Brasil

Gabriel Grando por Rafael Cabral: Grêmio e Cruzeiro fazem troca de goleiros

Desprestigiados em Grêmio e Cruzeiro, respectivamente, Gabriel Grando e Rafael Cabral buscarão melhor sorte sem pararem de usar azul

Antes do fechamento da janela de transferências para atletas que disputaram campeonatos estaduais, Grêmio e Cruzeiro preparam uma troca de goleiros. Os clubes têm negociações avançadas para a ida de Gabriel Grando para a Raposa e a de Rafael Cabral para o Tricolor Gaúcho, ambos por empréstimo até o final de 2024, com opção de compara. A informação foi inicialmente divulgada pelos jornalistas Venê Casagrande e Samuel Venâncio, e confirmada pela Trivela.

O negócio é visto como uma oportunidade dos goleiros buscarem novos ares para recuperarem o prestígio e o bom futebol. Entretanto, os dois apresentam algumas diferenças significativas. Em especial, de idade, já que Grando tem 24 anos, e Rafael, 33. Depois, de ritmo de jogo. Enquanto o primeiro tem apenas uma partida pelo Grêmio nessa temporada, o segundo vinha sendo titular do Cruzeiro até pouco tempo atrás, quando o clima ficou insustentável.

Grando teve trajetória tortuosa no Grêmio, onde era o terceiro goleiro

Inicialmente conhecido como Gabriel Chapecó, em referência a sua cidade natal, Grando iniciou muito bem sua trajetória no profissional do Grêmio, onde foi formado, em 2021. Então com 21 anos, o goleiro chegou a ser eleito o melhor em campo em um clássico Gre-Nal que terminou empatado por 0 a 0, pelo Campeonato Brasileiro. Porém, o rebaixamento para a Série B, naquele mesmo ano, deixou marcas profundas na relação que o jovem arqueiro, e outros do elenco, teriam com a torcida gremista.

No ano seguinte, ele alternou titularidade com Brenno, e esse revezamento prejudicou ambos goleiros. Em 2023, depois de Adriel subir e cair do cavalo com a mesma velocidade, Grando foi titular durante grande parte da temporada. Teve momentos de destaque, como na classificação nos pênaltis contra o Bahia, pela Copa do Brasil. Mas também acumulou algumas falhas e muitos gols sofridos, já que o Grêmio, apesar do vice-campeonato, teve a quarta pior defesa do Brasileirão. Com as chegadas de Caíque, no segundo semestre do ano passado, e de Marchesín, no início deste ano, Grando perdeu espaço, e era atualmente o terceiro goleiro do Tricolor Gaúcho.

Relação desgastada gerou saída de Rafael Cabral do Cruzeiro

Se Gabriel Grando perdeu espaço no Grêmio, o Cruzeiro parece ter entendido que Rafael Cabral não tem mais clima no clube. O goleiro jamais caiu nas graças do torcedor, muito por ter sido o escolhido para substituir o ídolo Fábio, mas também por falhas e erros frequentes, em especial em jogos decisivos, principalmente nos clássicos contra Atlético-MG e América-MG.

As críticas foram constantes durante toda a passagem de Rafael Cabral por Belo Horizonte, mas o goleiro jamais perdeu o posto de titular absoluto e referência do elenco. Além disso, jamais mostrou se abalar com os questionamentos.

Mas tudo pareceu mudar nas últimas semanas. Rafael Cabral falhou feio contra o Atlético-MG no jogo de ida da final do Campeonato Mineiro, não conseguiu ajudar a equipe na volta e voltou a falhar bisonhamente no empate do Cruzeiro contra o modesto Alianza FC, da Colômbia, pela segunda rodada do grupo B da Copa Sul-Americana.

Saída de Rafael Cabral pegou o Cruzeiro de surpresa

Rafael Cabral pareceu ter chegado ao seu limite em relação às críticas sofridas, o que resultou numa tomada de decisão que pegou elenco e comissão técnica de surpresa. O camisa 1 treinou normalmente na manhã do sábado (13) para a estreia no Brasileirão contra o Botafogo, mas no final da tarde, companheiros, treinador e staff foram informados de que ele não iria se concentrar por estar negociando uma saída do clube. Anderson, seu reserva imediato, foi então acionado pelo técnico Fernando Seabra com menos de 24h para a bola rolar. O camisa 98 comentou a situação depois da partida.

— A gente se apresentou para a concentração e ali ficamos sabendo que o Rafa não viria. Daí, já me comunicaram. Conversei com o treinador de goleiros, Rogério, com o João, com o Seabra e ficou alinhado. Estava tudo tranquilo. A gente vem trabalhando muito forte, todo mundo, independentemente de quem joga, e sabia que eu ia conseguir entrar no campo e desempenhar um bom futebol — falou Anderson na zona mista.

Fernando Seabra também comentou a situação na entrevista coletiva de pós-jogo, dizendo que enxergou com naturalidade e que seu trabalho é resolver problemas.

— Primeiro de tudo, o Rafael Cabral é um excelente jogador, uma pessoa de caráter que trabalha muito. A gente tem todo respeito por ele e torce para que o melhor caminho aconteça. É uma questão da diretoria, uma negociação que está em curso e a diretoria vai trabalhar com o Rafael da melhor forma possível. Como é algo que influencia na tomada de decisão da sua vida profissional, a gente precisa respeitar e deixar a diretoria interagir para escolher o melhor caminho. Dei toda confiança ao Anderson, pois sabemos da sua qualidade e que poderia encarar o desafio. Eu na minha posição preciso ir para soluções. Soube durante a tarde que surgiu uma proposta e durante isso está refletindo. É melhor que não venha para o jogo e está interagindo com a direção — revelou o treinador da Raposa.

— Eu soube durante a tarde. Ele treinou de manhã e durante a tarde eu soube. Surgiu uma proposta e ele está elaborando. Para vir para o jogo é preciso estar com a cabeça 100% no jogo. Ele está interagindo com a direção e vamos esperar o desfecho da situação — também falou Fernando Seabra.

Foto de Maic Costa

Maic Costa

Maic Costa nasceu em Ipatinga, mas se radicou na Região dos Inconfidentes mineiros. Formado em Jornalismo na UFOP, em 2019, passou por Estado de Minas, Superesportes, Esporte News Mundo, Food Service News e Mais Minas. Atualmente, é setorista do Cruzeiro na Trivela.
Foto de Nícolas Wagner

Nícolas Wagner

Gaúcho e formado em Jornalismo pela PUC-RS, já passou pela Rádio Grenal e pela RDC TV. É, também, coordenador de conteúdo da Rádio Índio Capilé.
Foto de Eduardo Deconto

Eduardo Deconto

Eduardo Deconto nasceu em Porto Alegre (RS) e se formou em Jornalismo na PUCRS. Antes de escrever para a Trivela, passou por ge.globo e RBS TV.
Botão Voltar ao topo