Brasileirão Série A

Flamengo traça planejamento para ter Arrascaeta e Luiz Araújo no Morumbi

Departamento médico do Flamengo preparou tratamento em três períodos para ter dupla na volta da final da Copa do Brasil

O saldo do empate diante do Internacional, no fim de semana, não foi negativo apenas para o Campeonato Brasileiro. Já na segunda-feira (28), o Flamengo anunciou que Arrascaeta e Luiz Araújo sofreram lesões no bíceps femoral da coxa e devem desfalcar o Rubro-Negro até a decisão da Copa do Brasil. A chance deles entrarem em campo na final é baixa, mas o departamento médico preparou um planejamento específico para tentar.

A Trivela apurou detalhes do intensivão que os jogadores vão realizar, para buscar uma forma física aceitável na decisão da Copa do Brasil. A entrada no primeiro jogo está praticamente descartada, já que não teriam tempo hábil para fechar a ruptura parcial no músculo da coxa, mas, com um mês de tratamento, existe a possibilidade na volta, no Morumbi. Os minutos, claro, seriam no sacrifício.

Os três atos diários de Arrascaeta e Luiz Araújo

Para conseguir se recuperar a tempo de disputar a final da Copa do Brasil, Arrascaeta e Luiz Araújo passarão por tratamento em três períodos, ou seja, manhã, tarde e noite. Os dois iniciais serão realizados no Ninho do Urubu, para que atletas e departamento médico tenham os melhores equipamentos e, como consequência, os melhores resultados. As refeições também acontecerão no Centro de Treinamento do clube.

O Flamengo seguirá com o apoio na noite, único momento em que os dois estarão em casa. O tratamento também exigirá muito do mental de Arrascaeta e Luiz Araújo, pela intensidade e trabalho sem a certeza de que poderão estar em campo. Nesse último período, a dupla terá a atenção do time de cinco fisioterapeutas do Rubro-Negro.

Arrascaeta durante treino na academia do Ninho do Urubu (Foto: Marcelo Cortes/Flamengo)

Lesão é semelhante a de outro titular do Flamengo

A ruptura parcial do bíceps femoral da coxa não é uma novidade para o departamento médico nesta temporada. Recentemente, Erick Pulgar, outro titular do Flamengo, sofreu com o mesmo problema e ficou mais de um mês afastado dos gramados. Ao todo, foram 34 dias de recuperação e, para alguns, ele retornou antes do esperado, já que esteve na escalação do jogo contra o Grêmio com apenas dois dias de transição nos gramados do Ninho.

A Trivela, inclusive, conversou com especialistas em fisioterapia e lesões musculares, para entender melhor o que se passa no tratamento. Segundo Matthews Taveira, que já trabalhou com atletas de Vasco, Botafogo e Bahia, o problema demanda uma atenção grande do departamento médico do Flamengo, já que está entre os mais graves. Só o Grau 4, que caracteriza a ruptura total das fibras, seria pior.

O caso de Pulgar ainda foi pior, já que a lesão foi considerada de Grau 3, enquanto Arrascaeta e Luiz Araújo ficaram mais próximos do Grau 2. Mesmo assim, a ruptura, nessas situações, vai de 10% a 50% das fibras, e o tempo de recuperação estimado é superior a um mês.

Relembre a classificação* das lesões musculares

  • Grau 0 – Lesão muscular Focal sem achados na Ressonância magnética
  • Grau 1 – Lesão muscular com achados na ressonância maior que 10% de lesão das fibras
  • Grau 2 – Lesão muscular com achados na ressonância entre 10% e 50% de lesão das fibras
  • Grau 3 – Lesão muscular com achados na ressonância maiores que 50% de lesão das fibras
  • Grau 4 – Lesão muscular com ruptura completa das fibras

*Segundo a British Athletics Muscle Injury Classification

Departamento médico praticamente zerado pode ajudar

Antes das lesões de Arrascaeta e Luiz Araújo, a equipe comandada por Márcio Tannure vinha em boa crescente na temporada. Os jogadores começaram a se acostumar com a rigidez dos treinos físicos de Sampaoli, e o número de contundidos vinha diminuindo. No momento, apenas Guillermo Varela está entregue ao departamento médico, com um problema ligamentar no joelho. A presença do uruguaio na final da Copa do Brasil está descartada.

Por isso, o departamento médico do Flamengo não poupará esforços para, pelo menos, ter os jogadores no jogo de volta da final da Copa do Brasil. Recuperações rápidas assim já aconteceram, inclusive com Arrascaeta, quando ele teve uma lesão no joelho e conseguiu estar em campo na semifinal da Libertadores, contra o Grêmio. Na época, Tannure e o DM foram muito celebrados no Rubro-Negro.

Luiz Araújo deixou o campo com muitas dores em Flamengo x Internacional, no Maracanã (Foto: Thiago Ribeiro/AGIF/Sipa USA/Icon Sport)

Até a decisão, a recuperação seguirá intensa e constante. O primeiro jogo da final será no dia 17 de setembro, no Maracanã, e a volta acontecerá uma semana depois, no Morumbi. Para o Flamengo, está em jogo o quinto título de Copa do Brasil de sua história e, para esta geração vitoriosa, seria o segundo. Ao todo, o atual elenco conquistou 11 canecos desde 2019.

Foto de Guilherme Xavier

Guilherme Xavier

É repórter na cobertura do Flamengo há três anos, com passagens por Lance! e Coluna do Fla. Fã de Charlie Brown Jr e enxadrista. Viver pra ser melhor também é um jeito de levar a vida!
Botão Voltar ao topo