Brasil

As pistas que Abel Ferreira deixou no jogo-treino entre o elenco do Palmeiras

Jogo-treino apenas entre jogadores do elenco foi importante para manter ritmo, mas também deu para entender alguns pontos

Não é a primeira vez que acontece, mas é sempre curioso quando o Palmeiras faz jogo-treino entre seus próprios jogadores nas épocas de Datas Fifa ou outras paralisações.

Não se trata de treino coletivo, quando os jogadores reservas enfrentam os titulares, que normalmente usam coletes. Tampouco dos famosos rachões, os disputados recreativos adorados pelos atletas.

O que aconteceu na Academia de Futebol, na manhã de sábado (8), foi um jogo-treino. De um lado, um Palmeiras vestindo verde limão, o uniforme 3 válido até agosto deste ano, quando o clube vai lançar sua nova peça. Do outro lado, um Palmeiras de branco.

O jogo é sério: 11 contra 11, número limitado de substituições, equipe profissional de arbitragem, súmula, cartões e, neste caso, até mesmo torcida. O Palmeiras convidou 800 sócios-torcedores Avanti para assistir ao jogo na arquibancada do campo 3.

A única diferença fica no tempo de jogo, que foi disputado em dois tempos de 30 minutos. O placar foi 2 a 1 de virada para o time verde, gols de Dudu, com assistência de Mayke. E de Mayke, em boa jogada de Caio Paulista. Lázaro abriu o placar para a equipe branca, após erro do zagueiro Michel.

Para tentar entender algo mais nos trabalhos do Palmeiras, a Trivela assistiu ao jogo-treino na TV Palmeiras e tirou algumas conclusões.

Time do Palmeiras: o que deu pra ver

Para começar, vale dizer que as escalações pouco falam no que diz respeito a quem deve encarar o Vasco no próximo dia 13, pelo Campeonato Brasileiro. Futuros titulares e reservas se mesclaram nas duas equipes:

Time verde: Marcelo Lomba; Garcia, Michel, Murilo e Caio Paulista; Aníbal Moreno, Fabinho e Jhon Jhon; Mayke, Rony e Dudu.

 

Time branco: Weverton; Marcos Rocha, Naves, Piquerez e Vanderlan; Gabriel Menino, Zé Rafael, Rômulo e Raphael Veiga; Flaco López e Lázaro

Defesa

Sem Gustavo Gómez, convocado pelo Paraguai, em tese, o Palmeiras estaria tranquilo: Luan assumiria a condição de titular durante a Copa América e o time ficaria quase na mesma em termos técnicos e de experiência.

Mas Luan está de saída. Na mira de América e Toluca do México, o camisa 13 nem participou da atividade. Naves, um dos substitutos naturais, fez dupla com Piquerez.

Fora da lista de Marcelo Bielsa para a Copa América, o uruguaio pode pintar como titular do Verdão, na ausência do capitão. Michel e Murilo fizeram a outra dupla. Vitor Reis, que vem sendo muito elogiado por Abel, não jogou, pois está em período de treinos com a seleção sub-20.

Laterais

Os três laterais direitos e os três esquerdos do elenco participaram do jogo-treino. Se por um lado, Piquerez jogou improvisado de zagueiro, Mayke, mais uma vez, jogou no ataque.

A improvisação preferida de Abel, que dá arrepios na torcida, foi mais uma vez usada. E com uma assistência e um gol, dá para dizer que Mayke aproveitou sua chance.

Caio Paulista apareceu muito bem no apoio, com jogadas de força e insistência.

Meio-campo

Na parte defensiva do meio, Aníbal, Menino, Fabinho e Zé Rafael disputam duas vagas, com a ausência de Ríos, que está com a seleção da Colômbia.

Na criação, Abel voltou a escalar Rômulo e Raphael Veiga juntos na armação, como já acontecera na vitória por 2 a 1 sobre o Criciúma, pelo Brasileirão, no domingo passado.

Pode não significar nada. Mas pode ser uma tendência se mostrando.

Ataque

Sem Estêvão, que também treina com a seleção sub-20, Abel colocou Mayke na ponta-direita do time verde. E o lateral, que dificilmente voltará à função, fez o papel do badalado cria com louvor.

A melhor notícia para o palmeirense, no entanto, foi mesmo o gol de Dudu. Depois da frustração com sua ausência em Palmeiras x San Lorenzo, que marcou a despedida de Endrick, o camisa 7 é nome quase certo para encarar o Vasco, na próxima quinta-feira, dia 13.

Foto de Diego Iwata Lima

Diego Iwata Lima

Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, Diego cursou também psicologia, além de extensões em cinema, economia e marketing. Iniciou sua carreira na Gazeta Mercantil, em 2000, depois passou a comandar parte do departamento de comunicação da Warner Bros, no Brasil, em 2003. Passou por Diário de S. Paulo, Folha de S. Paulo, ESPN, UOL e agências de comunicação. Cobriu as Copas de 2010, 2014 e 2018, além do Super Bowl 50. Está na Trivela desde 2023.
Botão Voltar ao topo