Brasil

O Internacional pode ter que esperar até o meio do ano por dois reforços — o quanto isso seria problemático?

Se não conseguir negociar as compras agora, Internacional terá que esperar por Iago e Rafael Borré até a metade do ano, quando seus vínculos encerram com clubes alemães

Bastante ativo no mercado na busca por reforçar seu elenco para 2024, o Internacional pode voltar a enfrentar empecilho de temporadas passadas: só conseguir trazer alguns jogadores para o segundo semestre. São situações que se vislumbram para o lateral-esquerdo Iago e para o atacante Rafael Borré.

Revelado pelo Inter, Iago tem contrato com o Augsburg até metade deste ano. Mas o clube alemão não irá se desfazer dele facilmente. Por mais que não seja titular absoluto, o lateral joga a maioria das partidas. Na atual temporada da Bundesliga, atuou 10 vezes, sendo cinco como titular, e contribuiu com um gol e uma assistência.

Já Borré tem uma situação complexa, porque pertence ao Eintracht Frankfurt, mas está emprestado ao Werder Bremen, que quer compensação financeira para liberar o atacante. Titular em 10 das 13 partidas que disputou até aqui na temporada, o colombiano marcou quatro gols.

Desta vez, Internacional tem um time titular consolidado e qualificado

Em comparação a temporadas anteriores, o atenuante, desta vez, é que o Inter já tem um time titular consolidado, e de muita qualidade. A única baixa no 11 ideal de Coudet da temporada passada é Johnny, vendido para o Real Betis. Mas ela deve ser reposta de imediato por Fernando, que está perto de rescindir com o Sevilla.

No ano passado, por exemplo, o Inter sofreu no primeiro semestre, quando ainda não contava com Rochet, Aránguiz e Enner Valencia. Os três deram salto de qualidade expressivo à equipe, especialmente na campanha que levou o clube de volta à semifinal da Libertadores depois de oito anos.

Renê pode sustentar a titularidade por mais um semestre, mas Thauan Lara terá que se provar

Por mais que tenha cometido falhas decisivas nos jogos contra o Fluminense, que custaram a eliminação na competição continental, Renê é um lateral habitualmente seguro, capaz de sustentar a titularidade ao menos no primeiro semestre de 2024.

O problema maior será quando não puder contar com o titular. No segundo semestre de 2023, uma lesão muscular de Renê tornou a lateral esquerda um drama para o Inter. Dalbert, de passagem curta e desastrosa, já deixou o clube, que ainda conta com o jovem Thauan Lara para a posição.

Com problemas físicos, o lateral oriundo das categorias de base perdeu espaço desde a chegada de Coudet, chegando até a ser preterido por De Pena, improvisado. Porém, a conquista dos Jogos Pan-Americanos com a Seleção Brasileira fizeram o garoto ganhar alguma moral. A tendência é que ele receba minutos para se provar no Campeonato Gaúcho.

Com Alario, Internacional não precisa ter tanta pressa por Borré

No ataque, se tiver que esperar por Borré, o Inter já estará bem servido com Enner Valencia e Alario, que está próximo de ser anunciado como primeiro reforço do Inter para 2024. Ainda que não atue desde abril, por conta de lesão no joelho, o atacante argentino do Eintracht Frankfurt sobe o sarrafo em relação a Luiz Adriano para ao menos ser uma alternativa ao equatoriano, podendo também atuar ao lado dele.

Com os três à disposição, Coudet terá uma boa dor de cabeça. Mesmo que jogue só com dois deles como titular, isso poderia implicar em reposicionamento de Alan Patrick, que teve grande desempenho jogando mais adiantado, ao lado de Valencia, em 2023. Ou então um dos atacantes teria que se sacrificar cumprindo a função de recompor pelo lado.

Foto de Nícolas Wagner

Nícolas Wagner

Gaúcho e formado em Jornalismo pela PUC-RS, já passou pela Rádio Grenal e pela RDC TV. É, também, coordenador de conteúdo da Rádio Índio Capilé.
Botão Voltar ao topo