoppo, o ataque do São Paulo viveu um 2023 de não lá muitos gols. Foram apenas 92 em 71 jogos, com uma média de 1,29 gol por partida – a pior do clube desde 2009. Um sintoma disso ficou evidente no Brasileirão. O Tricolor encerrou a competição com o quarto pior ataque. A equipe marcou 40 gols em 38 rodadas.

Esses foram os pontos fortes do ataque do São Paulo

É impossível falar dos pontos fortes do ataque do São Paulo sem citar a dupla Calleri e Luciano. Juntos, os dois marcaram 29 gols – quase um terço de todos os gols da equipe em 2023. O camisa 10, aliás, se encontrou como um segundo atacante e foi o artilheiro da equipe no ano, com 15 gols. Ninguém participou de mais gols pela equipe do que ele, autor também de oito assistências. Não é à toa que o clube, antes propenso a uma saída, conta com sua permanência para 2024.

Calleri, por sua vez, só não encerrou o ano como artilheiro por conta da cirurgia no tornozelo direito. Uma medida extrema para um camisa 9 que atuou no sacrifício durante mais de três meses nesta temporada. E mesmo assim distribuiu 14 gols, com direito ao da vitória por 1 a 0 sobre o Flamengo na final da Copa do Brasil. Um gol que enfim o transformou em protagonista de título pelo São Paulo – o último ato de quem agora se eterniza como ídolo do clube. Ah! E vale também uma menção honrosa ao meio-campista Galoppo entre os pontos fortes do ataque.

Calleri vira o quinto maior artilheiro do São Paulo no século (Iconsport)

Esses foram os pontos fracos do ataque do São Paulo

Luciano e Calleri foram dois protagonistas tão evidentes, que foram os únicos a corresponder no ataque do São Paulo em 2023. Enquanto a dupla marcou 29 gols no ano, os outros quatro atacantes que atuaram como centroavantes nesta temporada juntos anotaram apenas nove gols. Não é à toa que Erison (3 gols), David (2) e Alexandre Pato (2) devem deixar o clube, e apenas o jovem Juan (2) deve seguir para 2024.

A reta final do Brasileirão, aliás, escancarou a Calleridependência: Luciano foi o único que conseguiu marcar entre todos os centroavantes que iniciaram uma partida como titular. Mas aqui cabe também uma menção a quem sequer entrou em campo nos últimos três meses: Alexandre Pato se despede do São Paulo com apenas dez jogos e dois gols marcados desde sua chegada na metade da temporada.

Pato se despediu do São Paulo sem jogar há três meses (IconSport)

O que esperar do ataque do São Paulo em 2024?

O 2024 do ataque são-paulino começa esperançoso. Isso, porque Calleri e Galoppo já estão recuperados de suas respectivas lesões e iniciam a pré-temporada já integrados ao elenco. São dois reforços caseiros para o Tricolor. O técnico Dorival Júnior também dará espaço a William Gomes, garoto da base que estreou e encantou o departamento de futebol nos últimos jogos do Brasileirão. Mas se a reta final da temporada ensinou algo é que o São Paulo precisa – com certa urgência – de reforços para o setor ofensivo.

E aí, não estamos falando de titularidade, mas sim de uma reposição a Calleri. Um centroavante que atenue a dependência da equipe de seu camisa 9. A diretoria do São Paulo já trabalha para resolver essa carência. O plano A para reforçar a equipe é Pedro Raul, ex-Vasco e hoje no Toluca do México.

 

Foto de Eduardo Deconto

Eduardo Deconto

Jornalista pela PUCRS, é setorista de Seleção e do São Paulo na Trivela desde 2023. Antes disso, trabalhou por uma década no Grupo RBS. Foi repórter do ge.globo por seis anos e do Esporte da RBS TV, por dois. Não acredite no hype.
Botão Voltar ao topo