Brasil

Um goleiro em cada competição? O que dizem Renato e jogadores sobre rodízio no Grêmio

No intervalo de uma semana, Grêmio teve três goleiros diferentes em jogos por competições distintas

O mês de maio chegou, e o Grêmio ainda não tem seu goleiro titular definido. Mais do que isso, a recente troca com o Cruzeiro, de Gabriel Grando por Rafael Cabral, fez com que o rodízio, entre Marchesín e Caíque, ganhasse mais um integrante.

Rafael foi titular, e teve boa atuação, apesar da derrota por 1 a 0, em sua estreia contra o Bahia, pelo Campeonato Brasileiro. Entretanto, o ex-goleiro do Cruzeiro não pode atuar na Copa do Brasil, por já ter disputado a competição pela Raposa; e na fase de grupos da Libertadores, por ter sido contratado pelo Grêmio após o término do prazo de inscrições.

— Eu coloquei o Rafael, ele estreou contra o Bahia, porque no momento ele só pode jogar o Campeonato Brasileiro. Então preciso de um goleiro com ritmo de jogo, porque não sei o que pode acontecer com o Caíque e com o Marche. O Marche a princípio vinha jogando a Libertadores, e o Caíque jogando o Campeonato Brasileiro. Essa posição está aberta — explicou o técnico Renato Portaluppi.

‘Renato dá confiança para todo mundo’, afirma Caíque

A fala do treinador gremista aconteceu após a estreia na Copa do Brasil, com empate em 0 a 0 com o Operário, na última terça-feira (30), em Ponta Grossa/PR, em que Caíque foi o titular. O goleiro também comentou sobre a oportunidade recebida, e sobre o rodízio na posição.

— O professor Renato dá confiança para todo mundo. Quem está ali está representando bem a camisa. Todo mundo está preparado, está trabalhando. Ele está vendo isso. Como ele faz rodízio no grupo também, ele faz rodízio no gol. Dá oportunidade para todo mundo. Ele está vendo a dedicação de todo mundo no treinamento. Isso que importa. Quem estiver dentro de campo com a camisa do Grêmio tem que representar da melhor forma, como eu estou representando, Marche está representando, Rafa, que chegou agora, também. Isso é muito importante. Que vença o Grêmio sempre — afirmou Caíque.

‘Quando se tem sequência de jogo é mais fácil’, já disse Marchesín

Mesmo que todos do clube digam que se trata de uma briga sadia, e positiva, ela somente existe porque Marchesín e Caíque não conseguiram despertar total confiança da comissão técnica e da torcida quando atuaram nesses primeiros meses do ano. O argentino foi contratado no início desta temporada após se recuperar de lesão no tendão de aquiles, no Celta de Vigo, e sofreu lesão muscular no próprio Grêmio. Ele reconheceu que a falta de ritmo ainda o prejudica, e deu a entender que o rodízio de Renato tampouco colabora.

— Sem dúvida que quando se tem sequência de jogo é mais fácil. Entrei depois de um mês sem jogar. Mas são decisões do treinador que temos que respeitar. Estou aqui para trabalhar, dar o meu melhor. Estou aqui para apoiar a equipe. É um grupo de trabalho muito bom, e estamos juntos. Quando joga um, o outro tem que dar o melhor para seguir crescendo como goleiro — falou Marchesín após a derrota por 2 a 0 para o Huachipato, no dia 9 de abril, pela Libertadores.

Rafael defende mentalidade europeia

Por sua vez, Rafael, quando apresentado, na última quarta-feira (24), citou a mentalidade europeia, adquirida em quase uma década atuando no Velho Continente, para defender a ideia de que talvez não seja ruim revezar os goleiros. Tal qual em alguns clubes da Europa, é possível que cada arqueiro do Grêmio dispute uma competição.

— Quem decide é o treinador, quantos jogos cada um vai fazer e que campeonato vai jogar. Obviamente todos os atletas, em todas as posições, em todo mundo, querem jogar. Mas acho que tem que respeitar sempre a decisão do treinador e respeitar o companheiro. Porque todo mundo tem sua história, treina para caramba, batalha e merece. Eu mereço estar jogando, o Marchesín merece, o Caíque merece, porque são pessoas que se dedicam. Eu fiquei nove anos fora. Aqui no Brasil se diz muito de 11 titulares, e lá fora tem menos. Por exemplo, se o clube é campeão, todo mundo é campeão. Quem jogou mais, quem jogou menos. Todo elenco é importante, e o Renato sabe mostrar isso — comentou Rafael.

Foto de Nícolas Wagner

Nícolas Wagner

Gaúcho e formado em Jornalismo pela PUC-RS, já passou pela Rádio Grenal e pela RDC TV. É, também, coordenador de conteúdo da Rádio Índio Capilé.
Botão Voltar ao topo