Brasil

‘Não precisamos da paciência da torcida’: Grêmio apresenta Rafael Cabral e Edenílson

Edenílson falou sobre vinda para o Grêmio após jogar no Internacional, e Rafael Cabral discordou que passagem no Cruzeiro tenha sido ruim

Após retornar da Argentina, onde venceu o Estudiantes por 1 a 0, em La Plata, o Grêmio apresentou na tarde desta quarta-feira (24) seus dois reforços da janela de transferências de abril: Rafael Cabral e Edenílson. O goleiro e o meio-campista não podem atuar na fase de grupos da Libertadores, mas já ficam à disposição do técnico Renato Portaluppi para o jogo de sábado (27), contra o Bahia, pelo Campeonato Brasileiro.

História de Edenílson no Internacional foi a principal pauta

Naturalmente, a principal pauta da entrevista coletiva de apresentação dos jogadores envolveu a chegada de Edenílson ao Grêmio após defender o Internacional por seis temporadas, de 2017 a 2022. O meio-campista evitou entrar em polêmicas, e ressaltou que o seu profissionalismo é o que o permite vestir a camiseta do maior rival do Colorado. Quanto as especulações sobre o seu clube do coração, e o de sua família, o novo camisa 15 tricolor saiu pela tangente.

— Família grande, né? Uma parte para cada um [risos]. Mas realmente, minha família é bem dividida. Meu pai, desde que veio de São Paulo, escolheu o Grêmio. Fica difícil para um jogador atuando no rival falar isso. Falei dos meus tios, e na época que estava lá realmente tinha um carinho enorme pelo clube. Uma das coisas que me move é gratidão. Tenho gratidão pelo meu passado. Mas penso daqui para a frente. Meu presente é o Grêmio, e espero que meu futuro também — afirmou Edenilson, que fez questão de comprar camisetas do Grêmio para seus familiares e colocou seu filho na escolinha do clube, no CT do Cristal.

Versátil, Edenílson se coloca à disposição de Renato para atuar em qualquer função do lado direito

Edenilson já conversou com Renato sobre seu posicionamento dentro de campo, e, pela sua versatilidade, se colocou à disposição para executar mais de uma função. Segundo volante de origem, ao longo da carreira ele já atuou como lateral e meia pela direita. E revelou certa predileção por essa última posição, que no Grêmio foi consagrada por Ramiro.

— Por incrível que pareça, o ano que eu mais tive participações em gols foi jogando nessa função, no Brasileiro de 2021. Joguei muitos jogos aberto pela direita ali, vinha fazer o meio. É questão do treinador. Ele [Renato] me parece um cara que pensa muito jogo a jogo. Não é que ele vai me usar sempre no meu lugar. O mais importante é eu treinar, me dedicar no dia a dia para estar preparado para corresponder quando precisar — projetou.

Rafael Cabral avalia passagem no Cruzeiro como ‘excelente’

No Atlético-MG, Edenílson vinha em baixa. Assim como Rafael Cabral no Cruzeiro. Entretanto, o goleiro discorda que sua passagem de pouco mais de duas temporadas pela Raposa tenha sido ruim.

— Acho que minha passagem no Cruzeiro foi excelente. Bati todas metas que tinham. Dois anos seguidos com melhor defesa, campeão da Série B. Ano passado a gente brigou para não cair e fomos a melhor defesa do campeonato. Isso não é normal de se ver. Acho que fiz um grande trabalho lá — opinou.

Novo goleiro do Grêmio está ciente da pressão que enfrentará da própria torcida

O novo goleiro gremista sabe que chega em um clube onde sua posição tem sido um problema nos últimos anos, desde a saída de Marcelo Grohe, ao final da temporada 2018. Mas Rafael não se preocupa com a pressão e a falta paciência da torcida com os arqueiros do elenco gremista.

— A gente não precisa da paciência da torcida. A gente tem que entrar no campo, fechar o gol e ajudar a equipe a vencer. Acho que são vitórias e títulos que passam essa segurança para o torcedor. Tenho que trabalhar, não tenho que dar recado nenhum. Trabalhar, estar pronto para quando a oportunidade chegar, corresponder. E mostrar o porquê chegamos aqui. Para chegar ao Grêmio, as pessoas acham que é fácil, mas ainda mais hoje, com análise de desempenho, de mercado, seus números, sua trajetória, sua história têm que ser boas — comentou.

Foto de Nícolas Wagner

Nícolas Wagner

Gaúcho e formado em Jornalismo pela PUC-RS, já passou pela Rádio Grenal e pela RDC TV. É, também, coordenador de conteúdo da Rádio Índio Capilé.
Botão Voltar ao topo