Lado B de Brasil

Pior que um 7 a 1? Só dois, e foi isso o que aconteceu na quarta divisão paulista

É tradição do brasileiro lidar com tragédias brincando com elas logo após terem acontecido. É nossa maneira de atenuar a dor. Naturalmente, a surra levada para a Alemanha na última Copa do Mundo não foi exceção, e o 7 a 1 imediatamente entrou para o folclore de nosso futebol. De maneira tão enraizada que, diante de um placar de 14 a 2, não tem como pensar em outra coisa senão “dois 7 a 1”. E foi por essa humilhação dobrada que o Ecus, de Suzano, passou ao visitar o Mauaense, no jogo que encerrou a fase de pontos corridos da quarta divisão paulista.

VEJA TAMBÉM: Este fanático pelo Mauaense mostrou que torcedor de verdade vira até massagista se preciso

Na semana passada, o Mauaense já esteve em evidência aqui na Trivela pelo caso curioso do torcedor Luiz Gustavo Folego, que descobriu às vésperas do confronto com o Jabaquara que precisaria ser o massagista do time. A derrota por 2 a 1 para o time do litoral acabou com as chances de classificação do clube de Mauá à próxima fase, mas ainda assim a experiência foi bastante positiva para Folego. Desta vez, mais uma vez como massagista, Folego teve um motivo extra para sair feliz do estádio, vendo seu time encerrar a participação no torneio estadual com um massacre por 14 a 2.

O placar peculiar, é claro, não aconteceu aleatoriamente. Sem elenco suficiente, o Ecus entrou com apenas oito jogadores em campo, um deles o goleiro. Que nem goleiro era, para falar a verdade, mas, sim, um atleta de linha improvisado na posição e que sequer vestiu luvas para o jogo, segundo Luiz Gustavo, torcedor do Mauaense.

Colocar 11 atletas em campo foi um problema para o Ecus neste estadual. Contra a Portuguesa Santista, a equipe perdeu por W.O. Diante do Usac, levou atletas não inscritos para substituir alguns jogadores que estavam regularizados, foi descoberto e teve de retornar ao segundo tempo com apenas nove em campo. E ainda enfrentará um julgamento na próxima segunda-feira pela irregularidade.

Problemas do adversário à parte, o Mauaense aproveitou a situação para ir à forra. Abriu 6 a 0 ainda no primeiro tempo e ampliou para 11 a 0 nos primeiros minutos da segunda etapa. Sabe-se lá com qual motivação, o Ecus ainda conseguiu encontrar oportunidade para diminuir a humilhação. Primeiro para 11 a 1 e, depois, já no fim do duelo, fazendo o segundo quando o Mauaense vencia por 14 a 1.

Se o bom humor for um recurso válido para os torcedores do time de Suzano, dá para dar uma desengrossada na dureza do resultado puxando para a brincadeira do 7 a 1 duplo. Para quem torceu pela Seleção na Copa, funcionou.

Mostrar mais

Leo Escudeiro

Apaixonado pela estética em torno do futebol tanto quanto pelo esporte em si. Formado em jornalismo pela Cásper Líbero, com pós-graduação em futebol pela Universidade Trivela (alerta de piada, não temos curso). Respeita o passado do esporte, mas quer é saber do futuro (“interesse eterno pelo futebol moderno!”).
Botão Voltar ao topo