Lado B de Brasil

O São Bernardo montou uma defesa praticamente intransponível e confirmou o favoritismo ao subir na Série D

O Bernô fez uma campanha excelente na quarta divisão e sobrou nos duelos pelo acesso diante do Tocantinópolis

São Paulo é o estado com mais acessos desde a criação da Série D. Pela oitava vez, um clube paulista sobe rumo à terceirona. E a comemoração da vez foi do São Bernardo. O Bernô já tinha sua força reconhecida no cenário estadual, mas levou um tempo para fazer sua estreia nas divisões de acesso do Campeonato Brasileiro. A segunda participação, então, foi coroada com a promoção comemorada neste sábado. Os aurinegros não tiveram piedade do Tocantinópolis no confronto decisivo. Depois da vitória por 3 a 0 em Tocantins, a equipe complementou a classificação com os 2 a 0 no Estádio Primeiro de Maio. Qualidade expressa de uma campanha que rendeu recordes defensivos.

Fundado em 2004, o São Bernardo surgiu como um projeto político na cidade, mas com o apoio inclusive de rivais nos palanques. Com investimento, o Tigre ganhou mais visibilidade que os tradicionais Palestra e EC São Bernardo. Escalou divisões no Campeonato Paulista e faria sua estreia na A-1 em 2011, com seguidas aparições na elite ao longo da última década. O clube também faria duas campanhas na Copa do Brasil e faturou a Copa Paulista de 2013, título repetido mais recentemente em 2021.

A consolidação do São Bernardo ficou clara nos últimos meses, depois que o clube teve dificuldades na pandemia e acabou comprado pelo grupo Magnum – ligado historicamente ao Guarani. Além de faturar a Copa Paulista de 2021, o Bernô reconquistou a Série A-2 do Paulistão no mesmo ano. Pôde disputar novamente a primeira divisão em 2022, com uma campanha digna até as quartas de final. Era um dos mais fortes candidatos dentro da Série D, em seu retorno à competição cinco anos após a primeira participação, em 2017. Se naquela ocasião o Bernô parou nas oitavas, diante do São José de Porto Alegre, o caminho parecia aberto à nova tentativa.

O São Bernardo terminou a primeira fase na liderança de seu grupo e com apenas uma derrota sofrida. Mais impressionante foi o desempenho defensivo do time, com apenas três gols levados. O Tigre não soube o que era ser vazado durante as primeiras 12 rodadas da competição. O goleiro Alex Alves permaneceu 1195 minutos sem buscar a bola no fundo das redes, um recorde da divisão. Mesmo que a situação tenha desandado nas partidas finais, não era isso que diminuiria as credenciais da equipe dirigida por Márcio Zanardi.

O São Bernardo continuou bem nos mata-matas, agora correspondendo melhor no ataque. Começou os 16-avos de final superando um duelo delicado contra o Azuriz, outro oponente embalado pelos últimos meses. Já nas oitavas, a equipe venceu o Bahia de Feira fora e segurou o empate em casa para avançar. A campanha excelente dava ao Tigre condições de decidir o acesso em casa nas quartas de final. O Tocantinópolis, todavia, prometia cuidados por aprontar desde a Copa do Brasil.

No fim das contas, o São Bernardo conseguiu uma imposição inquestionável diante do Tocantinópolis. A vitória por 3 a 0 dentro do Tocantins praticamente encaminhava o acesso. A torcida se preparou para a festa no Estádio Primeiro de Maio neste sábado, então. Os visitantes tentavam diminuir o prejuízo, mas os aurinegros tinham mais qualidade. O primeiro gol, anotado por Vitinho num chute de longe, saiu logo aos 22 minutos. Já no segundo tempo, o goleiro Jefferson evitava o pior aos alviverdes, até que Felipe Diogo aproveitasse uma cobrança de escanteio para fechar a conta. Não seria desta vez que uma zaga vazada cinco vezes o campeonato inteiro tomaria cinco gols em meia hora de jogo.

A Série C pode ser apenas um degrau na escalada do São Bernardo. Pelo investimento recente, o clube pode tomar o rumo de outros clubes que vieram da quarta divisão e se deram bem na terceirona em pouco tempo. Ao longo de toda a temporada, o Tigre fez questão de reafirmar seu favoritismo dentro de campo. Parece ter condições de se pleitear com força também um nível acima no Brasileirão, se preservar a estabilidade e a segurança que marcaram tamanho sucesso.

https://www.youtube.com/watch?v=V1SryuQ2LEU

Foto de Leandro Stein

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreveu na Trivela de abril de 2010 a novembro de 2023.
Botão Voltar ao topo