Lado B de Brasil

O Vila Nova coroou sua excelente campanha na Série C com um feito inédito no Brasil: tricampeão de uma mesma divisão de acesso

Um dos clubes mais tradicionais do país celebrou o tricampeonato nacional no último sábado. É uma pena que a CBF tenha prejudicado seu próprio campeonato, ao marcar a decisão da Série C para o mesmíssimo horário em que Palmeiras e Santos definiam o campeão da Libertadores. A situação na Terceirona, ao menos, estava bastante encaminhada. O Vila Nova havia derrotado o Remo por 5 a 1 na partida de ida, em Goiânia. E no reencontro dentro do Mangueirão, deu Tigre de novo. Os colorados evitaram qualquer reação e venceram, de virada, por 3 a 2. Voltam à Série B com mais autoridade ainda.

O Vila Nova é o primeiro clube do Brasil a vencer três vezes a mesma divisão de acesso. O Tigre havia chegado ao topo da Terceirona em outras duas oportunidades: em 1996, quando o time treinado por Roberval Davino derrotou o Botafogo de Ribeirão Preto na final; e em 2015, com goleada sobre o Londrina na decisão, em time estrelado por Frontini. América Mineiro, Bragantino, Atlético Goianiense e Sampaio Corrêa também possuem três títulos nacionais nas divisões de acesso, mas alternados em níveis diferentes – com os maranhenses sendo os únicos que já levaram B, C e D.

O Vila Nova, inclusive, possui um elo principal com o time campeão em 2015: o técnico Márcio Fernandes. Comandante do Tigre naquela campanha vitoriosa, além de responsável por tirar o clube de uma breve passagem pela segundona estadual, o treinador reassumiu os colorados durante a atual campanha na Série C. Fernandes havia dirigido o Treze de Campina Grande no meio da Terceirona, mas acabou perdendo o emprego por não evitar o rebaixamento. Apesar disso, seu histórico em Goiânia pesou e levou o Vila Nova a contratá-lo no início da segunda fase. Seria o responsável pela arrancada que valeu o acesso, mas teria mais.

A decisão contra o Remo foi um reencontro a Márcio Fernandes, que havia trabalhado no clube em 2019. O Vila Nova, porém, não deu chances ao Leão na decisão da Série C. A vitória por 5 a 1 na primeira partida em Goiânia encaminhava a conquista, ainda que as circunstâncias tenham favorecido os colorados. Os paraenses, afinal, não contaram com parte dos titulares por conta de um surto de COVID-19 no elenco. Os remistas recuperaram jogadores para o reencontro no Mangueirão, mas não conseguiram a inimaginável reviravolta.

Assim como na ida, o Remo abriu o placar na volta, com um lindo tento de Felipe Gedoz. O problema é que a resposta do Vila Nova foi imediata, com Alan Mineiro acertando um ótimo chute de fora da área. O Tigre mandou uma bola na trave, mas Lucas Siqueira voltou a recolocar o Leão à frente aos 35 do primeiro tempo. Porém, de novo com uma resposta rápida, Pablo empatou para o Vila antes do intervalo. E se o segundo jogo indicava uma disputa muito mais equilibrada, o Vila Nova administrava a vantagem, segurando qualquer tentativa de pressão remista. A pá de cal ao título aconteceu aos 42 do segundo tempo. Pedro Bambu cruzou prensado e Mimica anotou um gol contra, que confirmou a comemoração dos goianos.

Além de Márcio Fernandes, outros nomes merecem destaque na conquista do Vila Nova. Camisa 10 e capitão, Alan Mineiro foi o dono do time. Liderou a criação do Tigre, brilhando durante a reta final. Na frente, o atacante Henan anotou gols importantes durante toda a campanha e acabou como artilheiro da equipe, também ao demarcar a goleada por 5 a 1 contra o Remo em Goiânia. Neste sábado, foram duas bolas na trave, além da assistência para o segundo gol. Jovens como Pablo e Dudu deram consistência à faixa central. Já no sistema defensivo, o Vila se valeu da experiência de alguns veteranos, com menção especial ao grande campeonato feito por Rafael Donato. Nomes que entram para a galeria colorada de campeões.

O final de semana ainda teve o vice do Vila Nova no Campeonato Brasileiro de Aspirantes. A equipe foi derrotada pelo Ceará na decisão, mas realizou grande campanha, deixando pelo caminho adversários como o Fluminense e o Grêmio. Num momento em que o rival Goiás passa por apuros no Brasileirão, o Tigre espera o clássico na Série B de 2021. O Vila é um clube de massa, que merece mais do que a gangorra entre a segunda e a terceira divisão. O inédito tricampeonato ressalta certa força. A torcida colorada só não deseja o tetra tão cedo.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo