Brasil

‘Eu jogo por ela’: ao despontar no profissional do Grêmio, Gustavo Nunes abre coração e fala sobre perda da mãe

Destaque em suas duas primeiras partidas pelo profissional do Grêmio, Gustavo Nunes admitiu, em entrevista exclusiva à Trivela, que pensou em desistir do futebol após a morte da mãe

Toda vez que entrar em campo, em trajetória que ainda é incipiente no profissional do Grêmio, mas já destacada, Gustavo Nunes carregará não só o seu sonho, mas também o de sua mãe. A decisão de mudar o nome de guerra, que até ano passado era ‘Gustavo Gomes', surgiu como homenagem para a mãe, Graziela, falecida em 2021.

Destaque em suas duas primeiras partidas pelo profissional do Grêmio, nos empates com São Luiz e Ypiranga, pelo Campeonato Gaúcho, Gustavo Nunes abriu o coração em entrevista exclusiva à Trivela. O atacante de 18 anos contou sobre como foi difícil lidar com a perda da mãe. Ele admitiu que cogitou desistir do futebol, mas transformou a dor em força e inspiração para seguir.

— Foi uma fase muito difícil para mim, é complicado falar até hoje. Pensei em desistir do futebol, em largar tudo, não via mais motivação. Mas, ao mesmo tempo, pensava que eu precisava continuar firme e forte para também levar o nome dela. Então, toda vez que entro em campo, eu jogo por ela. A dor não vai passar, nunca, mas toda vez que estou no campo é como se ela estivesse comigo de novo.

Gustavo chegou no Grêmio pouco depois de perder a mãe. E iniciou ali uma trajetória de destaque nas categorias de base do Tricolor Gaúcho. Em 2023, fardou pela primeira vez no profissional na partida contra o Atlético-MG, pelo primeiro turno do Campeonato Brasileiro, mas não entrou no jogo. O caminho se abriria de vez depois da Copa São Paulo de Futebol Jr., em janeiro deste ano, em que o atacante marcou três gols e deu duas assistências em seis jogos.

Após renovação de contrato conturbada, Gustavo Nunes recebe primeiras oportunidades no profissional

Mas ainda havia um empecilho para Renato Portaluppi começar a utilizar Gustavo no profissional: a renovação do contrato, que ia somente até 2025, e com multa rescisória baixa. Devido ao impasse inicial da direção com o empresário do atacante, o treinador não relacionou o jogador para a partida contra o Brasil, em Pelotas, e alfinetou o agente após o jogo. No final, as partes se acertaram, e o vínculo foi ampliado até 2028.

— Eu sempre quis permanecer no Grêmio, sempre foi meu objetivo. Estou muito feliz com a renovação, quero ajudar o Grêmio da melhor forma, seja no profissional ou na base. Venho trabalhando duro nos treinos para quando chegar a oportunidade, retribuir dentro do campo — frisou Gustavo.

A primeira oportunidade veio por conta de lesões de companheiros. No jogo contra o São Luiz, em que o Grêmio já não contava com Soteldo e Nathan Fernandes, Jhonata Robert sentiu novo problema no joelho e precisou ser substituído aos 40 minutos do primeiro tempo. Gustavo Nunes não sentiu o peso da estreia na Arena do Grêmio, e aos 42 minutos do segundo tempo foi responsável por dar a assistência para o gol de empate, em cruzamento para Galdino.

Gustavo Nunes estreou como profissional contra o São Luiz. Foto: Maxi Franzoi/IconSport

A primeira chance como titular apareceu com o time alternativo utilizado diante do Ypiranga, no Colosso da Lagoa, em Erechim. Em jogo pobre tecnicamente, Gustavo foi praticamente a única notícia boa do Grêmio no empate em 0 a 0. Com personalidade, partiu para cima sempre que possível e deu trabalho para o lado direito de defesa do Canarinho. Dos pés dele surgiu uma das poucas boas oportunidades do Tricolor. Aos 35 minutos do primeiro tempo, após lançamento longo de Caíque, com a mão, o atacante gremista passou com facilidade por Lucas Lopes, invadiu a área, mas bateu em cima de Alexander.

Novo Cebolinha?

Mesmo com poucos minutos, o estilo incisivo, de drible e velocidade, já faz muitos torcedores compararem Gustavo Nunes com Everton ‘Cebolinha'. O atual jogador do Flamengo foi o principal expoente técnico de uma linhagem de pontas esquerdas do Grêmio que também teve Pedro Rocha, Pepê e Ferreira. A nova joia gremista realmente enxerga semelhanças nas características, e se inspira na trajetória que o atacante rubro-negro construiu no Tricolor Gaúcho.

— Acredito que pelo drible e velocidade, sim, tenha essa lembrança. O ‘Cebolinha' é um jogador habilidoso, mas também muito inteligente. São fundamentos que trabalho bastante e, assim como ele, espero dar esse retorno para o Grêmio com títulos — projetou.

Assim como Everton teve, Gustavo tem Renato Portaluppi como mestre no Grêmio. Ponta agudo na época de jogador, o treinador e ídolo tricolor se caracteriza por trabalhar bastante a parte técnica dos atletas, especialmente os mais jovens, e dessa posição.

— Trabalhar com o professor Renato é uma honra. Não é todo mundo que tem a oportunidade de trabalhar com um ídolo e no clube que ama. Ele me dá dicas e conselhos de como aproveitar a minha característica da melhor forma. Tento aproveitar essa chance única da melhor forma — disse Gustavo.

Gustavo Nunes admite ansiedade com a possibilidade de jogar a Libertadores

Com o ídolo no comando, o Grêmio voltará a disputar a Libertadores em 2024. O jovem atacante reconhece que tem uma expectativa diferenciada para jogar a principal competição do continente já em seu primeiro ano como profissional. Mas sabe que é preciso dar um passo de cada vez.

— É impossível não pensar, mas tento manter os pés no chão. A Libertadores é uma competição difícil, cascuda, e o professor Renato vai fazer as melhores escolhas para o Grêmio ter a melhor performance possível. Então, apesar da ansiedade, mantenho minha cabeça no lugar para que tudo aconteça da forma mais natural possível — afirmou.

Gustavo sabe que a concorrência interna será pesada quando Soteldo e Nathan Fernandes voltarem do departamento médico. Pavón também veio do Atlético-MG para acirrar a disputa. Mas, para quem precisou superar a perda da mãe com apenas 16 anos de idade, nenhum outro obstáculo é grande demais.

Foto de Nícolas Wagner

Nícolas Wagner

Gaúcho e formado em Jornalismo pela PUC-RS, já passou pela Rádio Grenal e pela RDC TV. É, também, coordenador de conteúdo da Rádio Índio Capilé.
Botão Voltar ao topo