Brasileirão Série A

Como James Rodríguez pode se encaixar para mudar patamar do São Paulo

A Trivela tenta explicar como o colombiano se encaixa no atual sistema de jogo de Dorival Júnior

O São Paulo está prestes a anunciar James Rodríguez como reforço capaz de “mudar o patamar” da equipe de Dorival Júnior. Mas afinal, como o meia de 32 anos pode, de fato, elevar o nível de atuação do Tricolor?

A Trivela tenta explicar nas linhas abaixo como o colombiano se encaixa na atual formação são-paulina. Vale dizer de início que a busca por um meia armador era uma das prioridades de Dorival para a janela de transferências.

O departamento de análise do clube fez uma avaliação criteriosa de dezenas e dezenas de atletas da posição antes de dar o sinal positivo para James. No clube, entende-se que, de fato, James chega para ser o diferencial da equipe no segundo semestre, tanto pelo nível de atuação que o transformou em estrela de Real Madrid e Bayern de Munique em outros tempos, quanto pela última temporada no futebol grego.

Os últimos anos de James

James vem de três temporadas por ligas periféricas, após conviver com algumas lesões em seus últimos anos de Europa. Foram justamente os problemas físicos que abreviaram sua passagem pelo Everton após apenas 26 partidas e seis gols.

O colombiano defendeu o Al Rayyan, do Catar, por duas temporadas – 2021 e 2022. Ele atuou apenas 16 vezes por lá. Depois disso, veio a transferência para o Olympiacos, da Grécia, seu último clube antes do São Paulo.

LEIA MAIS: São Paulo prepara anúncio de James
LEIA MAIS: Clube irá pagar James com recursos próprios

A plataforma Sofascore fez uma análise de como foi a participação do meia na temporada 2022/23 do Campeonato Grego. James não correspondeu à altura da expectativa de seu time, que pretendia ser campeão nacional. Alguns problemas físicos o tiraram de jogos pelo campeonato local, já que ele não foi inscrito nas competições europeias. Mas, em suma, os números são positivos.

Foram cinco gols e seis assistências em um total de 20 jogos, com média de uma participação em gol a cada 132 minutos. O meia deu 35 chutes, dos quais 22 na direção do gol e teve 41 passes decisivos – mais do que dois por partida. Além disso, ele encerrou sua passagem com 70% de acerto nos passes longos e 35% em cruzamentos.

Como James pode encaixar no São Paulo

As estatísticas dão as pistas de como James pode corresponder à expectativa de alguém que chega para mudar o patamar do São Paulo. A principal contribuição do meia será com a criação de jogadas. Um jogador da posição que contribuiu com dois passes decisivos por jogo, em média, é exatamente o que Dorival Júnior procura para municiar a dupla Luciano e Carelli.

O técnico, inclusive, lamentou a falta de efetividade do ataque após a derrota para o Corinthians, na última terça-feira, em Itaquera, pelo duelo de ida da semifinal da Copa do Brasil.

– Tivemos a posse, o equilíbrio, a organização. Uma equipe que sabia o que queria em campo. Infelizmente faltou a última decisão, último passe. Momento que fazia a diferença – disse Dorival.

O meia será uma arma também para as finalizações de média distância e da entrada da área, com boa taxa de efetividade. Além disso, a precisão nos cruzamentos vem a calhar para uma equipe que tem Calleri no ataque.

James será o meia armador da equipe, claro. E são duas as possibilidades para seu encaixe no atual esquema são-paulino. Dorival costuma armar o São Paulo no 4-2-3-1. Luciano atua centralizado como um segundo atacante/armador.

O extrema pela esquerda costuma ser um meia (Rodrigo Nestor ou Michel Araújo) que deixa espaço para Caio Paulista avançar pela lateral. Na direita, a posição tem sido de Wellington Rato, um “ponta”, porque Rafinha costuma construir o jogo por dentro.

Com tudo isso, James pode atuar ou pela esquerda, mais próximo à zona central do campo. Ou centralizado, com Luciano em uma posição mais aberta. O mapa de calor dele na última temporada na Grécia mostra que ele atua com liberdade de movimentação na intermediária ofensiva.

O que falta para o São Paulo anunciar James?

A negociação está no famoso “só falta assinar”. São Paulo e James têm um acordo de contrato por duas temporadas. As cifras de salário estão dentro do teto do clube, mas com valores de luvas também a pagar que aumentam os ganhos mensais do meia.

O clube, porém, evita dar uma previsão de anúncio e apresentação do meia. Apesar do otimismo e do acerto alinhado, a diretoria adota cautela até que o meia assine o contrato.

O São Paulo pretende pagar a contratação do meia com recursos próprios. O clube inclusive pediu um novo empréstimo recente a um banco para colocar em dia os valores de direitos de imagem atrasados com o elenco e ter fôlego financeiro.

James ganhou status de estrela após se destacar na Copa de 2014 (Foto: Iconsport)

A carreira de James Rodríguez

James deu os primeiros passos na carreira pelo Envigado, da Colômbia, e deixou o país natal para defender o Banfield, da Argentina, ainda antes de fazer 18 anos. Em 2010, o Porto o pinçou do futebol sul-americano.

Em Portugal, James se somou a Hulk e ao conterrâneo Falcao García para fazer parte da melhor geração do clube português desde o título da Champions League da temporada 2003/04, com José Mourinho. A equipe foi tricampeã portuguesa e também conquistou a Liga Europa de 2010/11. Foram 32 gols e 36 assistências em 108 jogos no Porto.

James teve uma curta passagem pelo Monaco na temporada 2013/14, com bons números: 10 gols e 13 assistências em 38 jogos. Mas foi graças ao destaque pela Colômbia na Copa do Mundo de 2014 que o fez chegar ao Real Madrid.

James após Copa de 2014

  • 2014/15 – Real Madrid: 17 gols e 17 assistências em 46 jogos
  • 2015/16 – Real Madrid: 8 gols e 9 assistências em 32 jogos
  • 2016/17 – Real Madrid: 11 gols e 11 assistências em 33 jogos
  • 2017/18 – Bayern de Munique: 8 gols e 14 assistências em 39 jogos
  • 2018/19 – Bayern de Munique: 7 gols e 5 assistências em 28 jogos
  • 2019/20 – Real Madrid: 1 gol e 2 assistências em 14 jogos
  • 2020/21 – Everton: 6 gols e 8 assistências em 26 hogos
  • 2020/21 – Al-Rayyan: 1 jogo
  • 2021/22 – Al-Rayyan: 5 gols e 8 assistências em 14 jogos
  • 2022/23 – Al-Rayyan: 1 jogo
  • 2022/23 – Olympiacos: 5 gols e 6 assistências em 23 jogos

Pelos merengues, James teve uma primeira temporada excelente em termos individuais para uma equipe que ficou à sombra do Barcelona do trio MSN. Foram 17 gols e 17 assistências em 46 jogos.

Os números nas duas temporadas seguintes ficaram, digamos, na média. Mas uma série de desavenças com o técnico Zinédine Zidane minou, aos poucos, seu ambiente no clube. O meia defendeu o Real Madrid entre 2014 e 2020 e fez um total de 125 jogos, com 37 gols e 39 assistências – uma média de 0,6 participação em gol por jogo.

Neste período, ele defendeu o Bayern de Munique, da Alemanha, por duas temporadas. Na primeira, participou de 14 assistências e fez oito gols, sob a regência de Lewandowski, Robben e Ribéry. Por lá, ele virou amigo de Rafinha, hoje no São Paulo, e permaneceu por mais um ano. Mas já sem o mesmo brilho.

Depois, James teve um último suspiro de protagonismo na Premier League pelo Everton, onde reencontrou Carlo Ancelotti. A partir daí, ele atuou dois anos no futebol do Catar e fez a última temporada pelo Olympiacos, da Grécia. Escolhas que indicaram um declínio de carreira que ele quer retomar, agora pelo São Paulo.

Foto de Eduardo Deconto

Eduardo Deconto

Eduardo Deconto nasceu em Porto Alegre (RS) e se formou em Jornalismo na PUCRS. Antes de escrever para a Trivela, passou por ge.globo e RBS TV.
Botão Voltar ao topo