Brasileirão Série A

James e Lucas Moura vestem camisa que só Rogério Ceni usou no São Paulo

Terceiro uniforme do São Paulo para 2023 faz homenagem a camisa que só foi usada por Rogério Ceni no título brasileiro em 2008

James Rodríguez sequer estreou pelo São Paulo, mas ele levou ao Morumbi uma parte da história recente do clube. Ao lado do reforço Lucas Moura e diante de mais 53 mil são-paulinos, o colombiano foi apresentado à torcida no último domingo (6), antes da derrota por 2 a 0 para o Atlético-MG pelo Brasileirão. Além da festa frustrada pelos 90 minutos de futebol que vieram depois, a dupla de reforços vestia uma camisa já foi “proibida” no Tricolor e que enfim será vestida (por jogadores de linha) dentro de campo.

Lucas e James deixaram o vestiário dos mandantes com o agasalho do clube, mesmo em um domingo de sol e calor na capital paulista. Um elemento de suspense para o que viria a seguir. Sob uma chuva de serpentinas nas cores vermelho, branco e preto, Lucas e James tiraram o casaco e foram os modelos para o lançamento da camisa 3 do São Paulo para 2023, até então mantida a sete chaves.

Homenagem pelos 15 anos do Tri do Brasileirão

O uniforme é predominantemente preto, com duas listras verticais em vermelho e branco do lado esquerdo, passando por trás do escudo do clube. Uma réplica daquele que seria a terceira camisa do clube em 2008, ano do tricampeonato seguido no Brasileirão.

A homenagem marca os 15 anos dos três títulos consecutivos conquistados pelo São Paulo no Campeonato Brasileiro de 2006 a 2008. Naquela campanha, o Tricolor encerrou o primeiro turno a 11 pontos do então líder Grêmio e fez uma segundo turno histórico para ser campeão na última rodada.

+LEIA MAIS: Dorival admite preocupação e já age para que crise não vire “obsessão” no São Paulo

O uniforme apresentado por James Rodríguez e Lucas Moura ainda não tem data de lançamento oficial para a torcida. Mas ele enfim será usado dentro de campo 15 anos após ser “vetado” – apenas para jogadores de linha.

Por que a camisa foi “proibida”?

Nos idos de 2008, a camisa foi “proibida” para a equipe principal porque o estatuto do clube não fazia menção a um possível terceiro uniforme para ser usado nas partidas oficiais. Os regimentos tratavam apenas da camisa número 1, branca com as três listras horizontais cruzando o peito, e a número 2, tricolor. Claro, sempre nas cores do estado de São Paulo.

 

“Proibida”, mas não para Rogério Ceni

Mesmo sem previsão no estatuto, a Reebok, fornecedora de material esportivo do clube à época, lançou o terceiro uniforme. E o clube encontrou um jeito de vesti-lo dentro de campo: usar o seu maior ídolo.

Como não havia uma regra específica para a vestimenta dos goleiros, Rogério Ceni vestia a camisa número 3 como se fosse o uniforme da posição. E ela ficou eternizada na conquista, com o tradicional 01 – ou 10 invertido – às costas do maior goleiro artilheiro do mundo.

Quando mudou o estatuto?

As normativas do clube passaram a permitir o uso de um terceiro uniforme a partir de uma mudança no estatuto, aprovada pelos conselheiros no final de 2016. O Conselho Deliberativo aprovou a alteração, mas com algumas condições:

Condições para o terceiro uniforme:

  • Uniforme deve conter obrigatoriamente o emblema do clube;
  • deve ser uma homenagem a algum fato da história do clube;
  • utilização limitada a no máximo 10 jogos no período de um ano
  • design deve ser aprovado por maioria simples no Conselho.

Desde então, o clube já homenageou outros momentos emblemáticos de sua história. A camisa do ano passado, por exemplo, tinha inspiração no agasalho da equipe campeã mundial e da Libertadores em 1992. O casaco ficou eternizado na memória dos torcedores por ter sido vestido por Telê Santana. O uniforme era predominantemente preto até a altura do peito e branco a partir daí. A gola também é preta, com detalhes em vermelho nas mangas.

+ LEIA MAIS: Lucas Moura veste a 7 e dá ‘abraço’ em torcida que o trouxe de volta ao São Paulo

Vale lembrar que o São Paulo já atuou com uniformes em cores diferentes antes da alteração no estatuto. A roupa de jogo já foi toda amarela, como em 2016, em tons de vinho em 2015 e toda vermelha em 2013. Mas todas estas vestimentas eram consideradas comemorativas, e não um uniforme de jogo, de fato.

Lucas já estreou… E James?

Lucas Moura reestreou pelo São Paulo no último domingo, ao entrar em campo após o intervalo na derrota para o Atlético-MG. James Rodríguez, por sua vez, segue sem previsão para fazer sua primeira partida pelo clube. Mas a boa notícia é que ele já está liberado para atuar pelo Tricolor.

James teve seu nome publicado no Boletim Informativo Diário (BID) da CBF na última segunda-feira (7), Ele tem sua situação regularizada e agora depende apenas da parte física para poder estar em campo. Há expectativa até de que ele esteja à disposição para enfrentar o Flamengo no próximo domingo (13), no Maracanã, às 18h30 (horário de Brasília), pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Foto de Eduardo Deconto

Eduardo Deconto

Eduardo Deconto nasceu em Porto Alegre (RS) e se formou em Jornalismo na PUCRS. Antes de escrever para a Trivela, passou por ge.globo e RBS TV.
Botão Voltar ao topo