Brasil

Paulo André revela planejamento do Cruzeiro e explica saídas de Cabral e diretor

Diretor de futebol interino do Cruzeiro, Paulo André concedeu sua primeira entrevista coletiva desde que chegou ao clube celeste na tarde desta sexta-feira (26)

Braço direito de Ronaldo Nazário e agora diretor de futebol interino do Cruzeiro, o ex-zagueiro Paulo André concedeu entrevista coletiva na tarde desta sexta-feira (26), na Toca da Raposa 2, centro de treinamentos do clube celeste. O dirigente precisou assumir o novo cargo no clube após a saída repentina de Pedro Martins, que ocupava o posto, mas aceitou uma proposta “com salário de atacante”, nas palavras do próprio Paulo, e fechou com o Vasco da Gama.

Apesar do cargo de liderança no Valladolid e Cruzeiro, estando mais presente no segundo em 2024, clubes de Ronaldo, Paulo André nunca havia concedido entrevista coletiva desde que chegou ao clube, sendo esta a primeira. O dirigente alegou que ser um porta-voz não era uma de suas atribuições. Segundo ele, Gabriel Lima, CEO do clube, Pedro Martins, o antigo diretor de futebol, e o próprio Fenômeno, eram quem tinham esse papel.

A coletiva de Paulo André foi bem vista por parte da torcida cruzeirense e dos jornalistas presentes pelo fato dele ter dado respostas mais claras e diretas, diferentemente de Pedro Martins, que frequentemente era criticado pelas entrevistas “a lá Linkedin”, cheias de jargões corporativos que não condiziam com a realidade que acontecia no clube.

Questionado sobre uma possível mudança de rota no que vinha fazendo Pedro Martins, visto que o Cruzeiro teve uma temporada de 2023 ruim e 2024 começa com vários problemas, Paulo André começou ressaltando que os objetivos do clube foram cumpridos desde a chegada da SAF. Posteriormente, ele deu um passo atrás e reforçou que os objetivos foram alcançados “apesar” de todos os erros cometidos pela gestão no período.

— Faz dois anos e quatro meses que o Ronaldo assumiu a gestão do clube e, desde então, os principais objetivos esportivos e financeiros foram atingidos. Dentre eles, o acesso à Série A, a manutenção na Primeira Divisão e a classificação para a Copa Sul-Americana. Pela primeira vez, este ano tivemos uma falha no objetivo esportivo, que foi a queda na 1ª fase da Copa do Brasil. Para a gente, foi um grande fracasso. Todos os outros objetivos no ano continuam vivos — afirmou, antes de dizer que os objetivos de ficar na parte de cima da tabela do Brasileirão e chegar o mais longe possível na Copa Sul-Americana seguem válidos.

O Cruzeiro irá contratar um novo diretor de futebol?

Paulo André revelou que não imaginava ter que assumir o cargo de diretor de futebol do Cruzeiro neste momento, tendo sido pego de surpresa com a saída de Pedro Martins. Apesar disso, afirmou não ter pressa para definir um novo substituto, deixando em aberto até mesmo a possibilidade de não existir essa reposição.

— Inicialmente, não temos pressa para tomar essa decisão. A ideia de eu estar aqui é a gente ter o menor impacto de ondas possível após a saída do Pedro Martins. Eu já conheço a operação. Estou mais presente neste ano e seguimos a metodologia do trabalho da mesma forma. Com o tempo, vamos ver se tem a necessidade de trazer alguém e qual seria a característica dessa pessoa — afirmou Paulo André.

Ele ainda garantiu que, desde que assumiu a função, tem se concentrado em conversar individualmente com os jogadores, passando confiança, mas fazendo cobranças por um melhor rendimento dos atletas. O dirigente ainda garantiu que se sente preparado para o desafio de reerguer o Cruzeiro.

— Tenho convicção do que sou capaz, mas não faço nada sozinho. Falo do aspecto financeiro, jurídico e no futebol. A presença do Paulo Autuori nos dá crença que tudo pode ficar bem. Vou ser o diretor interino até o momento em que as coisas se acomodarem — pontuou.

Saídas de Rafael Cabral e Pedro Martins

Paulo André ainda revelou como aconteceram as recentes saídas do goleiro Rafael Cabral e do diretor de futebol Pedro Martins, contando que ambos deixaram o Cruzeiro por decisões próprias.

— No caso específico do Cabral, foi um pedido dele sair do clube naquele momento, na sexta-feira, após o Aliança. Jogamos na quinta à noite, na sexta ele me ligou e pediu para ser negociado. Pedi a ele um pouco de paciência, para a gente conversar no sábado. Agora, uma opinião, em casa, ele foi convencido pela família a mais uma vez me ligar e sair. Na segunda ligação eu disse, você não tem cabeça para estar no jogo de amanhã, você está fora do jogo e vamos começar a tratar nos próximos dias a tua saída — contou o dirigente.

— O Pedro nos comunicou há uns três dias que abriu uma conversa com o Vasco e que nos daria uma posição definitiva na quarta-feira. Ele foi receber “salário de atacante” no Vasco. Para a carreira, no aspecto pessoal, isso faz diferença. Ele nos comunicou três dias antes de tomar a decisão — explicou.

Paulo André explica sua função e a de Elias no Cruzeiro

Um questionamento recorrente entre os cruzeirenses costuma ser sobre quais as funções da dupla de ex-jogadores Paulo André e Elias no Cruzeiro. O ex-zagueiro falou sobre o assunto.

— O Elias não tem nenhum papel ou poder de decisão aqui no Cruzeiro, ou no Valladolid. Ele é um assessor exclusivo do Ronaldo que tem livre entrada nos dois clubes para acompanhar treinos e jogos, mas não participa das reuniões executivas nem do Cruzeiro ou do Valladolid — começou Paulo André.

— Fui contratado em junho de 2021, quando o Valladolid caiu para segunda divisão para reformular toda estratégia do clube e definir diretor de futebol, treinador e estrutura. Seis meses depois o Ronaldo comprou o Cruzeiro e me contratou para fazer o mesmo processo aqui. Meu papel foi definir com clareza as diretrizes estratégicas e os limites sobre os quais o diretor de futebol e as pessoas do futebol atuam. Falo de futebol do Cruzeiro, não do negócio como um todo, da parte administrativa, dívida, etc. Meu papel é definir esse norte e dar autonomia ao diretor para que ele tome as decisões. Não estive no dia a dia com grande frequência, vinha uma semana a cada dois meses, quem me acompanha sabe disso. Sempre estive presente nas grandes decisões, mas, em geral, essa o diretor tinha total para tocar como quisesse — completou.

Foto de Maic Costa

Maic Costa

Maic Costa nasceu em Ipatinga, mas se radicou na Região dos Inconfidentes mineiros. Formado em Jornalismo na UFOP, em 2019, passou por Estado de Minas, Superesportes, Esporte News Mundo, Food Service News e Mais Minas. Atualmente, é setorista do Cruzeiro na Trivela.
Botão Voltar ao topo