Libertadores

Grêmio prova que é Imortal, vence o Estudiantes com dez e renasce na Libertadores

Grêmio teve a solução vindo da base, e do banco, para conquistar os primeiros três pontos na Libertadores

O Grêmio não é conhecido como Imortal à toa. Mesmo com um a menos, após expulsão de Villasanti, o Tricolor Gaúcho contou com Gustavo Nunes e Nathan Fernandes, que saíram do banco de reservas para garantir a vitória por 1 a 0 sobre o Estudiantes. A partida deste terça-feira (23), aconteceu no Estádio Jorge Luis Hirschi, em La Plata, na Argentina, pela terceira rodada da fase de grupos da Libertadores.

Mais de 40 anos depois, a nova Batalha de La Plata faz o Grêmio renascer na competição continental, após derrotas para The Strongest e Huachipato. Com os primeiros três pontos no torneio, o Tricolor Gaúcho segue na lanterna do Grupo C, mas deixa tudo embolado para o returno.

Renato surpreende com Pepê e Galdino entre os titulares do Grêmio, e Estudiantes começa sem seu artilheiro

Renato surpreendeu na escalação do Grêmio. No meio de campo, promoveu o retorno de Pepê, recuperado de desconforto muscular, mesmo que Dodi tenha ido muito bem, e oferecido maior poder de marcação, na vitória sobre o Athletico-PR. Na ponta direita, Galdino ganhou a vaga de Gustavo Nunes. No 4-2-3-1, o Tricolor Gaúcho iniciou com Marchesín; João Pedro, Geromel, Kannemann e Fábio; Villasanti e Pepê; Galdino, Cristaldo e Soteldo; João Pedro Galvão.

Já o Estudiantes começou a partida com seu artilheiro no banco de reservas. Devido ao desgaste físico, Guido Carillo, autor de seis gols nos cinco jogos anteriores, em que os Pincharratas venceram, foi preservado pelo técnico Eduardo Domínguez. No 4-3-3, os donos da casa iniciaram com Mansilla; Mancuso, Lollo, Romero e Benedetti; Enzo Pérez, Ascacibar e Sosa; Cetré, Tiago Palacios e Javier Correa.

Em primeiro tempo truncado e brigado, Grêmio perde Geromel

Estudiantes e Grêmio fizeram um primeiro tempo típico de Libertadores: brigado e truncado. Foram 19 faltas, com quatro cartões amarelos. Algumas entradas mais fortes geraram desentendimentos, bate-boca e aumentaram a temperatura na fria La Plata.

A primeira confusão foi entre João Pedro Galvão e Romero, aos 15 minutos. O zagueiro do Estudiantes não gostou de falta cometida pelo atacante do Grêmio, e o peitou. O ábitro uruguaio Gustavo Tejera ficou apenas na conversa. Dois minutos depois, Javier Correa chegou forte em Pepê, e atingiu a nuca do volante gremista. Aos 35, Galdino atingiu Benedetti sem bola, próximo à linha lateral, recebeu cartão amarelo e deixou os ânimos acirrados.

Uma pancada sofrida por Geromel, em trombada com Javier Correa, ainda no início do jogo, tirou o capitão gremista de campo aos 33 minutos. Com muita dor na mão esquerda, o zagueiro foi substituído por Rodrigo Ely.

Soteldo teve melhor chance da primeira etapa, mas foi travado

No tempo em que a bola rolou, o equilíbrio marcou a primeira parte do duelo. O Grêmio apostava muito nas jogadas individuais de Soteldo, pelo lado esquerdo. E foi justamente o venezuelano quem teve a grande chance do primeiro tempo, aos 28 minutos. Em contra-ataque após erro de passe de Sosa, o camisa 7 recebeu passe de João Pedro Galvão, invadiu a grande área, mas teve o chutado travado providencialmente por Romero.

No mais, as conclusões de ambas equipes foram de fora da área. Cristaldo finalizou fraco após passe de Galdino, o que facilitou a defesa de Mansilla. Fábio tentou colocado após passe de calcanhar de Soteldo, mas mandou por cima. Mesmo destino que tiveram as tentativas de Correa e Cetré, para o Estudiantes. Romero também arriscou ao avançar com liberdade no campo de ataque, mas o chute foi à esquerda da meta de Marchesín.

Segundo tempo é mais aberto, e Grêmio perde Villasanti, expulso

As duas equipes voltaram sem trocas para o segundo tempo, mas o jogo ficou mais aberto. Em contra-ataque, aos seis minutos, Correa passou por muita facilidade por Rodrigo Ely e concluiu de canhota. Com o braço esquerdo, Marchesín fez a defesa. A resposta do Grêmio veio um minuto depois. Cristaldo chutou de fora da área, e Mansilla espalmou. O camisa 10 gremista estava disposto a chamar a responsabilidade, e quase marcou um golaço aos 12. Após sobra de escanteio, seu voleio explodiu no travessão.

Sentindo que o momento era desfavorável para o Estudiantes, a apaixonada torcida pincharrata aumentou o volume dos imparáveis cantos. Na esteira disso, o técnico Eduardo Domínguez colocou em campo dois atacantes: o experiente Pablo Piatti e o artilheiro Guido Carrillo. A explosão das arquibancadas só não foi maior do que quando Villasanti deu pisão ao dividir bola com o adversário, recebeu o segundo cartão amarelo e foi expulso, aos 22.

Estratégia de Renato funciona, e garotos constroem gol da vitória do Grêmio

Com a vantagem numérica, Domínguez foi para o tudo ou nada. Colocou mais um atacante, Mauro Méndez, no lugar do zagueiro Lollo. Por sua vez, Renato recompôs o meio de campo com Dodi, e apostou na juventude e na velocidade de Gustavo Nunes e Nathan pelas pontas para os contra-ataques.

A estratégia do técnico gremista foi mais bem sucedida. O Grêmio chegou ao gol da vitória, aos 30, justamente em contra-ataque, e com os dois garotos, oriundos das categorias de base, que recém haviam ingressado em campo. Nathan Fernandes acionou Gustavo Nunes pelo lado esquerdo. O camisa 39 invadiu a área, passou por Romero e bateu cruzado para a pequena área, onde o companheiro conferiu para o gol vazio.

Mesmo com o imparável apoio das arquibancadas, o Estudiantes não demonstrou muita força para reagir. Até balançou as redes, em desvio de Guido Carrillo após chute de fora da área, no qual Marchesín falhou. Mas o centroavante estava impedido. Após o lance, Renato reforçou ainda mais a marcação com a entrada do zagueiro Gustavo Martins. Foi o suficiente para sustentar o resultado e garantir a épica vitória em La Plata.

Foto de Nícolas Wagner

Nícolas Wagner

Gaúcho e formado em Jornalismo pela PUC-RS, já passou pela Rádio Grenal e pela RDC TV. É, também, coordenador de conteúdo da Rádio Índio Capilé.
Botão Voltar ao topo