Copa do Brasil

Como o Vasco precisou de três esquemas táticos diferentes durante vitória sobe o Marcílio Dias

Depois de primeiro tempo ruim em Itajaí, o técnico Ramón Diaz ajustou o time do Vasco durante a etapa final para garantir a vitória sobre o Marcílio Dias, pela Copa do Brasil

O Vasco passou longe de fazer um bom jogo contra o modesto Marcílio Dias, nesta terça-feira (27), pelo primeira fase da Copa do Brasil. Mas, além de conseguir avançar para a segunda fase, o time de Ramón Diaz acabou apresentando variações táticas que podem ser úteis para o clube ao longo da temporada. Com os ajustes feitos durante a partida, que acabaram tranquilizando o jogo depois de um primeiro tempo ruim, o Vasco usou nada menos do que três formações diferentes durante os 90 minutos em Itajaí.

Como de praxe nesta temporada, o Vasco iniciou o jogo no já tradicional 5-3-2, que, por vezes, vira um 3-5-2, dependendo da “fase” da partida. Na volta do intervalo, depois de um primeiro tempo abaixo do esperado, o time atuou no 4-3-3. E, depois, a equipe ainda terminou o jogo com o tradicional 4-4-2, que também deu resultado. Foi neste momento em que o Cruz-Matino conseguiu fazer o 3 a 1, com David, que deu tranquilidade no fim de partida e fez o time praticamente não sofrer mais.

As mudanças – e as razões delas – ficaram claras durante todo o jogo. Sem Payet, ausente por um quadro gripal, o técnico Ramón Diaz optou por começar a partida com Adson improvisado como meia-esquerdo. Mas o atacante ainda tinha liberdade para flutuar em campo e, inclusive, apareceu nas duas pontas. Foi assim que ele quase marcou um gol em jogada individual pela direita.

No entanto, com a forte marcação do Marcílio Dias, que pressionava a saída de bola vascaína, o time carioca “perdeu” o meio. Galdames e Zé Gabriel tiveram problemas na marcação e também não conseguiram contar os avanços do experiente Juninho Tardelli. Ainda antes do intervalo, Medel já passou a atuar um pouco mais avançado, para tentar povoar o meio de campo.

Mas foi na volta do intervalo que Vasco, de fato, mudou o esquema tático. Depois de terminar o primeiro tempo pressionado pelo Marcílio Dias, Ramón Diaz voltou com Matheus Carvalho e Sforza no time, nos lugares de Zé Gabriel e Paulo Henrique. Assim, Rojas passou para a lateral-direita e o Vasco passou a ter três jogadores no meio, em um 4-3-3. O próprio auxiliar técnico Emiliano Diaz reconheceu que o time precisar parar de sofrer no meio.

— Acho que falamos mais no tático, era o que tinha que melhorar. Vimos que estávamos sofrendo muito no meio. Viemos no esquema 4-3-3. Foi mais tático do que outra coisa — afirmou Emiliano Diaz em coletiva.

Matheus Carvalho entrou bem e, além de melhorar a marcação, também foi importante na saída de bola pelo lado esquerdo. Sforza ainda parecia afobado, mas os dois jogadores ajudaram, de fato, a “povoar” o meio de campo da partida e melhoraram o time do Vasco.

Entrada de Matheus Carvalho foi essencial para melhora do meio de campo do Vasco (Foto: Leandro Amorim/Vasco)

Última mudança no Vasco deu tranquilidade no fim

Mas, depois, as últimas mudanças de Ramón Diaz ainda fizeram o Vasco trocar mais uma vez a formação do time. Com as entradas de David e Praxedes, nos lugares de Rossi e Adson, o Vasco passou a atuar no 4-4-2, com David e Vegetti no ataque e um meio ainda mais reforçado. Foi assim que o time conseguiu buscar o terceiro gol, que acabou dando tranquilidade para a equipe nos minutos finais de jogo.

Depois da partida, o auxiliar técnico Emiliano Diaz reforçou que os sistemas de jogo podem variar e que ele e seu pai, o técnico Ramón Diaz, ainda tem apenas sete meses de trabalho no clube, mas isso não os impedem de “buscar a perfeição”.

— O que acontece com o sistema que usamos há 7 meses. Tem 3 sistemas trabalhados. O grupo sabe. Temos elenco para jogar com 3 sistemas. Depende do jogo, do momento do time e das peças. Sabemos que temos 7 meses de trabalho com esses sistemas e fica muito mais fácil de buscar a perfeição — disse Emiliano.

Como foram as mudanças no Vasco contra o Marcílio Dias

1º Tempo (5-3-2): Léo Jardim, Paulo Henrique, Rojas, Medel, Léo e Lucas Piton; Zé Gabriel, Galdames e Adson, Vegetti e Rossi.

Volta do intervalo (4-3-3): Léo Jardim, Rojas, Medel, Léo e Lucas Piton; Sforza, Matheus Carvalho e Galdames; Adson, Vegetti e Rossi.

Como terminou (4-4-2): Léo Jardim, João Victor, Medel, Léo e Lucas Piton; Sforza, Matheus Carvalho, Galdames e Praxedes; David, Vegetti.

Foto de Gabriel Rodrigues

Gabriel Rodrigues

Gabriel Rodrigues é jornalista formado pela UFF e soma passagens como repórter e editor de Lance!, Esporte News Mundo e Jogada10.
Botão Voltar ao topo