Brasileirão Série A

Cruzeiro perde mais uma chance de subir na tabela; só restou aplaudir Edu

Cruzeiro e Coritiba não saíram do zero a zero em partida disputada neste domingo (16), no Independência

Cruzeiro e Coritiba não saíram do zero a zero em partida disputada neste domingo (16), no Independência, pela 15ª rodada do Campeonato Brasileiro. Se faltaram gols durante os 90 minutos, por outro lado, os presentes puderam acompanhar estreias e reencontros.

Durante o jogo, o Cruzeiro pecou pelo individualismo, com os jogadores tentando resolver a partida sozinhos. Esse comportamento facilitou os desarmes do Coritiba. Além disso, quando conseguia furar o forte bloqueio da equipe paranaense, os jogadores da Raposa pecavam na definição, seja na finalização ou no último passe. Um problema recorrente do time de Pepa.

O empate fez com que o Cruzeiro perdesse a oportunidade de se aproximar das primeiras posições do Brasileirão. A equipe celeste se manteve na nona colocação — agora com 22 pontos — mas pode terminar a rodada fora do grupo dos dez melhores do campeonato.

O Coritiba, por sua vez, ampliou sua sequência invicta para três jogos, mas segue no Z4, na 18ª colocação, com 11 pontos em 15 partidas.

+ LEIA MAIS: Arthur Gomes chega para reforçar o Cruzeiro: saiba como ele pode ajudar o time

Mudanças na escalação e primeiro tempo de poucas chances

Pepa escalou o Cruzeiro com algumas novidades. O colombiano Helibelton Palacios fez sua estreia, substituindo o suspenso Willian. Na zaga, Neris foi mantido mesmo com Lucas Oliveira voltando de suspensão. No ataque, esquema sem um nove de ofício, com o garoto Robert, que estreou contra o Vasco, iniciando a partida como titular.

Os primeiros 20 minutos de partida foram de bastante estudo e poucas finalizações. O Cruzeiro buscava marcar pressão na saída de bola do Coritiba, enquanto a equipe paranaense tentava contra-atacar os espaços deixados pela equipe celeste.

+ LEIA MAIS: Cruzeiro tem interesse em Shaylon, mas Atlético-GO impõe condição

Apesar de o Cruzeiro manter mais a posse de bola, foi o Coritiba quem conseguiu finalizar primeiro, obrigando o goleiro Rafael Cabral a trabalhar.

Na segunda metade do primeiro tempo o Cruzeiro melhorou e conseguiu chegar com maior perigo.  Após boa trama entre Wesley e Bruno Rodrigues, a bola sobrou para o camisa 11 que avançou e saiu na cara do goleiro Gabriel,  cria da base da Raposa, mas bateu para fora, de perna esquerda, perdendo uma chance incrível.

Aos 43, foi a vez do Coritiba perder uma grande oportunidade. Após cruzamento da direita, a bola sobrou limpa, dentro da área, para Kaio César, que mandou para fora, desperdiçando grande oportunidade de evitar que o primeiro tempo terminasse em 0 a 0.

Rafael Cabral garante empate

No segundo tempo, as equipes passaram a atacar mais e o número de finalizações aumentou. Apesar de o Cruzeiro conseguir chutar, era o Coritiba que chegava com maior perigo. Rafael Cabral precisou intervir em algumas oportunidades, sendo o melhor jogador em campo.

Durante a etapa final, Pepa colocou Lucas Oliveira e Gilberto, depois Wallisson e Paulo Vitor, fechando com Stênio, o que deu um gás novo ao time. Mas apesar de ter mais fôlego, o Cruzeiro seguiu desorganizado em campo, conseguindo chegar somente por meio do “abafa”.

Nos momentos finais da partida, o Cruzeiro ensaiou uma pressão, mas perdeu as oportunidades criadas. A principal delas com Mateus Vital, que emendou mal um passe de Stênio e chutou para cima a esperança de mais uma vitória no Independência.

Estreias e reencontros

Se não puderam comemorar gols na partida, os cruzeirenses viram a estreia do lateral-direito colombiano Helibelton Palacios e a primeira partida do jovem Robert como titular

Palacios fez uma estreia sólida, principalmente na defesa, arriscando algumas poucas subidas ao ataque. O jogador demonstrou boa capacidade física e qualidade pelo alto. Robert, por sua vez, não fez boa partida e foi facilmente anulado pela defesa Coxa Branca. O jogador teve dificuldades de se impor fisicamente na partida e acabou substituído na segunda etapa.

A torcida celeste ainda se reencontrou com os ex-cruzeirenses Gabriel, formado nas categorias de base do clube e vendido para o Milan em 2010, e Edu, grande nome da Raposa na conquista da Série B do Campeonato Brasileiro em 2022.

Edu, que entrou no segundo tempo, foi bastante festejado pelos cruzeirenses e teve seu nome gritado antes e depois da partida. Parte da torcida do Cruzeiro queria que o camisa 99 fosse aproveitado nesta temporada, pedido que se intensificou com o mau momento dos centroavantes Gilberto e Henrique Dourado.

Na saída de campo, Edu falou com a imprensa sobre sua saída do Cruzeiro. Apesar de não entrar em detalhes, o atacante garantiu que a decisão de sua não-permanência partiu somente do clube celeste e que, por isso, não tinha muito o que fazer.

Lucas Silva não sai do banco

Por outro lado, a torcida do Cruzeiro não pôde ver Lucas Silva reestrear pelo clube. O volante, que teve seu nome cantado antes do início do jogo, ficou no banco de reservas durante o jogo e não foi acionado por Pepa, que preferiu fazer alterações mais ofensivas.

Foto de Maic Costa

Maic Costa

Maic Costa é mineiro, formado em Jornalismo na UFOP, em 2019. Passou por Estado de Minas, Superesportes, Esporte News Mundo, Food Service News e Mais Minas, antes de se tornar setorista do Cruzeiro na Trivela.
Botão Voltar ao topo